Review: Magic Keyboard, o atual teclado sem fio da Apple

No meu (já famoso) post sobre a polêmica dos R$2.100, disse a vocês que um dos motivos por eu ter comprado um Magic Keyboard era para ter a oportunidade de conhecê-lo e escrever um review aqui para o site.

Bem, promessa é dívida.

Apple - Magic Keyboard

Lançado em meados de outubro do ano passado junto a novos iMacs, o Magic Keyboard é o mais novo teclado sem fio da Maçã. Assim como o Apple Wireless Keyboard que substituiu, ele traz um layout completo porém sem a área numérica à direita.

Apple - Magic Keyboard

De lado, o Magic Keyboard impressiona pelo seu perfil fino em formato de cunha (e a foto acima até dá a impressão de ele ser mais grosso do que é, na vida real — de 0,41cm a 1,09cm apenas). Acabou aquela área maior no “topo” onde ficavam as pilhas AA; o teclado agora possui uma bateria de íons de lítio embutida, com uma potência de 793mAh segundo nos mostrou a iFixit.

Aliás, aqui já vale um comentário especial: estou impressionadíssimo com a autonomia desse teclado. Carreguei o meu logo quando o comprei e estou usando sem parar há dois meses. Neste momento, ainda tenho 21% de carga. E sou um usuário que fica o dia inteiro na frente do computador, digitando bastante; é realmente incrível, e olha que a Apple oficialmente promete “cerca de um mês ou mais”.

Apple - Magic Keyboard

Esse teclado utiliza um novo mecanismo de teclas que a Apple chama de “tesoura”, diferente do “borboleta” adotado pela empresa no MacBook de 12 polegadas. A profundidade das teclas é muito boa e a experiência de digitação, muito similar à do meu MacBook Pro de 15 polegadas.

Aliás, é fácil listar as diferenças entre os dois:

  • A fileira superior, de funções, tem a mesma altura do resto das teclas no Magic Keyboard — enquanto no MBP é fininha, com mais ou menos metade da altura do resto.
  • A tecla do canto superior direito, no meu Mac, tem o símbolo de força (é por ela que ligo/desligo o computador). No Magic Keyboard, tem o símbolo de Eject (⏏).
  • As setinhas para a esquerda e para a direta têm a mesma altura das setinhas para cima e para baixo juntas no Magic Keyboard, enquanto no MBP todas têm a mesma altura. Particularmente, achei isso ruim e demorei bastante a me acostumar.
  • A Apple adotou no Magic Keyboard a sua fonte oficial San Francisco.

E tem mais uma coisa, que merece um parágrafo à parte: não sei por que cargas d’água, a Apple não incluiu no Magic Keyboard um sistema de retroiluminação para as teclas — algo que também critiquei sobre o Smart Keyboard do iPad Pro. É verdade que eu dificilmente estaria elogiando tanto a bateria dele se tivesse, mas eu trocaria facilmente uma autonomia um pouco inferior (até porque a atual chega a ser surreal de tão boa) por uma backlight nesse teclado.

Apple - Magic Keyboard

Na traseira, temos um botãozinho de liga/desliga (mas vale notar que ele mesmo “hiberna-se” automaticamente quando você não está digitando, mesmo ligado), a porta Lightning para recarga (e vem um cabo Lightning-USB na caixa, é bom notar) e um pequeno “recorte” no alumínio para facilitar a comunicação Bluetooth.

A conexão sem fio, diga-se, é perfeita — sem falhas e sem latência. Outra coisa legal que vale citar é que você nem precisa passar pelo “tedioso” processo de emparelhamento do dispositivo; basta conectar o teclado ao Mac pela USB que ele faz tudo automagicamente. E pronto.

Ah, e apesar de todo o meu teste ter sido feito com o Magic Keyboard conectado ao MBP, é óbvio que ele também funciona perfeitamente com iPads e iPhones/iPods touch, bem como com a nova Apple TV.

Enfim, não há muito o que se falar num review de teclado além disso. Estou bastante satisfeito com ele e está suprindo a minha necessidade atual enquanto ainda enfrento o problema com o meu MBP. Só o preço que não é muito convidativo, obviamente: são R$749,00 no Brasil (R$674,10 à vista) ou US$99 nos Estados Unidos.

Posts relacionados

Comentários