Em grande entrevista, Phil Schiller fala das controvérsias do novo MacBook Pro

Desde a quinta-feira da semana passada que não se fala em outra coisa, seja para o bem ou para o mal. Sim, me refiro ao novo MacBook Pro com Touch Bar/Touch ID. Até mesmo os executivos da Apple estão dando entrevistas a torto e a direito sobre a máquina.

https://macmagazine.uol.com.br/2016/10/28/entrevistas-executivos-da-apple-contam-um-pouco-sobre-o-novo-macbook-pro/

https://macmagazine.uol.com.br/2016/11/01/entrevista-jony-ive-conta-sua-experiencia-na-criacao-do-novo-macbook-pro/

Além de conversar com a CNET [acima], Phil Schiller (vice presidente de marketing mundial da Apple) também bateu um papo com David Phelan, do The Independent, sobre o MBP e suas novidades/ausências.

Eles falaram um pouco sobre a história do notebook (a própria Apple deu um foco relativamente grande nisso durante o evento, chegando a publicar um comercial mostrando o histórico das suas máquinas), o peso/volume dos novos portáteis (que são mais leves/menos volumosos, porém mantendo a mesma solidez), os desafios de engenharia (por exemplo, nem passa pela cabeça de usuários comuns o quanto de trabalho está envolvido para que o novo — e gigante — trackpad rejeite de forma precisa os toques involuntários enquanto estamos digitando), entre outras coisas.

Obviamente, o foco da conversa não poderia ser diferente de Touch Bar e escolhas tecnológicas que a Apple teve que fazer para criar este novo MBP.

Touch Bar

Schiller mais uma vez deixou clara a crença da Apple ao dividir bem suas categorias de produtos. Para eles, há uma linha divisória entre dispositivos como iPhones e iPads (“pedaços de vidro” que nós interagimos com toques) e computadores desktop/laptop (estruturas em “L”, formadas por uma tela e um teclado/mouse). Ainda que seja um form factor bem mais antigo, Schiller explicou que, ao menos para ele (e consequentemente para a Apple) os computadores ainda perdurarão por muitos e muitos anos. E não há motivo para querer mesclar essa forma de interação com a que temos com iPhones e iPads (ou seja, colocar uma tela sensível ao toque em Macs para tentar replicar a experiência que temos com smartphones e tablets).

Evento especial da Apple - MacBook Pro - Outubro de 2016

Isso não quer dizer que a Apple não tentou criar um produto assim. Os testes, porém, não conseguiram reproduzir uma experiência satisfatória, tão boa e intuitiva quanto a que temos hoje com teclado e mouse. A Touch Bar nasceu, então, como uma consequência disso.

Essa orientação básica, essa forma em L, faz todo o sentido e não vai embora. Nossa equipe veio com essa ideia de que você pode criar uma superfície multi-touch que é coplanar ao teclado e ao trackpad, mas traz uma experiência totalmente nova, que é mais interativa, com multi-touch.

Por que tirar o slot para cartões SD?

Esta é, sem dúvida, uma pergunta que muitos de nós fizemos ao ver o novo MBP. E Schiller tratou de respondê-la.

A Apple chegou à conclusão de que, além de ser uma entrada estranha por deixar metade do cartão para fora, existem no mercado leitores USB de cartões bastante finos e rápidos, capazes de suportar tanto cartões CompactFlash quanto Secure Digital. No passado, a Apple decidiu colocar um slot para cartões SD por este ser o padrão mais utilizado por fabricantes de câmera (consequentemente, por usuários). Mas é inegável que muitos outros utilizam CF e que a Apple só poderia atender um público com esta entrada.

Atualmente, porém, muitas fabricantes estão começando a investir em recursos de transferências de fotos sem fio nas próprias câmeras. Isto, junto dos adaptadores mais rápidos e versáteis que existem no mercado, fez com que a Apple retirasse o slot para cartões SD dos MBPs.

Por que manter a saída analógica de áudio (3,5mm)?

A Apple teve coragem suficiente para retirar a saída de áudio analógica (3,5mm) dos iPhones 7/7 Plus. Nos novos MBPs, porém, ela preferiu manter a conexão da mesma forma. Schiller disse que tirá-la dos iPhones e manter no notebook não é sinal de inconsistência.

Se fosse apenas sobre fones de ouvido, então ele [o conector] não precisaria estar lá, pois nós acreditamos que [a tecnologia] sem fio é uma ótima solução para fones de ouvido. Mas muitos usuários têm configurações com monitores de estúdio, amplificadores e outros equipamentos de áudio profissional que [ainda] não têm soluções sem fio e precisam do conector de 3,5mm.

Novos MacBook Pros fechados de lado

Bem, este cenário dificilmente mudará nos próximos 2-3 anos (ou até mais), então vamos ficar de olho para ver se a porta continuará mesmo lá.

Mas, veja bem: eu falei aí em cima que a Apple preferiu manter a conexão da mesma forma, né? Pois não é bem assim: o AppleInsider descobriu que, assim como as Apple TVs de quarta geração, o novo portátil não tem mais uma saída de áudio óptica. Basta dar uma olhada nas páginas de especificações dos MBPs novos, dos antigos e comparar. Aos que não sabem do que se trata, este tópico do MM Fórum explica muito bem o que é a saída de áudio óptica.

Siri no Mac

A Siri foi lançada no iPhone em 2011, mas só chegou ao Mac em 2016. Por que tanta demora? De acordo com Schiller, se fosse apenas para levar a Siri ao sistema operacional dos computadores a Apple poderia ter feito isso há bastante tempo. Mas levar “por levar” não fazia sentido; era preciso adaptar a assistente para que ela pudesse realizar tarefas genuinamente ligadas a computadores, como por exemplo buscar um determinado arquivo no seu HDD1 ou SSD2.

macOS Sierra com resultados de busca da Siri num MacBook

E por que no Mac ela não desperta com um simples comando de voz, como nos iGadgets? Segundo o executivo da Apple, isso tem a ver com o sistema eletrônico dos Macs e suas capacidades de baixa potência. Para economizar bateria/energia, por exemplo, os Macs “dormem” depois de um período sem uso. Aí, você está lá do outro lado da sala e fala “E ai Siri”; como o Mac está dormindo, você precisa despertá-lo para que a Siri consiga escutar o seu chamado, então você precisa ir até o Mac e acordá-lo. Se você tem que fazer isso, qual é o ponto de ter essa capacidade se ela não funcionará a contento?

É preciso, então, repensar a forma como os computadores funcionam para que esse tipo de recurso funcione em sua plenitude, de forma que os Macs estejam sempre em um estado de prontidão. Isso, ao menos hoje, não é a realidade.

Reação dos usuários e do mercado aos novos MacBooks Pro

Schiller não é maluco e está, como todos na Apple, acompanhando a reação dos usuários e do mercado como um todo ao anúncio dos novos MBPs. Como sempre, algumas coisas são muito elogiadas e outras geram bastante controvérsia — quando estamos falando de Apple, essa é uma constante. Mas o chefão de marketing gostaria muito de ver todos tendo a oportunidade de testar as máquinas (ao menos quem mora no Rio de Janeiro ou em São Paulo poderá, quando elas estiverem expostas nas lojas da Maçã) e “ver por conta própria como o [novo] MacBook Pro é ótimo”.

Eu nunca vi um ótimo produto novo da Apple que não teve a sua cota de crítica e debate inicial — e isso é legal. Nós damos passos arriscados, ousados e, claro, cada passo à frente envolve também alguma mudança para lidar com isso. Nossos clientes são tão apaixonados que é incrível.

Nós nos preocupamos com o que eles amam e com o que estão preocupados. E é nosso trabalho ajudar as pessoas com essas mudanças. Sabemos que tomamos boas decisões sobre o que colocar no novo MacBook Pro e que o resultado é o melhor notebook já feito, mas ele pode não ser certo para todos agora. Isso é OK, algumas pessoas se sentiram dessa maneira com o primeiro iMac e isso no fim acabou dando muito certo.

Apesar das polêmicas, Schiller afirmou que o novo MBP é o modelo “Pro” mais vendido entre todos já lançados pela Apple (comparando, obviamente, compras online no período de lançamento).

Meus dois pitacos

Schiller não deixa de estar certo em muitas das suas respostas e justificativas, principalmente quando diz que o MBP é uma ótima máquina mas que não é obrigatoriamente a escolha perfeita para muita gente agora. Um belo exemplo disso são as quatro (ou duas, dependendo do modelo) portas Thunderbolt 3. Elas são poderosíssimas e completamente versáteis. Mas, hoje, eu duvido que você consiga utilizá-las sem pendurar um monte de adaptadores (o que é terrível). Olhando para o futuro, porém (daqui a uns 2-3 anos), sem dúvida nenhuma esse será um ótimo notebook (conceitualmente falando).

Eu entendo o passo que a Apple quis dar e acho muito válido. Nós, usuários, clamamos por novidades, inovações, revoluções… mas na hora que a empresa arrisca, reclamamos. Alguém aqui imagina um notebook da espessura e do tamanho desses MBPs com portas USB-A, HDMI, slot para cartões SD, MagSafe e quatro portas Thunderbolt 3? Dificilmente vemos outra empresa arriscando assim, apostando no futuro como a Apple faz, e isso é digno de aplausos — ainda que eu ache que ela poderia ter colocado seis portas Thunderbolt 3 (levando em consideração que em uma delas teremos o adaptador de energia conectado, a oferta de cinco portas seria igual à do MacBook Pro de 2015 com o benefício da versatilidade da nova tecnologia).

A minha crítica (e eu a critiquei bastante no MacMagazine no Ar #204) é direcionada à forma como a Apple lida com transições. Como disse, estamos falando de um conceito de máquina muito legal para daqui a 2-3 anos, quando o mercado já estará mais preparado para as conectividades USB-C e Thunderbolt 3. Enquanto isso, a empresa tinha que pensar na experiência dos clientes e resolver, de alguma forma, as incompatibilidades entre seus próprios produtos de uma forma menos honrosa do que nos forçar a comprar vários adaptadores.

Um exemplo bem prático — e apenas um, para não estendermos a discussão — seria colocar um cabo USB-A/Lightning e outro USB-C/Lightning na caixa dos iPhones, iPads e iPods mais recentes, afinal, é inadmissível que produtos de uma mesma empresa, lançados em 2016, não sejam compatíveis uns com os outros.

Para terminar, aqui vai a minha crítica a esta fala de Schiller:

[O novo MacBook Pro] é realmente um grande passo à frente e um exemplo de quanto nós continuamos investindo no Mac. Nós amamos o Mac e estamos tão comprometidos com ele, tanto com os desktops quanto os notebooks, como sempre estivemos.

Eu gostaria muito, mas muito mesmo de acreditar nisso. Mas depois de estar há mais de 380 dias sem atualizar os iMacs, há mais de 740 dias sem atualizar os Macs mini, há mais de 1.050 dias sem atualizar os Macs Pro, de realizar um evento para falar de novidades no mundo Mac e nem tocar no nome desses computadores, fica complicado de engolir…

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

99 comments

  1. queria ver ele responder por que o novo mac ainda usa ddr3 e barramento sdd m.2, quanto concorrentes de preço similar usam ja padrões novos a muito tempo.

  2. Nem fala… isso foi de uma incoerência absurda. A Apple no minimo (como no texto) deveria incluir na caixa um misero adaptador, pois vender produtos que não se conectam foi a parte mais difícil de engolir.

  3. Eu como desenvolvedor ficaria frustado em ter o iPhone 6S/7 e esse novo Macbook. Ficaria sem poder compilar um app em desenvolvimento para testes! teria que comprar um adaptador! isso é simplesmente ridículo num notebook tão caro

  4. Cara, a Apple precisa me contratar. Esse computador seria um sucesso na minha mão. Só colocar uma meia dúzia de adaptadores na caixa. Problema resolvido rsrs
    Ah diminuiriam a margem de lucro?! O foco de um produto conceito não pode ser o lucro

  5. Verdade, isso é o que soa mais absurdo. Forçar novas tendencia é realmente valido, mais prejudicar seus próprios produtos lançados quase no mesmo instante foi lamentável

  6. De vez em quando eu tenho medo da Apple estar colocando os Macs em segundo plano, quase como um hobbie, lançando uma versão uma vez ou outra, só olhar a situação atual dos Mac Mini, iMac e Mac Pro. Eu queria muito ver a resposta dele sobre o fato mencionado no post dos novos iPhones e Macbooks não serem compatíveis uns com os outros, só queria uma resposta pra isso, só para me convencer que eles realmente sabem o que estão fazendo.

  7. Talvez a resposta seria “Para que você quer conectar o iPhone no Macbook se podes fazer tudo através da nuvem? Compra online, usa iCloud, usa Wi-fi, só não usa o cabo”

  8. Você trilhar um caminho para daqui 2-3 anos é uma coisa, viajar para o futuro e trazer algo de la dessa forma é totalmente diferente. Por favor, tirem o DeLorean da Apple ja!!!

    Para mim esse MacBook é ideal para um uso não tão profissional assim. O problema dele é esse PRO na frente (qualidade de saida de audio, memoria, placa gráfica etc… faltou), não ta casando tanto assim o nome mais. Poderia ser um MacBook Pro SE… ai daqui a 2-3 anos lançar o verdadeiro MacBook Pro …kkkk

  9. Isso porque nem vou mencionar as situações onde você precisa plugar o iPhone no Macbook, como no processo de restauração pelo iTunes por exemplo ou como o Thiago mencionou, compilar um app para testes.

  10. Eduardo Marques, de onde vc tirou a ideia de que em 2 ou 3 anos o mundo estará mais preparado para o Thunderbolt 3, se praticamente 6 anos depois o mundo ainda não se preparou para o Thunderbolt 1? Os acessórios são ínfimos nas lojas de tecnologia.
    Tem hora que dá a impressão que alguns tentam defender o indefensável.

  11. Concordo, porém não se esqueça que todo primeiro produto da Apple é um “beta”… compre quem tiver coragem kkkkk

  12. Não sei, pode ser besteira minha, mas acho que não combina numa mesma foto o MacBook Pro, nome esse que passa a ideia de produtividade e ferramenta de trabalho, e a touch bar mostrando emojis pra conversa de pré teen. Sei lá, poderiam ter colocado uma extensão do Final Cut…

  13. Matou a charada!
    A Apple tenta criar a ideia de que qualquer de seus usuários são “Pro”… alguns mais, outros menos…

  14. Eu creio que dispositivos híbridos e notebooks com telas touch são uma tendência e por ser assim todas as marcas estão lançando seus produtos m tais características, e muito difícil hoje ver um que não seja. Por isso particularmente acho um erro a Apple não começar a investir nesse tipo de categoria , o que custa dar essa opção a mais para o usuário?

  15. O próximo passo da Apple é lançar um MacBook Pro sem tela. Vão dizer que no futuro não será necessário, então resolveram tirar agora…
    Detalhe: Irão retirar o display e aumentar U$ 100.00 no preço do produto.
    iTrouxa

  16. Eu até compreendo olhando pela compatibilidade com o USB-C, porém não podemos esquecer que em 90% das lojas de tecnologia nem o USB-A 3.0 virou padrão ainda… a maioria dos pendrives e dispositivos ainda estão presos no padrão 2.0… e olha que o padrão 3.0 está aí há anos.

  17. Tem muito smartphone por aí adotando o USB-C, então eu acho que daqui a uns 2-3 anos a coisa estará mais disseminada, sim. Mas é chute, não temos como prever esse tipo de coisa.

  18. “O cabo USB vem para carregar o aparelho, e tem a conveniência para os notes windows ou macs versão não 2016. Quando lançarmos nosso iPhone 10SEU que não precisará de carregador, não virá mais o cabo”

  19. É preciso lembrar que antes do primeiro iMac, as portas USB não praticamente não existiam.

    E o iMac veio apenas com portas USB.

    Foi uma aposta, mas no fim, foi o que impulsionou, e tornou padrão o USB!

  20. “colocar um cabo USB-A/Lightning e outro USB-C/Lightning na caixa dos iPhones, iPads e iPods mais recentes”
    Nisso concordo plenamente!
    E vale lembrar que no passado já teve iPod que vinha com 2 cabos na caixa:
    Firewire e USB

  21. Talvez seria mais fácil eles incluírem um adaptador thunderbolt/USB-A no mac, valeria mais, pois nem todos compradores de iPhones utilizariam dois adaptadores, mas seria mais fácil compradores de Mac utilizar esse adaptador.

  22. Não é? Eu sempre fui um Apple user, todos os dispositivos que tinha eram da fabricante, hoje só mantenho o MacBook Pro e pelo visto, por pouco tempo.

  23. sobre o mac pro (lixeira/cafeteira), alguém tem que bolar lá dentro um jeito da Apple trazer de volta a torre clássica sem parecer que a atual versão foi um erro segundo a própria Apple…. talvez deixando ela lá mofando mesmo e lançando um “Power Mac” de novo, “Mac Server”, MacX…. outra solução menos vexatória era atualizar a lixeira com thunderbolt 3 e a Apple suportar oficialmente gpu externa via essas portas… acho que diminuiria o “ódio” que a Apple acabou gerando entre os “pros”/power users com o atual mac pro….

  24. Concordo com você quando vc diz que o USB-C ainda não é padrão, mas o seu exemplo foi no mínimo ultrapassado: pendrives??? Dizer que manter o USB por causa do Pendrive é a mesma coisa que eu querer CD/DVD player por causa dos mais de 100 CDs que eu tenho em casa.

  25. Eu não acho que a retirada da saída óptica seja um problema para a galera que trabalha com audio profissional. Com o pouco conhecimento que tenho, vejo alguns caras no youtube usando as conexões de dados para transmitir audio para placas de som externas. Os que não usam um workflow externo, deve preferir conexões analógicas, sem compressão digital. Ainda mais que aproveita o DAC diferenciado, que até onde sei, está embutido no mac. A entrada digital era uma versatilidade para pessoas que justamente não trabalham com audio profissional. Logo Apple detectou que era pouco relevante e retirou.

  26. Só quis dizer que, ao que parece, essa saída óptica nunca foi a opção de transmissão de áudio digital de quem trabalha com audio digital.

  27. Um é compatível com o outro (assim como o USB 2 e 3) mas não são a mesma coisa. O Thunderbolt entrega bem mais velocidade e energia.

  28. O novo MBP vive fora de sincronismo de usabilidade com o demais devices, isso já é meio que esperado, mas considerando que mesmo eu usando um MBP para trabalho em desenvolvimento e como analista de TI ,com excessão do carregador, suas portas vivem 99% do tempo sem nada conectada nelas.
    Tenho mouse externo, mas prefiro o touch, usar um, dois ou três dedos é mais pratico no meu caso, o iPhone prefiro conectar na tomada para carregar e dificilmente uso o iTunes para fazer sincronismo.
    A verdade é que quem precisa de várias coisas conectadas ao note, possui um perfil muito mais de Workstation que de Mobile, então nesse caso vejo mais que ótimo a compra de uma dock com todas as portas necessárias, por dois motivos óbvios: 1) ter muitas opções de portas disponíveis e 2) não precisar desmontar e montar toda a parafernália. várias vezes. Claro, chuto, que a maioria dos usuários possui uma mesa própria para trabalho como workstation, mas que também levam o note para onde forem, mas não é o caso de levar mais dois monitores, storage e outras coisa chatas de carregar, no máximo um pen drive/hdd.

    Com isso a engenharia se foca na velocidade e coisas mais básicas como display/teclado/touch.
    Simplifica ao mesmo tempo que da uma alternativa, não muito usual, mas extremamente potente para conectar os demais devices.

    Por exemplo será muito comum o uso de GPU’s externas, com essa TB3 isso é bem possível.

    Foco no desempenho.

  29. Em nenhum momento eu disse querer manter pendrive… já tem mais de 5 anos que não uso um… kkkk
    Em contrapartida, até hj não tenho nenhum device que utiliza USB-C ou Thunderbolt… ainda estou no Firewire, pois minhas câmeras (que não são descartáveis) e meu DROBO utilizam melhor essa conexão

  30. Já existe, ele se chama MacBook de 12″.
    E o iPadPro é apenas uma alternativa, mal implementada, ao Surface Pro da MS.

  31. E eles escutam, tanto que se pedem para manter isso ou aquilo, quer dizer que a usabilidade se estagnou e qualquer MBP de duas ou até três gerações passadas resolvem 99% dos casos.

    No meu caso MPB de 2010 ainda vai render por uns 2 anos aqui.

  32. Sempre que me lembro de usar pendrive, lembro que ou perdi e nem tenho idéia de seu paradeiro ou ficou plugado na TV, pq ainda não tinha o filme no Netflix.

  33. Daqui a pouco inventam o macbook pro air sem porta e a culpa vai ser sua. Sobre o ipadpro, se pelo menos ele rodasse um macos, poderia até chamar de imitação de surface, com o ios é um iphone gigante, com idiossincrasias incompatíveis com tanta potência de hardware

  34. Penso que o povo faz muito mimimi com coisas que raramente usavam nos MBP.

    Minhas considerações:

    logo Iluminada – Inútil
    Leitor de SD – Inútil, uso um externo que é umas 20x mais rápido e confiável.
    HDMI – Continua lá, só mudou a ponta.
    USB – Continuam lá, só mudou a ponta.
    Touch Bar – Inútil, uso o mac fechado e tanto faz pra mim….
    Audio 3.5 – Inútil, uso sistema USB e bluetooth

    MagSafe – Sentirei saudades, gostava da segurança mas já comprei o plug adaptador imantado no eBay por $20 e vai continuar igual, com a vantagem de encaixar em qualquer uma das portas, ou seja, melhorou!

    Então a minha unica preocupação com esses novos MBP é o desempenho real. Espero que seja realmente mais rápido e potente no uso real, pois números de benchmarks não me convencem.

  35. A máquina é voltada pro futuro, quando chegar o futuro daqui uns x anos a máquina já estragou ou a gente não vai querer mais usar ela por estar defasada. Oi?

  36. Concordo contigo, mas MagSafe nativo era coisa linda demais… Comentavam sobre a possibilidade disso existir em iPhones e nada feito… esse para mim foi algo que me incomodou bastante… mas bola pra frente!

  37. “A Apple chegou à conclusão de que, além de ser uma entrada estranha por deixar metade do cartão para fora, existem no mercado leitores USB de cartões bastante finos e rápidos, capazes de suportar tanto cartões CompactFlash quanto Secure Digital. ”

    AHH SIM!!! Até porque colocar ADAPTADORES é uma solução muito mais elegante…

  38. Esse Phill é um fanfarrão.
    Ok se para eles Mac e Ipad sao produtos distintos e nao irão se tornar uma coisa só.

    Mas o mercado está apontando para o lado oposto disso.
    A Microsoft está reinventando a forma de usar softwares dela e de terceiros, interagindo entre o touch e o modo “padrao” para algo “novo”.

    A evolução está começando nas maos da concorrente.
    Só o Phill não quer ver e querem ficar criando apetrechos “simbolicos” como esse touch bar para ir, literalmente, empurrando com a barriga.

    Acho duas coisas:
    1. A Apple ficou preguiçosa após o grande sucesso de iPhones. Basta trocar ou afinar o aparelho ano apos ano, vende hororres. Inovaçao mesmo, só veio em 2007 quando foi lançado. O resto, apenas evoluiu.

    2. A criatividade foi embora junto com Steve Jobs

    Como já devo ter dito isso aqui, o pior cego é aquele q nao quer ver #phill

  39. Você está misturando as coisas. O questionamento sobre comprar ou não um PC é diferente de dizer que o iPad substitui computadores (em geral, Macs e PCs, desktop e laptops) para muita gente.

    Quanto ao Mac Pro abandonado, isso nem há o que comentar. É vergonhoso.

  40. Boa. Não sabia. Achei que eram a mesma coisa porém como a Apple gosta de usar nome pra tudo né… hehe

  41. Bom, as pessoas usam o cabo Lightning/USB-A pra conectar o iPhone em toda sorte de lugares, como por exemplo o próprio adaptador de tomada ou as entradas da maioria dos computadores de hoje em dia (sejam Macs ou não), enquanto o USB-C seria exclusivamente pra se conectar aos novos Macs. Sendo assim, faz sentido a Apple mirar no público maior (até porque muito mais gente tem iPhones do que Macs) e continuar dando o cabo USB-A na caixinha, oferecendo a alternativa Lightning/USB-C pros poucos que necessitarem disso (e sim, já existe esse cabo na loja desde o dia em que esses novos Macs foram lançados). Ainda deve ser considerado que as pessoas trocam de iPhone muito mais rápido do que trocam de Mac, então é possível que no futuro, se perceberem a necessidade, incluam o USB-C na caixinha também, mas duvido muito que deixem os dois na caixa, e se tirarem o cabo USB-A eu prevejo uma revolta sem tamanho…

  42. Verdade, acho que saída ótica é mais pra home theater, áudio Hi-Fi, esse tipo de coisa. A maioria das interfaces de áudio pro usam USB(2), sem falar no pessoal que ainda tem bons equipamentos com Firewire 400/800. Pra plugar as minhas duas, mais um controlador MIDI e um data show que uso de vez em quando já teria que desembolsar 719,00 pilas em adaptadores. Tem gente que chama isso de mimimi, mas eu acho bem desanimador. Vai da necessidade de cada um.

  43. Ótima ideia, pena que não vai colar, rsrs. Imagina quanto ela deixaria de ganhar com a venda de milhares de adaptadores a preços exorbitantes.

  44. Inovar?

    Os caras tiraram as portas USB-A (poderiam deixar uma, pelo menos), tiraram a porta HDMI e a saída de audio tornou-se apenas analógica.

    Inovação para a Apple é matar a conectividade do produto, forçar todo mundo a sair comprando adaptadores para sobreviver com a máquina e justificar na espessura de 1 ângstron menor do que a anterior e 1g a menos da massa.

    E antes de alguém lembre do iMac que perdeu a paralela e só haviam duas USBs, lembrem que o conceito do iMac nunca foi ser profissional (era uma máquina para internet, tal qual são os iPads) e que a Apple fazia computadores de nicho. Hoje, vê-se maças em todos os lugares. Precisa-se tomar mais cuidado com o que se faz. Correram muito risco por pouco benefício.

  45. Compare a proposta de um iMac em 1998 com a de um Macbook Pro.

    Compare o que era a Apple em 1998 (máquina de nicho, para poucos) com a Apple de 2016 (onde todo Starbucks que você vai tem uns 5 Macbooks com a maça brilhando na tua cara).

  46. A maioria dos usuários “pro” do exterior falaram a mesma coisa, o aparelho pode ser mais grosso e a bateria poderia durar a metade, contando que ofereça recursos

    Aliás, se agora o aparelho é 5 mm menor, seria muito mais útil manter o form-factor atual e aumentar a bateria, ganhando x horas de autonomia. Quem nesse mundo prefere aparelho 5mm mais fino ao invés de mais bateria (tirando o doido lá que quer cismou em transformar mac em gillete) ?

    Além de tudo, quanto mais fino, mais integrado, soldado, colado e menos customizável. O macbook vai virar um ipad pro antes do ipad pro virar um macbook

  47. Firulas…firulas…firulas… Com certeza este não está habilitado para substituir o Cozinheiro (que vai cair nos próximos anos). Aliás, está difícil achar um que tenha o perfil requerido na Aplle. Só espero que não tragam um novo fazedor de refrigerante.

  48. Se ao menos tivesse um app igual o Airdroid para fazer sync de diversas coisas via wifi, Faria até sentido

    Ter que usar iPhone via cabo no iTunes e ter que depender de iTunes para sincronizar musica é lamentável

  49. eu prefiro ser otimista … lembram quando lançou o primeiro iphone? muita , mas muita gente mesmo não aceitava o fim do teclado, e o iphone mudou toda uma era de comunicação e tecnologia … se a touch bar e essa loucura de remoção de portas que sao compatíveis com nada sejam isso, só que de form a muito desastrada !!! … rsrsrs … mas faltou empolgação no keynote … foi vergonhoso …

  50. A coisa que eu achei mais sem-noção, é o desenvolvedor ter que reproduzir na tela as opções do touchbar, para aqueles usuários que comprarem MacBook sem o touchbar. Ou seja, ele está lá apenas para o efeito “cool” e para ferrar os desenvolvedores que quiserem usufruir desta nova opção. Fico me perguntando como isso foi aprovado no “brainstorm”.

  51. Você foi o primeiro a tocar neste assunto. Logo vamos ver o Cook sair. É claro que os admiradores da Apple até engolem essas coisas que estão sendo lançadas. Mas não os acionistas, que devem estar doidos para se livrar das ações. Só não o fazem porque senão o preço vai lá para baixo.

  52. O cook é o ballmer da apple. Faz a empresa ganhar dinheiro? Sim. Alguma coisa além disso? Não. Isso tem futuro? Não também

    Daqui a pouco a gente tem até um humano em marte e a apple esperando que o pessoal ache grande coisa a fanfarra sobre um bagulho que ela vende ter menos 2mm que o do ano passado

    Inovação recente na apple, só o apple pencil, de resto, muitos upgrades tímidos e óbvios

  53. A Apple funciona assim, eles lançam um produto lá correndo, depois dizem tivemos anos de pesquisa, cada porta Thunderbolt ou similar em uma placa desta é pensado para reduzir o custo não para avançar em tecnologia e o povo acredita …

  54. A questão é que para a USB sim eu concordo contigo, mas HDMI e lightning para pelo menos vc plugar o seu celular novo no computador deveriam existir! Vai demorar pra termos tvs com esse novo plug, então HDMI e lightning deveriam ser obrigatórios ainda… É querer bancar o moderno até demais em minha opinião…

  55. Disrupturas tecnológicas e sensatas sempre ocorreram. Meu G4 não tinha disket (alguém sabe o que é isto?). Um absurdo para a época. Contudo, tinha uma portas USB e um leitor de DVD. Um avanço para a época. As USB estão aí até hoje, já os disquetes? Ruptura sensata que indicava um norte. A maça hoje esta desnorteada rolando por ladeira abaixo.

  56. A impressão que passa é que a Apple está cada vez mais perdida e não estou falando apenas do MacBook Pro.

  57. Boa sorte transferindo 64 gigas de dados do cartão da câmera via conexão wireless. E dizem que o Schiller gosta muito de câmeras. Se eles tem “coragem” pra tirar portas que todos usam, que tenham “coragem” pra dar um adaptador de graça. É o mínimo.

  58. Essa da metade do plástico para fora é a desculpa mais besta que já deram.

    Bonito mesmo deve ser um adaptador pendurado em uma porta.

    Além do fato que comentastes, fico imaginando o sujeito que volta de um job com uma pilha de cartão de memória tendo que usá-la como leitor de cartão para transferir os dados via wireless.

  59. Por ai.
    O Surface é uma excelente máquina, fino, leve e compatível com tudo.
    A Apple tinha que fazer algo diferente, vai ficar pra trás nesse mercado.

  60. O problema não é a usabilidade do notebook, mas sim a praticidade de ter um macbook PRO sem a necessidade de andar cheio de adaptadores por aí.

    Como pode um macbook não encaixar com os proprios iPhones?? É muita irresponsabilidade para uma empresa desse porte!!

  61. Infelizmente a Apple está errando por acreditar que ainda “inventa o que o consumidor nem sabia que queria” mas na verdade traz inovações vazias e que criam transtornos para os usuários, fazendo-os desistir . De empresa revolucionária e admirável, está se tornando um monstro arrogante e autista.

Deixe uma resposta