MWC 2017: confira as maiores novidades de Samsung, LG, Motorola, Nokia(!) e outras concorrentes da Apple

Como você já deve ter lido por aí, nos vastos e assustadores campos da internet (inclusive aqui, neste post), está acontecendo esta semana, em Barcelona, a edição de 2017 do Mobile World Congress (MWC), uma das maiores feiras de tecnologia do mundo dedicadas aos dispositivos móveis. E, como era de se esperar, muitas das grandes companhias tecnológicas do mundo foram à Espanha apresentar seus mais novos lançamentos e apostas para o ano que está começando — muitos dos quais, naturalmente, concorrerão com os produtos de Cupertino.

A seguir, vamos dar uma olhada nos principais deles.

LG

A segunda mais famosa das empresas sul-coreanas de tecnologia resolveu abandonar o (interessante, porém pouco funcional na prática) conceito modular do seu principal dispositivo do ano passado, o G5. Em vez disso, para o seu sucessor no posto de principal aparelho da companhia em 2017, a companhia preferiu apostar num design refinado, quase sem bordas, e especificações de ponta — uma fórmula quase infalível.

LG G6

É exatamente isso que é o LG G6: um aparelho sem grandes inovações, mas que pretende cumprir bem todos os anseios dos donos de smartphone em 2017. Seu grande diferencial é a tela LCD QHD+ (2880×1440 pixels de resolução, com 565ppi) de 5,7 polegadas, com tecnologia HDR, em proporção 18:9 (ou 2:1, se você preferir), que, como a LG faz questão de ressaltar, ajuda bastante na multitarefa e na imersão durante a visualização de mídias — e, como o telefone quase não tem bordas, seu tamanho assemelha-se mais ao de um aparelho de 5,3 polegadas e é consideravelmente menor que o iPhone 7 Plus, por exemplo.

O G6 traz ainda um sistema de câmera dupla semelhante ao do seu parente V20 e do iPhone 7 Plus, com duas unidades de 13 megapixels cada — uma delas contendo uma lente grande-angular de 125º — e a possibilidade de capturar vídeos em resolução 4K. A câmera frontal traz um campo de visão de 100º para selfies em grupo. Por fim, o aparelho é equipado por um processador Snapdragon 821, 4GB de RAM e 32GB ou 64GB de armazenamento interno com suporte a cartões microSD. Ele tem certificado de resistência a água e poeira IP68, capacidade de carregamento sem fio e, ah, a saída para fones de ouvido está incluída — vai ver faltou coragem.

O LG G6 estará disponível na Coreia, na semana que vem, por aproximadamente US$800 (R$2.500, em conversão direta), mas ainda não há uma data de lançamento no resto do mundo.

Sony

A japonesa outrora dona do mundo está, mais uma vez, apostando em dois aspectos específicos para atrair consumidores em 2017: câmera e design. O novo carro-chefe da empresa, o Xperia XZ Premium, parece ter sido construído para ser exibido num museu, com suas linhas sóbrias, precisas e simétricas e a traseira totalmente espelhada (e, creio eu, bastante afeiçoada a marcas de dedos).

Xperia XZ Premium

A tela 4K(!) de 5,5 polegadas (que garante delirantes 801ppi) com tecnologia HDR é o veículo perfeito para a companhia demonstrar as suas mais recentes invenções em tecnologia de câmera — e, acredite, não são poucas as incluídas no sensor Exmor de 19 megapixels aqui presente. A Sony está fazendo bastante alarde acerca de um recurso chamado Motion Eye, que permite a captura de vídeos em super-câmera lenta, a 960qps, em resolução HD.

Além disso, o módulo de câmera aqui tem uma quantidade de RAM dedicada para ele, o que permite um recurso inédito em smartphones: a captura preditiva. Com ela, o aparelho dispara automaticamente quando detecta algum movimento, realizando uma captura com absolutamente zero de atraso e gravando momentos que, de outra forma, seriam perdidos.

No mais, o smartphone traz especificações de ponta: Snapdragon 835 — ainda não visto em nenhum smartphone —, 4GB de RAM, 64GB de armazenamento interno (com entrada para cartões microSD) e bateria de 3.230mAh. Ele estará disponível no mercado norte-americano ainda neste mês, custando US$700 na versão desbloqueada.

Xperia XA1 Ultra
Xperia XA1 Ultra

A japonesa anunciou ainda no MWC o Xperia XZs, uma versão mais compacta do XZ Premium preservando o mesmo sistema de câmera e principais especificações num aparelho com tela de 5,2 polegadas Full HD e processador Snapdragon 820; ele estará disponível em abril, por um preço ainda não divulgado. Também foram apresentados os mais modestos Xperia XA1 e XA1 Ultra, com processadores MediaTek, telas de 5 e 6 polegadas (com resoluções HD e Full HD) e câmeras interiores, porém de 23 megapixels. Eles estarão disponíveis na primavera do hemisfério norte, com preços também ainda não divulgados.

Motorola

A empresa da Lenovo apresentou uma atualização para a sua linha de smartphones mais bem-sucedida de todos os tempos (e campeã absoluta de vendas no Brasil e em outros países emergentes). O Moto G5 e o Moto G5 Plus trazem um novo corpo totalmente em alumínio e vidro, com um visual que remete aos superiores Moto Z e Moto Z Play. Eles diminuíram de tamanho, com telas LCD de 5 e 5,2 polegadas, respectivamente, mas retêm as saídas para fones de ouvido.

Moto G5

O primeiro traz processador octa-core de 1,4GHz, câmera de 12 megapixels, 2GB de RAM, 16GB ou 32GB de armazenamento e bateria de 2.800mAh, enquanto o segundo vem com processador Snapdragon 625 de 2GHz, 2GB ou 3GB de RAM, 32GB ou 64GB de armazenamento e bateria de 3.000mAh. A câmera do G5 Plus tem 12 megapixels, mas traz abertura f/1,7, vídeos em 4K e tecnologia de foco aprimorada. Enquanto o G5 comum custará US$200, o seu parente mais sofisticado partirá em US$230 — ambos chegarão ao mercado ainda este mês.

A Motorola anunciou também uma improvável parceria com a Amazon para transformar a Alexa na assistente virtual oficial dos seus smartphones. Ainda não há nenhum smartphone anunciado com esta integração, que será introduzida nos próximos tempos, mas as empresas já anunciaram um conceito de novo Moto Mod (os acessórios modulares que se prendem à traseira dos Moto Z) que transforma o aparelho numa espécie de Amazon Echo portátil.

Huawei

A chinesa que ganhou o mundo apresentou seus novos carros-chefe, que apresentam algumas semelhanças curiosas com a linha de smartphones da Apple. A começar pelo esquema de nomes: estamos falando do P10 e do P10+, que diferem pelo tamanho da tela e algumas outras especificações pontuais.

Huawei P10

Ao menos a Huawei acertou ao conceder a ambos os modelos um (no papel, ao menos) belo sistema de câmera dupla desenvolvido em parceria com um dinossauro sagrado da fotografia, a Leica. Os módulos são de 20MP e 8MP (no P10) e 20MP e 12MP (no P10+), e trazem um novo sistema de detecção facial 3D com foco aprimorado.

Ambos rodam o Android 7.0 Nougat e trazem processador próprio, o Kirin 960. O P10 tem tela de 5,1 polegadas Full HD, 4GB de RAM e até 64GB de armazenamento interno; o P10+, enquanto isso, traz tela 2K de 5,5 polegadas, 6GB(!) de RAM e até 256GB de armazenamento. Eles custam, respectivamente, €650 e €700 no mercado europeu, mas ainda não há perspectiva de chegada no continente americano.

Huawei Watch 2

A chinesa apresentou no MWC ainda um novo smartwatch, simplesmente batizado de Watch 2. O aparelho roda o novo Android Wear 2.0 e traz como diferencial suporte a um SIM próprio para dados, que lhe confere uma certa independência em relação ao smartphone conectado. São dois modelos, o Huawei Watch 2 (que conta com suporte a LTE) e Huawei Watch 2 Classic, com design mais sóbrio. As informações de preço e disponibilidade ainda não foram divulgadas.

Nokia

Não, você não leu errado. A lendária marca finlandesa está de volta após anos de penúria, uma administração malfadada pela Microsoft e uma tentativa errada em adotar o Windows Phone como sistema oficial de seus telefones. Agora, a HMD, empresa também da Finlândia composta por boa parte dos engenheiros originais da Nokia, comprou os direitos da marca (além da fabricante de relógios inteligentes Withings) e vai lançar seus primeiros smartphones muito em breve — além de uma surpresa para lá de nostálgica.

Nokia 6, 5 e 3

Os smartphones Nokia 3, 5 e 6 têm designs tão elegantes quanto seus nomes: são feitos de um bloco esculpido de alumínio e trazem Android Nougat como seu sistema operacional, além da famigerada saída para fones de ouvido. O Nokia 6, mais sofisticado, traz tela Full HD de 5,5 polegadas, chip Snapdragon 430, 32GB ou 64GB de armazenamento (com entrada para microSD) e 3GB ou 4GB de RAM. Está incluída uma câmera traseira de 16MP e alto-falantes estéreo com tecnologia Dolby Atmos.

O irmão do meio, Nokia 5, traz tela LCD de 5,2 polegadas, o mesmo chip Snapdragon 430 e 2GB de RAM, com 16GB de armazenamento e entrada para cartão microSD; a câmera principal tem 13MP. Enquanto isso, o mais modesto Nokia 3 traz tela HD de 5 polegadas, CPU quad-core de 1,4GHz e câmeras frontal e traseira de 8MP. Os três smartphones sairão na Europa, respectivamente, por €230, €190 e €140 — disponíveis no segundo trimestre.

Nokia 3310

Além disso, a HMD/Nokia está apostando na nostalgia ao relançar um dos aparelhos mais icônicos de todos os tempos: o Nokia 3310 de 2017 traz o mesmo design que o tornou mundialmente famoso, bateria que dura 31 dias(!!!) em standby, tela de 2,4 polegadas, câmera de 2MP e entrada para microSD. O sistema operacional é o Nokia Series 30+ e, claro, inclui uma versão atualizada do épico joguinho Snake. O Nokia 3310 estará disponível na primavera europeia por €50 (~R$160), e eu não posso esperar para que chegue aqui.

BlackBerry

Seguindo no espírito da nostalgia, a BlackBerry também está chegando com um novo modelo. Mas não se engane: a empresa canadense continua mantendo a palavra de que vai parar de produzir smartphones próprios, e este novo modelo, o KEYone, é fabricado pela chinesa TCL (dona da Alcatel) com uma licença de marca.

BlackBerry KEYone

O KEYone traz o célebre teclado dos BlackBerries e uma tela LCD de 4,5 polegadas e proporção 3:2, com resolução 1620×1090 pixels, rodando o Android 7.1 Nougat. O processador é um Snapdragon 625, e o aparelho traz 3GB de RAM e 32GB de armazenamento interno (também com entrada para microSD). A câmera tem sensor Sony de 12MP, o mesmo utilizado no elogiado Google Pixel. O smartphone chega em abril no mercado americano por US$550.

Samsung

Deixei a nêmesis da Maçã, a maior fabricante de telefones celulares do mundo, por último por um simples motivo: a bem da verdade, a Samsung esnobou o MWC neste ano após apresentar seus carros-chefe no evento em todas as últimas edições. Desta vez, os sul-coreanos preferiram organizar um evento próprio para apresentar o (provável) Galaxy S8, que será realizado em 29 de março.

Entretanto, todos podemos dar uma boa olhada nisto aqui:

Este é, segundo o extremamente confiável Evan Blass, o próximo carro-chefe da Sammy. Não sabemos quase nada sobre ele além deste design quase sem bordas, com a distinta tela curva e numa proporção de 2:1 semelhante à do LG G6. Será este um concorrente páreo para o espetacular “iPhone X”? Teremos que esperar para ver — contanto que este não exploda, claro.

Apesar de ter esnobado a feira espanhola na apresentação do seu principal produto do ano, a Samsung de qualquer forma marcou presença no MWC e mostrou alguns outros lançamentos. O Tab S3 é uma nova versão do tablet carro-chefe da marca com um belo design e suporte à S Pen, enquanto o Galaxy Book (em dois tamanhos, 10 e 12 polegadas) é um concorrente do Surface, da Microsoft, rodando o Windows 10 e com acessórios de teclado que o transformam num substituto capaz para um laptop.

·   ·   ·

E aí, a Apple tem razão para ter medo?

Posts relacionados

Comentários