Enquanto brigam, Apple decide parar de pagar royalties à Qualcomm — que sente o baque

Carteira fechada

A briga entre Apple e Qualcomm acabou de ganhar mais um ingrediente daqueles. Conforme já falamos aqui, ambas estão se estapeando em tribunais espalhados pelo globo por conta do pagamento de royalties.

De um lado, a Apple afirma que paga somas indevidas; do outro lado, a Qualcomm diz que suas tecnologias são de extrema importância para que o mercado mobile exista da forma atual, que ganha dinheiro com isso e que não há nada de errado nos valores cobrados.

Agora, contudo, a Qualcomm sentiu o primeiro baque real. Enquanto a briga acontece, a Apple decidiu parar de pagar royalties à empresa. Na verdade, a Apple repassa o pagamento relacionado a royalties para as suas fornecedoras, que por sua vez os repassam para empresas como a Qualcomm e inúmeras outras.

Com a atitude da Apple, a Qualcomm — apenas no seu atual trimestre fiscal — deixará de arrecadar cerca de US$500 milhões. Assim, a previsão de faturamento da empresa, que era de algo entre US$5,3 e US$6,1 bilhões, foi reduzida agora para US$4,8-5,6 bilhões. Por conta disso, as ações da companhia [$QCOM] estão caindo na NASDAQ — e investidores já se mostram receosos.

A Apple declarou unilateralmente que os termos do contrato são inaceitáveis; os mesmos termos que se aplicaram a iPhones e iPads habilitados com conectividade celular por uma década. A interferência contínua da Apple nos acordos da Qualcomm nos quais a Apple não participa é errada e o último passo do seu ataque global contra a Qualcomm. Vamos continuar defendendo vigorosamente o nosso modelo de negócios, e perseguir o nosso direito de proteger e receber um valor justo pelas nossas contribuições tecnológicas para a indústria.

Don Rosenberg, vice-presidente executivo e conselheiro geral da Qualcomm.

Obviamente, a Qualcomm está se mexendo para que a disputa como um todo seja resolvida — caso ela saia vitoriosa nessa história, a Apple terá que pagar todos os devidos valores (inclusive os retroativos).

[via Fortune]

Posts relacionados

Comentários