10 anos de iPhone: ex-executivos e jornalistas falam sobre os bastidores da criação do aparelho

Aqui no Brasil, quem olha ao redor vê diversos telefones com Android, com diferentes tamanhos e preços (principalmente), e consegue perceber que até aqueles com renda superbaixa já têm um smartphone — já virou quase uma questão de sobrevivência. Olhe em anúncios de serviços, de pequenas empresas ou até — acredite, eu vi — em serviço de ônibus: em todo lugar, nós vemos um número de celular designado como “WhatsApp” ou “Zap” e até “ZapZap” (aqui, é o nosso brasileirismo falando mais alto). Quer dizer, para ter esse aplicativo instalado, o celular precisa de uma certa especificação (mesmo que bem básica).

Esse é um dos diversos casos os quais mostram que os telefones com telas sensíveis ao toque ultrapassaram — e muito — a barreira do nicho. Um mercado que antes interessava a geeks e aficionados de tecnologia agora está na mão de qualquer pessoa, desde crianças até idosos. Se você perguntar sobre a origem dos smartphones com touchscreen, muitos podem nem saber que tudo começou a se popularizar com o iPhone e sua “grande” (sim, na época 3,5″ eram consideradas bastante num celular) tela capacitiva; mas não é desmérito para quem não souber, faz parte. Aliás, é ainda mais incrível que esse fenômeno aconteça, pois isso só demonstra o quão importante ele foi para o mundo, já que todas as outras fabricantes de telefones se aproveitaram disso e tornaram essa tecnologia o padrão que vimos hoje.

iPhone 10 anos videos

Com o aniversário de 10 anos do iPhone, diversos veículos estão “alugando” ex-executivos e empregados que trabalhavam na Apple naquele momento a fim de relatarem as suas experiências com o produto que veio a realmente revolucionar o mundo.

Um pequeno documentário de 10 minutos, publicado pelo The Wall Street Journal, contou com a participação dos ex-Apple Scott Forstall, Tony Fadell e Greg Christie para narrar brevemente algumas histórias sobre a criação e o desenvolvimento do iPhone.

iPhone 10 anos videos

Fadell, considerado “o Pai do iPod”, contou aquela história de que Steve Jobs queria um smartphone e, a princípio, consideraram algo parecido com o aparelho de música da empresa (já que os telefones eram o que mais ameaçavam a existência dos iPods). Mas, como um celular com uma Click Wheel o faria parecer aqueles telefones antigos com teclas giratórias, eles descartaram a ideia.

Para tentar solucionar isso, Jobs o teria levado a uma sala com algo muito especial:

Steve disse: “Venha aqui, eu preciso mostrar uma coisa.” Então ele me levou a uma sala que tinha, basicamente, uma demo do tamanho de uma mesa de pingue-pongue com um projetor que projetava uma interface do Mac. E você poderia usar a sua mão inteira, poderia tocar coisas diferentes nela, como se fosse um grande Mac.

E ele disse: “Eu acho que isso vai resolver o nosso problema.”

Já (o badalado) Forstall, ex-chefão do iOS, contou sobre a grande pressão de Jobs para terem uma boa interface do usuário — basicamente, se não conseguissem criar algo em duas semanas, o CEO daria o projeto para outra equipe.

Ele também citou o teclado, que estava bastante ruim mesmo depois de tudo estar num bom caminho, um anos antes do lançamento do celular. No início, já até haviam pensado em um teclado QWERTY, mas não funcionava tão bem. Então, Forstall “pausou” todas as atividades dos engenheiros do sistema para que todos focassem somente na criação de um teclado funcional.

iPhone 10 anos videos

Entre várias ideias (e coisas malucas como gestos difíceis de se aprender), um engenheiro trouxe uma mesma ideia de teclado QWERTY que tinham antes mas, desta vez, era completamente funcional. O tal engenheiro explicou que utilizou tecnologias de inteligência artificial para “prever” o que o usuário digitaria em seguida; se a pessoa digitasse o “T”, seria bastante previsível que depois viesse a letra “H”, então a “área de digitação” ao redor dessa letra aumentava, tornando tudo mais rápido e prático.

Christie, ex-vice-presidente da Apple de interfaces humanas, por sua vez, lembrou a reação de Jobs ao ver a ideia final apresentada depois das duas semanas de trabalho árduo da equipe em 2005.

Na primeira vez que ele viu, ficou completamente em silêncio, ele não disse nada. Não disse nada, não fez um gesto, não fez pergunta alguma. Então, ele se recostou e disse: “Mostre-o para mim novamente.” E então, passamos por todo o processo novamente e Steve ficou bastante impressionado durante toda a demonstração. Foi um ótimo trabalho.

Nossa recompensa por fazer um ótimo trabalho naquela demonstração foi, você sabe, nos matar nos próximos dois anos e meio.

Confira o vídeo na íntegra, em inglês, abaixo:

·   •   ·

Depois de Jobs anunciar um telefone tão incrível, apenas quatro pessoas foram escolhidas para testar o iPhone em primeira mão: Steven Levy, da Newsweek; Ed Baig, do USA TODAY; Walt Mossberg, que era do Wall Street Journal na época; e David Pogue, que era do New York Times.

Para celebrar o aniversário do aparelho, Pogue — agora no Yahoo Financeentrevistou as outras três figuras, que abordaram tópicos como o impacto do iPhone nos dias de hoje e, assim como o próprio Jobs, explicaram como ninguém previu que seria o sucesso que continua sendo. Eles também conversaram sobre as vendas dos iPhones estarem caindo e sobre como pessoas não falam mais “gadgets”, mas de “campos” como inteligência artificial, aprendizado de máquinas e mais.

Confira a entrevista no vídeo abaixo:

A CBS News também fez a sua homenagem ao iPhone, com uma matéria mostrando reportagens da época do lançamento do aparelho e também algumas outras imagens da entrevista de Pogue com os três jornalistas. Além deles, Pogue conversou com um dos engenheiros por trás de algumas animações do iOS:

Parte do que fez com que o iPhone fosse um sucesso era que os objetos nesse mundo de tela sensível ao toque tinham sua a própria física. Você pode agradecer a Bas Ording por algum deles, como a forma como as listas têm impulso quando você as puxa, ou como elas dão um pequeno pulo quando chegam ao fim.

“E agora, um bilhão de pessoas estão usando sua ideia”, disse Pogue.

“Um bilhão? Isso é muito!” Ording riu.

“Alguém, na época, nesta equipe, teve alguma ideia do quão grande isso seria?”

“Ah, não, de modo algum. Eu, com certeza, não tinha.

Confira a matéria abaixo:

Na próxima quinta-feira, 29 de junho, o iPhone completará 10 anos da sua chegada ao mercado. Portanto, certamente veremos surgir diversas outras histórias relacionadas ao aparelho que revolucionou o mundo. 📱🎉

via MacStories, MacRumors

Posts relacionados

Comentários