Como o Apple Park está impactando positiva e negativamente os arredores de Cupertino

O Apple Park ainda não foi oficialmente inaugurado mas, é claro, já está impactando as redondezas. Em se tratando de algo tão majestoso, que ocupa uma área de 700.000 metros quadrados e pretende abrigar cerca de 12.000 empregados, não era de se esperar menos. Destacando os pontos positivos e os negativos, o The New York Times analisou no que a “espaçonave” ajudou — ou não — aquela região.

Depois de 2011, quando Steve Jobs apresentou à Câmara Municipal a proposta do grande prédio circular de vidro, os preços dos imóveis em Sunnyvale, Cupertino e algumas outras cidades nos arredores basicamente dobraram, tendo aumentos de 15-20% ao ano. Além disso, cerca de 95 projetos começaram a ser desenvolvidos nessa área nos últimos anos, incluindo apartamentos, pequenas lojas, restaurantes, cafés, entre outros — a gerente da cidade, Deanna J. Santana, disse que nunca viu tanta movimentação antes.

O bairro Birdland, em Sunnyvale, do outro lado da rua do Apple Park
O bairro Birdland, em Sunnyvale, do outro lado da rua do Apple Park

Nós acompanhamos a construção desde o início graças às pessoas que vão até lá para tirar fotos e também sobrevoar a obra megalomaníaca com seus drones, a fim de obterem boas imagens de cima. Para que isso seja feito, os cinegrafistas amadores pedem aos residentes locais se podem ficar na calçada das suas casas para operarem os seus drones e alguns parecem não se importar.

Entretanto, os problemas maiores para os moradores dali não são causados por curiosos que ficam ao redor das suas casas e nem pelos helicópteros de redes televisivas, mas sim pela construção em si. Diversas pessoas já teriam reclamado de barulhos altos logo de manhã cedo, fechamento de ruas sem aviso prévio, barreiras e buracos que furavam pneus, etc. A Apple, então, tentou remediar oferecendo algumas alternativas como uma lavagem de graça para uma mulher que reclamou por ter o seu carro coberto de poeira da obra.

O bairro Birdland, em Sunnyvale, do outro lado da rua do Apple Park
Moradores do bairro Birdland, em Sunnyvale, do outro lado da rua do Apple Park

A estrada Homestead, via que separa o Apple Park de Birdland, virou tema de debate. Empregados da Apple queriam construir um canteiro central arborizado para acalmar o tráfego, com a Apple cobrindo os custos. Mas os moradores se opuseram, reclamando justamente que o tal canteiro eliminaria uma das pistas, aumentando ainda mais o tráfego.

A Maçã teve cerca de 110 reuniões com a comunidade para obter feedbacks enquanto o Apple Park estava na fase de design. O vice-presidente imobiliário da Apple, Dan Whisenhunt, afirmou que a empresa continuaria tentando sanar as preocupações da comunidade e, se o problema fosse realmente sério, ele mesmo visitaria o local para ver o que estava acontecendo.

Art Maryon, um agente imobiliário, no bairro Birdland. Ele disse que as casas de estilo fazenda de um andar estavam sendo vendidas por cerca de US$1,8 milhão
Art Maryon, um agente imobiliário, no bairro Birdland — ele disse que as casas de estilo fazenda de um andar estavam sendo vendidas por cerca de US$1,8 milhão

Em Birdland, os empregados da Apple já estão se aproveitando da oportunidade deixada por aqueles que não aguentaram os problemas e se mudaram para um lugar mais tranquilo, deixando as suas casas vagas. Aqueles que permaneceram lá, porém, estão percebendo que não haverá melhora na movimentação — e provavelmente tudo irá piorar, já que em breve será preciso lidar com cerca de 12 mil empregados saindo e entrando da “espaçonave” diariamente. A Apple continuará tentando entender as reclamações dos residentes, mas Whisenhunt afirmou que não é possível satisfazer a todos.

As obras do Apple Park ainda continuarão no segundo semestre de 2017, com previsão de abertura em setembro ou outubro.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários