Apple enaltece a sua relação com privacidade; tecnologia e segurança do Face ID são detalhadas

Não é de hoje que a Apple leva privacidade a sério. Há quem acredite que isso não passa de puro marketing (uma forma de se diferenciar da sua principal concorrente no mundo móvel, já que o Google não tem lá um histórico muito bom nessa área); há quem ache que esse é, de fato, um dos pilares fundamentais da administração de Tim Cook.

Independentemente da motivação, o fato é que esse posicionamento acaba beneficiando o usuário. Pegando a Siri como exemplo… é verdade que ela, hoje (ao menos na minha opinião), está atrás da assistente virtual do Google, mas uma coisa ninguém pode negar: ver a Apple batalhando para criar uma inteligência artificial que respeita a privacidade é algo que merece o nosso crédito.

Em consonância com esse posicionamento, a Apple atualizou a página “Privacidade”, em seu site, que aborda todos os aspectos relacionados a isso.

Os produtos Apple são criados para fazer coisas incríveis. E para proteger a sua privacidade.

Na Apple, acreditamos que a privacidade é um direito humano fundamental.

Sabemos que boa parte das suas informações pessoais estão em seus dispositivos Apple e achamos que você tem o direito de mantê-las bem protegidas.

Sua frequência cardíaca depois de correr, as notícias que você lê primeiro, onde comprou café, os sites que acessou e para quem ligou, enviou um email ou uma mensagem.

Cada produto Apple é criado pensando em proteger essas informações. Para que você possa escolher o que compartilhar e com quem.

Nós não cansamos de repetir que não é preciso abrir mão da privacidade e da segurança para se ter experiências incríveis. Pelo contrário, as duas coisas se complementam.

Touch ID

Ná página, a Apple explica como leva a sério essa questão e como lida com isso (exemplo: só você pode acessar os seus produtos Apple, as informações armazenadas neles não são compartilhadas com ninguém, como os dados que você envia ou compartilha são protegidos, etc.) e como você pode gerenciar a sua privacidade (afinal, há diversos níveis nos quais você pode se enquadrar — apenas para ilustrar e pegando o exemplo mais básico, você pode ser uma pessoa muito tranquila e deixar o seu iPhone totalmente desbloqueado ou ser precavido e utilizar o Touch ID/Face ID para apenas você ter acesso ao dispositivo).

A relação da empresa com as solicitações de informações de governos também é tema da página (a Apple informou que menos de 0,00612% do número total de clientes tiveram seus dados revelados devido a solicitações de informações vindas de governos, sendo 94% solicitações de dispositivos e 6% de contas), assim como a nova política de privacidade (que foi alterada no dia 19 de setembro por conta dos lançamentos dos novos sistemas operacionais).

Ainda falando de privacidade, a chegada do Face ID trouxe diversas dúvidas relacionadas justamente a esse tópico e, por isso, a empresa aproveitou para já esclarecer boa parte delas numa pagina específica para isso.

Câmera frontal do iPhone X

Nela, a companhia discorreu um pouco sobre as tecnologias avançadas que equipam o recurso explicando, por exemplo, que a câmera TrueDepth captura dados do rosto com precisão ao analisar e projetar mais de 30.000 pontos invisíveis para criar um mapa de profundidade e também captura uma imagem infravermelha do seu rosto. Uma parte do mecanismo neural do chip A11 Bionic, protegida pelo Secure Enclave, transforma o mapa de profundidade e a imagem infravermelha em uma representação matemática e a compara aos dados faciais registrados.

Sabemos que o Face ID se adapta automaticamente às mudanças na aparência, como usar maquiagem ou deixar a barba crescer — sem falar que ele foi desenvolvido para funcionar com chapéus, lenços, óculos, lentes de contato e diferentes óculos de sol. Além disso, ele funciona em ambientes externos, internos e até no escuro. O que a gente não sabia, por exemplo, é que se houver uma mudança mais significativa na aparência (como deixar de usar um bigode) o Face ID confirmará a identidade pelo uso do seu código antes de atualizar os dados do rosto.

GIF com mudanças no rosto - Face ID

Sobre a segurança do Face ID, a Apple informou que os dados, incluindo representações matemáticas do seu rosto, são criptografados e protegidos por uma chave disponível apenas para o Secure Enclave e que a probabilidade de uma pessoa aleatória conseguir olhar para o seu iPhone X e desbloqueá-lo usando o Face ID é de cerca de 1 em 1.000.000 (comparado a 1 em 50.000 para o Touch ID) — a probabilidade estatística é diferente para gêmeos e irmãos parecidos e entre crianças menores de 13 anos, porque talvez as diferenças das características faciais ainda não tenham se desenvolvido completamente. Como proteção adicional, o Face ID permite apenas cinco tentativas incorretas de correspondência antes de solicitar um código.

Sobre a privacidade do recurso, a Apple reforçou que os dados do Face ID ficam apenas no dispositivo, e o backup deles nunca será feito para o iCloud ou outro lugar. Essa informação só será transferida do seu dispositivo caso você deseje fornecer dados de diagnóstico do Face ID para o AppleCare (para fins de suporte). Mesmo nesse caso, os dados não serão transferidos automaticamente para a Apple — você poderá revisá-los e aprovar o diagnóstico antes do envio.

Mas será que mesmo com o Face ID desativado, a câmera frontal do iPhone X ficará me espiando? Sim. Ela será ativada de maneira inteligente para oferecer suporte a recursos sensíveis à atenção, como escurecer a tela se você não estiver olhando para o iPhone ou reduzir o volume dos alertas se você estiver olhando para o dispositivo. Por exemplo, ao usar o Safari, o dispositivo fará uma verificação para saber se você está olhando para ele e desativará a tela se não estiver. Obviamente, você pode desabilitar esse recurso.

Alguns pontos segurança e acessibilidade também foram esclarecidos: usuários com limitações físicas, por exemplo, podem selecionar “Opções de Acessibilidade” durante o registro que não exigem movimentos completos de cabeça para capturar ângulos diferentes e que ainda são seguros de usar, mas exigem mais consistência sobre a maneira como você olha para o iPhone X. O Face ID contém um recurso de acessibilidade para oferecer suporte a pessoas com deficiência visual ou problemas de visão. Se você não quiser que o Face ID exija que você olhe com os olhos abertos para o iPhone X, poderá ajustá-lo assim.

Caso você seja um usuário que aprecia tal esforço da Apple e se interessa pelo assunto, não deixe de passar pelas duas páginas para entender como tudo funciona. 😉

via TechCrunch

Posts relacionados

Comentários