Ming-Chi Kuo muda de ideia e agora afirma que o Touch ID será definitivamente substituído pelo Face ID nos próximos iPhones

O advento do Face ID iniciou uma saga épica conhecida como “o destino do Touch ID”. Seu enredo principal, como o próprio nome diz, é a dúvida mundial do que acontecerá com o sistema de leitura de digitais da Apple — alguns apostam na sua sobrevida como um elemento complementar de segurança, enquanto outros acham que ele sumirá rapidamente em prol da tecnologia de reconhecimento facial.

Publicidade

Há algumas semanas, Ming-Chi Kuo, da KGI Securities (o analista mais certeiro do mundo Apple), tinha opinado que o Touch ID ainda tinha uma chance de sobreviver: caso o Face ID não fosse muito bem-recebido pelo público ou houvesse algum problema no seu ritmo de produção, a Maçã poderia trazer o leitor de digitais de volta — fosse ele numa nova tecnologia incorporada à tela ou mesmo na traseira, como várias fabricantes já fazem. Agora, o analista volta com um update de suas opiniões sobre o assunto e, bom, elas mudaram — de certa forma.

De acordo com uma nota enviada aos investidores e obtida pelo 9to5Mac, Kuo agora apostas suas fichas numa morte muito próxima do Touch ID nos iPhones. Segundo ele, a Apple implementará a câmera TrueDepth, que possibilita o reconhecimento facial, em toda a sua linha de smartphones no ano que vem, limando de vez o leitor de digitais dos seus dispositivos e abrindo caminho para um sumiço completo da tecnologia em toda a sua linha — afinal, todos os paradigmas que estreiam no iPhone acabam seguindo para os outros produtos da Apple, como os iPads e Macs. Com o próprio Touch ID foi assim, afinal de contas.

Face ID

Kuo afirma ainda que o reconhecimento 3D será um “grande ponto diferenciador no marketing” dos iPhones de 2018, e que a Apple deverá superar em breve os problemas na cadeia de fornecimento que estão causando um certo atraso na fabricação do iPhone X.

Publicidade

As fabricantes de smartphones Android, por sua vez, correrão para tentar o desenvolvimento de alguma tecnologia similar e também podem deixar a implementação dos leitores de digitais de lado progressivamente, opina o analista. Por fim, ele afirma que o sensor biométrico integrado à tela acabará não ganhando força na indústria pela sua dificuldade de implementação e preço muito superior às alternativas.

Claro que é muito precipitado emitir, agora, um juízo de valor acerca dessas afirmações. Por dois motivos: em primeiro lugar, não temos nenhuma certeza se as predições de Kuo tornar-se-ão verdadeiras; em segundo, o iPhone X ainda nem chegou às mãos dos consumidores e, portanto, não temos como afirmar qual a experiência de uso do Face ID no mundo real.

Publicidade

Obviamente as chances existem de a tecnologia ser um desastre e não apresentar a mesma usabilidade do Touch ID, mas algo me diz que a Apple não tomaria uma atitude drástica dessas se não tivesse plena confiança na capacidade do recurso de substituir o leitor de digitais com louvor.

Vamos aguardar para ver, não é mesmo?

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…