Segundo o analista Ming-Chi Kuo, iPhones não ganharão câmera traseira com tecnologia TrueDepth em 2018 [atualizado]

Enquanto o mundo regozija-se com os lançamentos dos iPhones 8, 8 Plus e X (menos o Brasil, no caso, por quase 7.000 motivos), alguns indivíduos já voltam suas atenções para o que há de vir. Isto é, para o que a Apple apresentará no próximo ano em termos de smartphone.

Sim, já falamos aqui algumas vezes sobre os iPhones de 2018, mas as previsões mais recentes do analista Ming-Chi Kuo, da KGI Securities, tratam de um assunto que, até agora, ninguém tinha pensado em comentar: a presença da tecnologia TrueDepth também no módulo de câmera traseiro dos smartphones.

Câmeras traseiras do iPhone X

Bom, segundo Kuo, nós podemos pegar uma cadeira e esperar sentados, já que, aparentemente, a Apple não teria nenhuma intenção em incorporar a tecnologia na parte de trás dos iPhones a curto prazo (ou seja, em 2018). Em uma nota enviada aos investidores, o analista afirmou que os sensores que detectam o rosto do usuário para possibilitar recursos como o Face ID e os Animojis permanecerá exclusivo à câmera frontal dos vindouros aparelhos por um motivo muito simples: disponibilidade.

Segundo o analista, os sensores requeridos para a tecnologia TrueDepth estão provando-se um dos principais gargalos na produção do iPhone X, com uma taxa de produção ainda dando seus primeiros (e lentos) passos. É de se esperar, claro, que esse ritmo aumente bastante ao longo dos próximos meses, mas, ao mesmo tempo, é bom ter em mente que a Maçã pretende estender a tecnologia para todos os modelos de iPhone no ano que vem (se é que haverá mais de um) — ou seja, todo esse aumento na produção será canalizado para equipar os smartphones “extras” com o recurso a partir de 2018, deixando as câmeras traseiras de fora (ao menos por enquanto).

A possível presença da tecnologia TrueDepth na traseira do aparelho, não preciso dizer, traria algumas vantagens bastante consideráveis, especialmente no que se refere a realidade aumentada. Os sensores especiais teriam uma capacidade significativamente expandida de detectar superfícies, materiais e volumes, tornando o nível de interação dos objetos virtuais com o mundo real ainda maior – com isso, a Apple poderia expandir ainda as capacidades do (já impressionante) ARKit.

Bom, de qualquer forma, essa — ao menos se levarmos em conta as previsões de Kuo — é uma perspectiva apenas para 2019. Ou talvez até mais tarde.

via Cult of Mac

Atualização 02/11/2017 às 11:07

Vocês querem mais previsões de Kuo? Pois tomem mais previsões de Kuo: agora, de acordo com o analista, mais um aspecto importante da câmera do iPhone X manter-se-á totalmente inalterado nos iPhones do ano que vem.

Em mais uma nota enviada aos investidores, Kuo afirmou que o sistema “6P” utilizado nas câmeras traseiras do iPhone X, que conta com seis lentes de plástico, continuará nos iPhones do ano que vem — contrariando alguns rumores de que a Apple mudaria para um sistema mais avançado, como o “7P” (que conta com sete lentes de plástico) ou o “2G3P” (duas de vidro e três de plástico).

A razão para a escolha seria simples, segundo Kuo: a Apple não quer correr nenhum risco com o ritmo de produção dos iPhones de 2018 após o gargalo que viu fabricando o iPhone X e por isso, como dizem, não mexerá no time que está ganhando. Com isso, a fornecedora de lentes da Maçã, a Largan, deverá aumentar um pouco a sua fatia do mercado (no qual já é líder disparada).

Apenas para que fique claro, a decisão da Apple em manter o sistema de lentes não a impede de fazer melhorias em outros pontos da câmera, como o sensor — basta ver que, desde o iPhone 7 Plus, temos o mesmo sistema 6P e, ainda assim, os módulos foram melhorando até chegarmos ao iPhone X. Portanto, podemos continuar sonhando com câmeras ainda melhores nos futuros smartphones da Maçã.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários