Quase metade dos eleitores brasileiros poderão votar com um título digital em 2018; app para iPhone chegará nas próximas semanas

Engraçado: há algumas semanas, falando sobre o lançamento da CNH Digital, comentei aqui neste singelo site que gostaria de ver todos os documentos comumente utilizados pelo brasileiro ganhando versões eletrônicas, que facilitassem a vida e andassem sempre conosco dentro dos nossos estimados smartphones. Bom, parece que os deuses da conveniência me ouviram, porque menos de uma semana depois surgiu a Carteira de Trabalho Digital e agora já temos mais um documento tomando as vias eletrônicas: o Título de Eleitor.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou hoje o e-Título, um aplicativo que, como o próprio nome já diz, coloca todos os seus dados de eleitor no seu smartphone. Basta entrar com algumas informações — nome completo, número do título, nomes do pai e da mãe, e data de nascimento — para que o app seja validado e funcione como uma extensão do documento; ele ainda vai além da versão em papel do título por exibir, na tela do celular, informações como a situação de quitação eleitoral, dados sobre o cadastramento biométrico e endereço da sua zona eleitoral (até mesmo com geolocalização para lhe guiar até o local).

Também há, no app, um código QR para validar o documento eletrônico no momento da votação e mostrar os dados do eleitor instantaneamente. Como bem se sabe, não é necessário apresentar o título na zona eleitoral (apenas um documento com foto), mas o e-Título pode acelerar muito o processo de votação — este que vos escreve, que foi mesário nas últimas eleições, pode atestar que a mudança será muito positiva para as filas e o tempo de espera.

O e-Título estará disponível para todos os eleitores que já realizaram o cadastramento biométrico — segundo o TSE, cerca de 47% dos brasileiros aptos a votar já realizaram o processo e podem baixar o aplicativo, que já está disponível no Google Play e chegará à App Store nas próximas semanas.

O melhor de tudo é que a criação do app foi uma iniciativa interna do TRE-AC (valeu, acreanos!) e, segundo o presidente do TSE, Gilmar Mendes, não foi gasto um centavo extra sequer de dinheiro público no seu desenvolvimento. Excelente notícia — e que venham mais documentos digitais!

via Estadão

Posts relacionados

Comentários

24 comments

  1. Era isso o que eu ia dizer… Sem querer ser chato, poderiam unir todos os documentos num único app. Ainda chegaremos no dia de andarmos apenas com o celular, nada de dinheiro, cartões, documentos etc etc…

  2. Fui mesário e a gente tinha que ficar pedindo para desligar os celulares (e smartphones) para não ter interferência na urna eletrônica e como fica isso agora? Não tem mais a interferência?

  3. Hooo Brasil terra de ninguém. Os caras crima trocentos Docs, ai quando vao migrar pro digital, criam trocentos apps. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Meu amigo, então teremos que ter uma segurança decente, prq tá difícil se sentir confortável na rua cm um simples iPhone de 7 mil!

  5. Eu também fui mesário. Deixa eu te explicar. Alguns políticos que compram votos de gente carente, condicionam o recebimento dos “trocados” a fotos da tela da urna, durante a votação. Por essa e outras razões, o mesário pede ao eleitor que desligue (ou pelo menos não empunhe) o celular durante o voto.

  6. Não vai dar na mesma?

    O eleitor apresenta o celular/título você aprova, ele desliga o celular, vota, vai embora e liga o celular.

  7. Vc continua tendo de ter o documento original para verificar se vc eh a pessoa q ta la pra votar… não eh votação por app…. ja podia votar so com documento de identidade, então se o cara falsificar a identidade pra passar por outra pessoa nem precisa de app

  8. Eu fui tambem e pedia para deixarem o celular na minha mesa, isso aconteceu por causa do imbecil do Gentili tirando foto na urna ofendendo na época a Dilma Roussef, entre outros imbecis tirando fotos e postando na rede que tinham votado no Aecio kkkk

  9. Deve ser bem difícil fazer um ao que permita uma eleição pelo app, né?
    Basta um cadastro com cpf e pronto! Vote sem sair de casa

  10. Isso já não daria, ainda que a tecnologia permitisse. É necessário que o voto seja secreto e que o eleitor não seja coagido no momento do voto.
    Se fosse possível votar longe dos olhos do TRE, esse controle seria inviável.

  11. Basta você votar dentro da sua casa.
    As urnas poderiam existir ainda para as pessoas que não têm acesso à internet e que se sentissem “violadas”

  12. Ué, mas que controle a Justiça Eleitoral teria para coibir que moradores de favelas fossem coagidos por traficantes/milicianos a votar em determinado candidato a vereador, por exemplo?

    Ou que um marido/pai de família autoritário impusesse suas convicções a seus familiares?

    Ou ainda pior, como evitar que candidatos e partidos pagassem por votos, a serem proferidos em sua presença?

    A questão vai muito além da comodidade do eleitor que prefere não sair de casa.

  13. Queria saber qual foi o custo de desenvolvimento desse app que provavelmente não é nativo e deve ter sido feito com webview. Não consigo entender a necessidade de criar firulas quando tem tanta coisa mais séria acontecendo. Triste

  14. Bem que podia ficar organizado no Apple Wallet. Já imagino que vou ter um app pra habilitação, outro pra título… e por aí vai…

Deixe uma resposta