iMac Pro é equipado com chip T2, da Apple, para aumentar a segurança do macOS

Quando o iMac Pro era ainda apenas uma promessa e ninguém de fato havia colocado as mãos nele, surgiram rumores de que teria um processador A10 Fusion (criado pela Apple e presente nos iPhones 7 e 7 Plus) além de um chip da Intel. Tal processador seria responsável por lidar com a inicialização e a segurança do macOS. Agora que o iMac Pro foi anunciado e testado por alguns poucos escolhidos a dedo pela Apple, mais informações a respeito disso surgiram.

Na verdade, o desktop mais parrudo já criado pela Apple está equipado com um chip T2 — uma geração acima do chip presente nos MacBooks Pro com Touch Bar, o T1. Só que, enquanto no notebook o processador é responsável por rodar uma versão simplificada do watchOS (sistema da barra sensível ao toque) e por armazenar informações do Touch ID na Secure Enclave, no iMac Pro ele definitivamente assumiu mais responsabilidades de segurança.

Os detalhes foram compartilhados por Cabel Sasser, cofundador da desenvolvedora Panic (criadora dos apps Coda e Transmit), que foi — inesperadamente — um dos sortudos a testar a máquina.

1 – Design. Isso é óbvio, mas o hardware cinza espacial está superlindo. (O acabamento do Magic Mouse se inclusive se assemelha à traseira do iPhone X — realmente é difícil mostrar em fotos, de tão brilhante, mas talvez você pode observar).

Além de exaltar o design do hardware e dos acessórios na cor cinza espacial, a velocidade (tanto para executar tarefas profissionais quanto para jogar), Sasser foi quem confirmou a presença do chip T2 e que ele é o responsável por integrar componentes como SMC1, ISP2 da câmera FaceTime HD, controle de áudio, controle de SSD3, Secure Enclave e um mecanismo de criptografia de hardware.

2 – Velocidade. Nós tentamos compilar um dos nossos principais projetos do Xcode no iMac Pro (Xeon W de 10 núcleos, 3GHz) e no nosso Mac Pro padrão (Xeon E5 de 6 núcleos, 3,5GHz). Claro, o Mac Pro é velho, mas o iMac Pro compilou o projeto 41% mais rápido. Um salto bem sincero.

3 – Jogos. Nós rodamos Firewatch para testar o iMac Pro (Radeon Pro Vega 64) contra o meu atual iMac 5K Retina (Radeon R9 M295X). A 2560×1440 pixels, o iMac ficou em 25FPS, o iMac Pro em 62FPS!

Na prática, o novo chip faz com que as chaves de criptografia de armazenamento passem da Secure Enclave para o mecanismo de criptografia de hardware no chip, fazendo com que a chave nunca deixe o chip. Além disso, o T2 permite a verificação de hardware do sistema operacional, do kernel, da inicialização, do firmware, etc.

Chip T2 assumindo tarefas de segurança no iMac Pro

Para aproveitar o chip T2, o macOS High Sierra do iMac Pro inclui uma nova opção chamada “Startup Security Utility” (algo como “Utilitário de Inicialização Segura”). Nele, usuários podem inclusive ativar uma senha de firmware para evitar que um computador seja iniciado a partir de um disco rígido diferente ou CD/DVD sem a senha.

O sistema também ganhou novas opções de “Inicialização Segura” (total, média ou nenhuma). Quando a “Segurança Total” está habilitada, o sistema garante que somente o software mais recente e mais seguro pode ser executado, exigindo uma conexão de rede durante a instalação do software. Há ainda a opção “Inicialização Externa”, na qual podemos desabilitar ou não a possibilidade de inicialização por dispositivos USB ou Thunderbolt.

Estranhamente, nada ainda sobre a possibilidade de esse processador habilitar o recurso “E aí, Siri” que havia sido comentado — algo que todos davam como certo, já que foram encontradas referências a isso no sistema. De forma resumida, quase tudo aquilo que foi especulado sobre um chip da Apple dentro do iMac Pro é verdade — só erraram no nome: em vez do A10 Fusion, temos o T2.

via AppleInsider

Posts relacionados

Comentários