Mais detalhes sobre o HomePod: controles por gestos, cobertura do AppleCare+, uso em outros países e mais! [atualizado: FLAC]

Finalmente! Hoje mais cedo, depois de muita espera, ficamos sabendo dos detalhes de lançamento do HomePod, o primeiro alto-falante inteligente da Apple. Agora, como era de se esperar, mais uma série de detalhes acerca do dispositivo estão pipocando por aí. Nós, é claro, vamos dar uma olhada em todos eles.

Como relatou o 9to5Mac, a Apple divulgou um guia básico de utilização do HomePod e, com ele, detalha como é possível controlar o alto-falante com gestos na superfície sensível ao toque no topo do dispositivo. Sem surpreender ninguém, os gestos são muito parecidos com os que já existem nos EarPods: quando uma música estiver tocando, é possível pausar ou retomar a reprodução com um toque; dois toques pulam a faixa, enquanto três retornam à anterior.

Gestos do HomePod

Além do comando “E aí, Siri” (“Hey, Siri”), usuários podem tocar e segurar a superfície para ativar a assistente digital. Durante a reprodução, a tela superior também exibirá botões de “+” e “-“, que o usuário pode tocar ou segurar para aumentar ou diminuir o volume.

A Apple também ofereceu mais detalhes acerca do uso do HomePod como viva-voz. No comunicado para a imprensa sobre o dispositivo, destrinchado pelo nosso amigo Guilherme Rambo, a empresa afirma que, em conjunto a um iPhone, o alto-falante pode ser utilizado em chamadas com “vívida e clara qualidade de áudio”, mas não poderá realizar ou receber ligações por si só — é necessário fazer ou atender à chamada no iPhone e repassá-la para o HomePod em seguida.

Felizmente, o uso do dispositivo por múltiplos usuários parece ser bem simples (o que era esperado, considerando o caráter doméstico do HomePod). Qualquer pessoa na casa que esteja numa chamada no iPhone poderá repassá-la para o alto-falante sem grandes complicações uma vez que ele esteja configurado; a mesma regra vale para a Siri e para quando os moradores estiverem ouvindo músicas no Apple Music (pela conta cadastrada no aparelho, isto é).

HomePod

Falando em Apple Music, é bom notar que a reprodução nativa do HomePod não contempla apenas o serviço de streaming da Maçã. Usuários também poderão tocar músicas adquiridas na iTunes Store, bem como reproduzir a rádio Beats 1 ou podcasts diretamente pelo alto-falante, sem precisar recorrer ao AirPlay (que será necessário, por exemplo, para outras plataformas de música como o Spotify).

Um ponto importantíssimo para usuários brasileiros — e de todos os outros países que não receberão o HomePod no seu lançamento inicial (ou seja, o mundo todo exceto EUA, Reino Unido e Austrália) — é a possibilidade de o alto-falante funcionar em outros territórios, que não aqueles onde já foi oficialmente lançado. Como era esperado, sim, o aparelho poderá funcionar em qualquer lugar — contanto que seja em inglês, ou nos idiomas que forem gradualmente sendo adicionados (os próximos serão francês e alemão, considerando que o HomePod será lançado na França e na Alemanha ainda na primavera do hemisfério norte).

HomePod

Por fim, um assunto importante a ser tratado: AppleCare+. O plano de garantia estendida do HomePod custará US$39, como o 9to5Mac descobriu em um documento distribuído às lojas da Maçã. O valor estende a garantia do dispositivo por dois anos e cobre até dois incidentes de dano acidental que comprometam seu funcionamento (danos estéticos não entram na jogada) — para cada um desses reparos, será necessário desembolsar mais US$39.

Um bônus interessante é que a garantia cobre também produtos AirPort (você achou que eles estavam mortos, né?) e, como de costume, traz o velho suporte telefônico que ajuda o usuário a configurar os produtos.

Atualização, por Eduardo Marques 24/01/2018 às 21:53

Assim como as Apple TVs (quarta geração e 4K) e os iPhones 7/7 Plus, 8/8 Plus e X, o HomePod também contará com suporte à reprodução de arquivos de áudio FLAC.

FLAC, para quem não conhece, é acrônimo para Free Lossless Audio Codec, ou Codec de Áudio Livre Sem Perdas. Na prática, estamos falando de um codec de compressão de áudio sem perda de informação — ao contrário dos formatos MP3 e AAC, que removem algumas informações do fluxo de áudio a fim de tornar o arquivo mais leve.

Em se tratando de um alto-falante de alta qualidade, a capacidade de reproduzir arquivos nesse formato era mais do que esperada.

via 9to5Mac

Posts relacionados

Comentários