Será que a Apple deveria criar um serviço de assinatura englobando iPhones, iPads, Macs e serviços? Um analista diz que sim

O que você acha de pagar uma quantia mensal e, além de ser assinante do Apple Music, do iCloud e de todos os outros serviços da Apple, trocar de iPhone todo ano, de iPad a cada dois anos e de Mac a cada três — sem gastar um centavo extra para isso? Dependendo dos valores cobrados, soa promissor, não? Pois é exatamente esse modelo de negócios que o analista Horace Dediu opina que a Maçã deveria considerar nesta reportagem do Wall Street Journal1.

De acordo com Dediu, a implementação de um serviço de assinatura que englobasse dispositivos e serviços — apelidado por ele de “Apple Prime” — seria benéfica para a empresa por uma razão muito simples: a venda de produtos sofre com a ação do tempo, com lançamentos trazendo grandes volumes de vendas (e dinheiro) e dispositivos com a atualização próxima encalhando nas prateleiras e secando a fonte de dinheiro.

Uma assinatura desse tipo, por sua vez, transformaria essa montanha-russa financeira numa suave e plana estrada alemã, com o dinheiro entrando regularmente e previsivelmente todos os meses no cofrinho da Maçã. Adicionalmente, o modelo poderia incentivar os consumidores a atualizarem seus dispositivos com mais frequência e, de quebra, colocá-los de uma vez por toda mergulhados de cabeça no ecossistema da empresa — afinal, a assinatura incluiria todos os serviços que a Apple oferece, do acompanhamento médico do Apple Watch ao futuro serviço de streaming de vídeo da empresa.

Dediu argumenta que a Apple já implementa um embrião da ideia nos (poucos) países que oferecem o iPhone Upgrade Program, um programa de pagamentos mensais que permite ao usuário trocar de iPhone todo ano e já vem com o AppleCare+ embutido — o “Apple Prime” seria uma expansão drástica dessa ideia, em todos os sentidos.

Outro argumento importante lançado por Dediu tem a ver com o HomePod — ora, se o mais novo produto da Apple só funciona no topo das suas capacidades se o usuário tiver uma assinatura do Apple Music, por que não chutar o balde de uma vez e criar um sistema em que o cliente apenas pague uma quantia mensal e possa desfrutar de tudo sem ter que se preocupar com nada?

A ideia, claro, também tem suas desvantagens: uma vez dentro do programa, seria muito difícil ter uma autonomia sobre quais produtos e serviços lhe interessam ou não, e a cerca da Maçã se formaria ao redor da sua pessoa. Em outras palavras, você estaria vendendo a sua alma à Apple — com a diferença que é você quem estaria gastando dinheiro.

O que vocês acham? Seriam assinantes de um possível “Apple Prime” ou preferem continuar no modelo atual? Deixem suas opiniões logo abaixo.

via AppleInsider

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

55 comments

  1. Seria viável somente para alguns produtos né?
    Nem quero imaginar um serviço desse para um iMac Pro da vida.

  2. Pra ser mais lucrativo pra Apple do que o modelo atual teria que ser muito caro a ponto de não ser vantajoso pro consumidor. Além de ser super engessado. Acho impraticável algo assim.

  3. Uns 5 mil reais. E estou chutando barato (sem os produtos pro). Se fosse algo na casa dos 500 reais mês, valeria muito a pena.

  4. A questão é que o valor seria como o de uma prestação de um carro aqui no Brasil.
    Lá os valores são interessantes em financiamentos.
    De curiosidade podemos ter ideia por estes valores iniciais
    US$ 33 Telefone, US$ 36 Tablet, US$ 49 Mac e US$ 118 tudo. Lembrando que tem mais impostos.

  5. Um valor aceitável seria 500 reais, mas eu chutaria uns 3 a 5 mil e isso sem iMac pro (e os outros pro), só o normal.

  6. 12 mil reais em 3 anos pelo Mac, 4 mil por ano pelo iPhone, 4 mil a cada 2 anos pro iPad. Só aí são 10 mil por ano. A partir dai não sei como fica somando os serviços (principalmente o Apple Care+ que é relativamente caro) e descontando a devolução dos aparelhos.

  7. Me poupe… clube de assinatura prime pra uma empresa que já fatura bilhões… soa risível como se tivesse a necessidade da Apple ter que depender de tal coisa pra continuar voando alto.

    “(D)ispositivos com a atualização próxima encalhando nas prateleiras e secando a fonte de dinheiro.”

    Se o problema é versões antigas encalhando nas prateleiras semanas antes do lançamento do novo modelo, muito simples: mete um desconto progressivo que estabilize no preço que o dispositivo terá assim que o novo estiver no mercado. Tem UM MONTE de gente que nunca compra o mais recente, e sim o modelo anterior. Tem público pra tudo. Aliás, nos EUA, antigamente todo semestre havia venda especial pra estudantes que ganhavam $100 de desconto + iPod na compra de um novo Mac. Assim que acabava o período de oferta volta às aulas, metiam um modelo de algo novo na prateleira (geralmente computadores). Quem tinha comprado no volta às aulas geralmente ficava com o modelo anterior. Hoje em dia esse tipo de oferta prossegue, mas de uma forma diferente e calendário de lançamentos da Apple se expandiu e tem mais coisas sendo lançada/atualizada durante o ano. No entanto uma versão do desconto estudantil segue firme e forte. Ou seja: Apple tem trocentas possibilidades pra marketing e vendas antes de ter que depender de serviços de assinatura prime…

  8. Pra mim o maior problema seria você ter que desembolsar uma quantia relativamente grande todo mês, enquanto normalmente você junta uma grana e compra um produto novo quando pode, caso a situação não esteja muito boa você pode adiar isso.

    É ótimo pro fluxo de caixa da Apple, mas pode ser bem complicado pro fluxo do consumidor.

  9. Pois é… isso sim é uma oferta plausível: assina Apple Prime e leva Apple Care pra todos os seus produtos, Apple Music, Apple streaming, e troca de iPhone todo ano por exemplo. Tipo um Amazon Prime que dá serviços quando vc compra frete de 48 horas… agora assinatura que vc troca tudo? Quanta utopia…

  10. Seria legal aumentar mesmo, mas pra mim pagar o iCloud vale muito a pena, pago 200GB só pra poder usar a fototeca do iCloud (tenho mais de 50GB de fotos) e pago só 9 reais por mês. Só de não precisar ficar salvando minhas fotos no PC, organizando pasta, perdendo as Live Photos já é sensacional.

  11. Cara, nunca que incluiriam o iMac Pro nisso, um plano desse é mais pro consumidor comum, iMac Pro é beeem de nicho haha

  12. Não daria certo.
    Mas não é pra menos né…
    Olha o nome do analista: Horace Dediu.
    Segundo o analista HD ficaria melhor.

  13. Fazendo umas contas básicas, nos EUA custaria apenas US$230/mês.. aqui, seria em torno de R$1.300/mês (com taxa de juro de 15% a.m), considerando os modelos básicos. Quero nem ver o valor dos modelos mais caros.. hahaha

  14. Sabe bem na real o que eu curtiria?
    Pagar aí uns 40,00 por mês pra ter acesso ilimitado a todo o catálogo do Apple Music, Filmes do catálogo do iTunes, TV Shows (q eles podiam liberar) e mais o conteúdo de vídeo original q eles estão pra lançar.

    Já me servia, e acho o preço razoavel.

  15. Parece tendência mesmo, Não duvido que daqui a uns anos se torne realidade, pelo menos como uma opção.

  16. A programação original de TV pode até ser, e alguns catálogos presentes em outros serviços de streaming também… agora TODOS os filmes, jamais.

  17. Eu acredito que se esse plano fosse Minimamente flexivel sobre quais produtos podem ser adicionados ao plano ai sim seria muito legal com toda certeza, facilitaria muito o fator”tenho que vender meu aparelho depois de alguns anos”

  18. Acho que esta é uma profissão necessária e nada fácil. O que você chama de achismo, se bem acertado, pode evitar que uma empresa ou mesmo um programador isolado perca tempo no desenvolvimento de uma solução fracassada.

  19. Eu não assinaria, pois o mercado hoje já está oferecendo boas soluções, então a Apple já não é mais essa coisa toda do passado.

  20. 500 reais seria um valor totalmente plausível pra versão mais básica, considerando que você pagaria um iPhone SE em 12x, um iPad em 24x, e um MacBook Air 256GB em 36x, para realizar a troca a cada um, dois e três anos, respectivamente, mais o iCloud 50GB e o Apple Music individual.

  21. Eu fiz uma conta básica usando os preços da Apple Brasil. 14000 de macbook pro 13″ por 3 anos + 8000 de iPad pro 10″ por 2 anos + 7800 de iphone X por 1 ano + 3000 de apple watch por 1 ano + 1400 de apple tv por um ano + apple care cobrindo tudo isso + outros serviços (apple music, etc.) = no mínimo mínimo mínimo, a mensalidade disso seria R$2000. Pra algumas pessoas, uma pechincha…

  22. Difícil de aceitar o “Dispositivos com a atualização próxima encalhado nas prateleiras e secando a fonte de dinheiro.”
    Isso não existe pra Apple. O iPhone 7 ainda vende tão bem quanto pão quente em padaria. A Apple realmente não recusa disso pra se manter.
    Eu tenho todos meus dispositivos no ecossistema Apple e mesmo assim não cogitaria em assinar tal serviço com fogo em hardware. O único que sim seria bem vindo seria uma assinatura única para todos os serviços, mas ainda assim acho que não seria vantajoso pra Apple.

  23. Meu sonho tb, um serviço de streaming com pagamento mensal pra assistir filmes no itunes já tava de bom tamanho… Isso sim concorreria com a Netflix. Os filmes do itunes na Appletv rodam lisinhos, estrutura eles têm, mas kd dona Apple?

  24. Mas vc tem que pensar que iPad, a cada dois anos e Mac a cada três..
    MacBook Pro 36x – 230 arredondado
    iPad Pro 24x – 190 arredondado
    iPhone 8 12x – 300 arredondado

    Ficaria 800 mês com margem de variação de preço nos próximos anos..

    Claro que não teria um plano único dos três ao mesmo tempo… poderia ter, iPhone + iPad… ou iPhone + Mac… enfim. Interessante..

  25. É mais fácil eles fecharem parcerias com financeiras, para levar um programa desse nível a todo o mundo, e ai entra essa taxa de juro. Nos EUA, seria tranquilo, pois o juro é baixo, mas, aqui não, o juro chega a 15% a.m.

    Funcionaria parecido com o programa de upgrade que a Claro oferece.

  26. iPlace tem uns treco assim.

    Tu compra um 8 e qiando lancar o sucessor da o 8 de entrada e pega o novo.

    Mas é conta pro resto da vida… Prefiro comprar e pagar, da pra um membro da família e compra o mais novo inteirando o dinheiro…

  27. O problema é o preço mensal disso tudo. E muitas pessoas poderiam preferir comprar os produtos e revender alguns anos depois para juntar uma grana e pegar um novo.
    Todos sabemos que produtos da Apple são os que menos desvalorizam como o passar do tempo. E muitos podem ver uma assinatura como um dinheiro “jogado fora”.
    Isso partindo da Apple imagino que não acontecerá jamais. Mas se a pessoa quer alugar um Mac, iPad ou até mesmo um iPhone, tem várias empresas que oferecem o aluguel deles.

  28. No Brasil com certeza isso não daria certo. Um iPhone de 7 mil no mínimo custaria uns R$ 600 por mês pra um plano anual. Imagine colocar no bolo um Mac também. Chutaria uma mensalidade de pelo menos R$ 1.500

    Talvez, só empresas muito bem resolvidas teriam um serviço desse devido seu algo valor.

  29. Mas lembre-se que seé uma ASSINATURA, você tem que DEVOLVER os produtos no final do tempo pra pegar os novos, nesse caso aí eles sao SEUS, não pode ser esse preço por isso.

  30. Concordo com o que vc falou sobre produtos antigos. MUITAS pessoas não fazem a menor questão de ter o último MacBook por exemplo. E tem casos que a procura do produto anterior faz até inflacionar os preços.
    Se atualizou o iMac e manteve o preço em 1500, pega o modelo anterior e vende com 20% de desconto, saindo por 1300. Rapidinho vai resolver a questão do estoque encalhado.

  31. Esse modelo proposto é o que é conhecido como renting , onde o cliente paga apenas o tempo de utilização do bem. Exemplo: uma pessoa quer comprar só os top de linha da Apple: iPhone X de 256 GB, Apple Watch Séries 3 em aço inoxidável de 42 mm, iPad Pro 12,9 Pol. 256 GB e MacBook Pro com Touch ID de 15 Pol./512 GB, trocando os dois primeiros anualmente, o terceiro a cada dois anos e o quarto a cada três anos. Gastaria um valor total de €6376 se comprasse a vista ou se pagasse dividido em 12 meses sem juros (iPhone e Apple Watch), 24 (iPad) e 36 meses (MacBook) ficaria com uma prestação mensal de €496,10. No caso do serviço de assinatura no estilo renting (e tendo em conta exemplos similares em outros mercados) a prestação mensal seria de €270. Se for levado em conta as práticas de renting para essa assinatura o Apple Care estaria incluído também.
    Esse modelo é normalmente utilizado na Europa com automóveis para empresas, empresários individuais e profissionais liberais. Tem a vantagem de não imobilizar capital, resguardar o cliente em caso de problemas com o equipamento e facilitar o processo de troca, pois é só entregar o bem e receber um novo. “Ah, mas assim nunca vou ter o bem”. Sim, essa a ideia. Você está pagando pelo usufruto do bem, um serviço. Aliás, para fins fiscais é bem melhor, pois entra como despesa e não como um ativo da empresa/pessoa. Agora isso só tem sentido caso a pessoa troque de equipamento com a frequência, pois a aquisição do produto no final do contrato é possível, mas acaba ficando mais onerosa que o crédito.
    Só para terminar creio que isso terá muito futuro na Europa, onde modalidades semelhantes são largamente utilizadas, mas não creio que funcione no Brasil.

Deixe uma resposta