Apple Watch sozinho pode detectar condição cardíaca com precisão ainda maior que a de uma pulseira dedicada

Vocês certamente lembram da KardiaBand, a pulseira especial para o Apple Watch que, conforme atestou a FDA1, oferece testes de ECG (eletrocardiograma) quase instantâneos a usuários somente através do contato com a ponta de um dedo.

Como notamos na semana passada, um estudo recente comprovou que a pulseira é capaz de detectar episódios de fibrilação atrial (uma condição cardíaca que pode ser prenúncio de problemas mais graves, como AVC) com precisão semelhante à de um exame de ECG tradicional. Hoje, entretanto, uma nova pesquisa surgiu mostrando que até mesmo o Apple Watch sem a pulseira pode detectar esses mesmos episódios, dotado somente do seu sensor cardíaco próprio.

O estudo é fruto de uma parceria da Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF) com a equipe do aplicativo Cardiogram, que analisou os dados de 9.730 usuários cadastrados no programa de pesquisa médica da instituição de ensino. Após a coleta de mais de 139 milhões de dados relativos a batimentos cardíacos e contagem de passos, a rede neural de aprendizado do Cardiogram, chamada DeepHeart, conseguiu detectar anomalias no ritmo cardíaco dos pacientes, como os casos de fibrilação atrial, com 97% de precisão.

Com isso, os números do Apple Watch tornam-se ainda maiores e mais precisos que os da KardiaBand: enquanto o relógio da Maçã oferece 98% de sensibilidade e 90% de especificidade na leitura dos casos, a pulseira traz índices de 93% e 84%, especificamente.

Os resultados foram publicados hoje na revista JAMA Cardiology e indicam um futuro brilhante para o Apple Watch na área de saúde. Claro, suspeito que a Apple já saiba muito bem do potencial do seu reloginho no segmento médico, mas essas notícias são passos que ajudam a traçar o caminho percorrido pelo acessório na busca pela sua própria identidade. Vamos ver o que o futuro reserva para ele.


Apple Watch Series 2

Apple Watch Series 3

de Apple

Preço à vista: a partir de R$ 2.339,10
Preço parcelado: em até 12x de R$ 216,58
Tamanhos: 38mm ou 42mm
Cores: diversas
Lançamento: setembro de 2017

Botão - Comprar agora

via MacRumors

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

4 comments

  1. Agora só resta uma duvida! O apple watch tem a precisão melhor que a kardiaband, porém ele avisa da fibrilação atrial? Ou teria que ter um app a parte? Eu ia comprar a kardia band, mas agora acho que nao vale mais a pena, é claro, se o apple watch avise isso.

  2. A fibrilação atrial nada mais é que uma irregularidade no ritmo cardíaco. Como o sensor do Apple Watch é comprovadamente preciso, na detecção dos batimentos, a interpretação de determinadas arritmias torna-se trivial. Porém, isso foi feito por meio de estudos, que analisaram as aferições do relógio. Resta agora a Apple, ou algum terceiro, lançar um aplicativo que faça a interpretação do ritmo cardíaco de forma confiável.

    A KardiaBand permite a mesma observação, porém, examinando o sinal de ECG, que, por sua vez, demanda maior sensibilidade, para uma perfeita detecção. Enquanto os sensores do relógio captam apenas os batimentos, através do “reflexo” do infravermelho nas moléculas de hemoglobina, a pulseira obtém a diferença de potencial elétrico entre dois pontos, gerada pelo estímulo do músculo do coração.

  3. Essa performance boa citada no artigo foi obtida usando um conjunto de dados de batimentos e contagem de passos bem controlado. Quando testa em dados obtidos de pacientes ambulatoriais (algo mais próximo da vida real) a sensibilidade de especificidade caíram para 67%

  4. Eu sou cardíaco. Tenho Miocardia Hipertrófica, o que causa arritmia e picos de batimentos, condição esta que eu controlo com medicamentos para levar uma vida normal.

    Já testei o apple watch “em ação” na academia, ocasião aonde a medição constante é mais uma questão de segurança do que qualquer coisa. Testei durante 5 dias consecutivos de academia dois relógios, um apple watch na mão esquerda e uma mii band na mão direita. Ambos devidamente configurados para a lateralidade correta.

    Juntamente com esses dois relógios, usei um equipamento médico dedicado, que consiste num elástico de sensores que vai ao redor do peito(e precisa ser molhado com água para funcionar) e transmite o resultado para um relógio, que não mede nada, mas apenas exibe o resultado.

    Pois eu informo aos amigos leitores que o resultado de ambos os relógios foi decepcionante, ao menos para mim que tenho arritmia. Os resultados da mii band e do apple watch foram exatamente iguais, mas não batiam com o do equipamento médico(Polar).

    Pude concluir que um dos conjuntos de equipamentos, ou está enganado, ou está me enganando.

    Ao fazer a mesma medição durante um teste ergométrico, em laboratório, usando os mesmos equipamentos mais o equipamento do laboratório, pude concluir que ambos os relógios estavam errados em sua medição. Ao menos para o meu caso. Somente o Polar aferiu exatamente a mesma medição do laboratório.

    Conclusões:

    1. A medição do apple watch usa o mesmo cálculo que uma mii band barata;
    2. Eu que tenho problemas cardíacos, e potencialmente poderia ser o público alvo deste tipo de equipamento, não posso confiar minha vida a ele pois a medição é muito imprecisa(ao menos no meu caso).

    Talvez sirva pra quem tem um coração normal e sadio, mas fica aqui o meu alerta para pessoas com enfermidades cardíacas tomem cuidado.

Deixe uma resposta