Tim Cook clama por regulamentações mais fortes para questões envolvendo privacidade, como o caso recente do Facebook

Conforme cobrimos, Tim Cook neste ano é copresidente do Fórum de Desenvolvimento da China. Estamos falando de uma reunião anual destinada a promover diálogo entre o governo chinês e líderes empresariais globais, e conta com uma troca constante de presidentes — no hall dos que já passaram pela cadeira temos executivos como Mark Fields (CEO da Ford) e Doug Oberhelman (chefe executivo da Caterpillar).

E, participando do evento, o CEO da Apple aproveitou para falar um pouco da polêmica das últimas semanas envolvendo o Facebook. Como sabemos, a Apple (por princípio ou por questões mercadológicas) é uma ferrenha defensora da privacidade. Justamente por isso, a declaração de Cook não é algo surpreendente: quando perguntado sobre o assunto, o executivo basicamente pediu por regulamentações de privacidade mais fortes, que informações de usuários sejam reunidas e usadas de novas maneiras sem o conhecimento das pessoas.

Eu acho que essa situação é tão terrível e se tornou tão grande que provavelmente alguma regulamentação bem elaborada se faz necessária. A capacidade de qualquer um saber sobre o que você está navegando há anos, quem são os seus contatos, quem são os contatos deles, coisas de que você gosta e não gosta, e todos os detalhes íntimos da sua vida — do meu próprio ponto de vista, não deveria existir.

[…] Nós nos preocupamos que, por vários anos e em muitos países, pessoas estavam compartilhando seus dados provavelmente sem saber o que estavam fazendo e que esses perfis detalhados estavam sendo construídos, que um dia algo aconteceria e as pessoas ficariam incrivelmente ofendidas pelo que foi feito sem que eles soubessem disso. Infelizmente, essa previsão se tornou realidade mais de uma vez.

Por conta do assunto, John Gruber (do Daring Fireball) resgatou um vídeo para lá de interessante, o qual traz Steve Jobs participando da conferência de tecnologia D8: All Things Digital. Os entrevistadores Walt Mossberg e Kara Swisher, então, perguntam ao falecido ex-CEO da Apple a opinião dele sobre privacidade.

Confira, abaixo:

Privacidade significa que as pessoas sabem para o que estão se inscrevendo. Em português claro e repetidamente. Isso é o que significa. Eu sou otimista. Eu acredito que as pessoas são inteligentes. E algumas pessoas querem compartilhar mais dados do que outras pessoas. Pergunte a eles. Pergunte a eles todas as vezes. Faça com que eles digam para você parar de perguntar se eles estão cansados de perguntar a eles. Deixe-os saber exatamente o que você fará com os dados deles. Isso é o que [nós, da Apple] pensamos.

Como disse acima, independentemente de ser princípio ou uma questão mercadológica, é fato que a postura da Apple é a mesma há anos, desde quando era comandada por Jobs.

Falando sobre o Fórum de Desenvolvimento da China em si, ele está ocorrendo em meio a crescentes temores de uma — literalmente — guerra comercial entre os EUA e a China. Até por isso, Cook falou sobre o assunto e disse esperar que “cabeças calmas” acabem prevalecendo.

Para ele, na história do relacionamento entre os países, houve casos em que eles não foram beneficiados de forma igualitária. Ainda assim, Cook espera que os líderes de ambos os países sejam capazes de agir racionalmente.

Já sobre o relacionamento da Apple com a China (principalmente a questão envolvendo a migração dos dados do iCloud de chineses para um servidor no país, controlado pelo governo), Cook disse que “as empresas devem se envolver com governos em países onde estão negociando, concordando ou discordando”.

via Bloomberg, Reuters

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários