iOS 11 também está afetando sensores de luminosidade de iPhones com telas oficiais da Apple trocadas por terceiros

Ainda ontem, noticiamos casos de iPhones que tiveram suas telas trocadas (provavelmente por peças não-originais) em centros de serviço não-autorizados e simplesmente congelaram com a atualização para o iOS 11.3. Agora, outra notícia abrange mais algumas das versões recentes do iOS e traz um problema mais sutil, mas levanta a questão: que diabos está acontecendo em Cupertino?

O Engadget noticiou hoje que alguns iPhones 8, 8 Plus e X rodando o iOS 11.1, 11.2 ou 11.3 estão deixando de ajustar o brilho da tela automaticamente após uma troca de tela feita por um agente não-autorizado. Aparentemente, por algum motivo ainda desconhecido, o sensor de luminosidade na frente dos aparelhos está sendo inutilizado na operação.

Sistema TrueDepth com todos os componentes frontais do notch do iPhone X

O mais curioso é notar que o problema acomete até mesmo iPhones cujo novo painel seja uma peça original da Apple — o x da questão aqui parece ser, realmente, o “status” do serviço onde a troca foi realizada. iPhones cujo serviço foi realizado pela própria Maçã ou uma assistência técnica autorizada não sofreram nenhum tipo de prejuízo, ainda que estejamos falando da exata mesma peça em ambos os casos.

É bom notar que a troca da tela de um iPhone não envolve nenhum tipo de contato direto com o sensor de luminosidade do aparelho — o componente é embutido na parte frontal do dispositivo, então a troca da tela simplesmente troca o sensor como um todo, também.

Ninguém sabe dizer até o momento o que está causando o problema, nem mesmo se o comportamento é consequência direta ou efeito colateral de alguma decisão deliberada por parte da Apple. Como bem se sabe, a empresa tem, cada vez mais, unido os aspectos referentes a hardware e software nos seus produtos — prática que teve seu primeiro grande exemplo com o lançamento do iPhone 5s, cujo Touch ID é tão ligado ao restante dos componentes que o recurso de leitura de digitais é simplesmente desativado no sistema caso o sensor seja substituído por um agente não-autorizado, por questões de segurança.

Claro, um sensor de luminosidade é totalmente diferente de um leitor de digitais e, à primeira vista, não há razões lógicas para explicar o problema caso ele parta de alguma decisão consciente da Apple. Alguns donos de assistências técnicas conversaram com o Engadget, entretanto, e expressaram seus medos de a Maçã estar usando o sensor luminoso como um simples teste para ações mais drásticas no futuro — imaginem, por exemplo, um vindouro iPhone em que todos os componentes internos, do mais simples ao mais vital, são ligados à placa lógica de forma que qualquer reparo ou troca não-autorizada desligue sua função imediatamente até que a própria Apple entre em ação. Sim, soa como um futuro deveras distópico.

De qualquer forma, ainda que essas sejam meras especulações, é bom lembrar que — ao menos nos Estados Unidos — nem a Apple nem qualquer fabricante de eletrônicos pode deixar de oferecer garantia a dispositivos que foram abertos e/ou passaram por reparos de agentes não-autorizados, como comentamos agora há pouco. Portanto, a ideia de que a Maçã sabe exatamente quando seu aparelho foi aberto, e por quem, aparentemente via software, não me parece muito apropriada.

A Apple ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas voltaremos ao caso quando (ou… se) isso acontecer.

Posts relacionados

Comentários