Se a Intel não der conta do recado, Apple ainda terá que contar com a Qualcomm para a produção de modems dos novos iPhones

De acordo com uma notícia da Fast Company, a Intel será responsável por fornecer cerca de 70% dos modems para os novos modelos de iPhones que estarão à venda até o final deste ano. Se tudo der certo com a produção, a empresa de microprocessadores será a fornecedora de 100% desses componentes para 2019. Caso contrário, a Apple ainda terá que contar com a sua tão estimada parceira Qualcomm para produzir essas peças.

A relação da Maçã com a Qualcomm fica cada vez mais delicada com o avanço das batalhas judiciais entre as duas empresas. Dada mais essa briga entre as gigantes, a Intel surgiu como opção para produzir uma quantidade ainda maior de modems este ano. No entanto, a Apple espera acompanhar as produções e verificar como a Intel cumprirá os prazos, já que esta é a primeira vez em que a empresa irá fabricar seus próprios chips utilizando processadores de 28 nanômetros.

Caso não dê conta da demanda, a Qualcomm entrará em ação para produzir os componentes além dos 30% já estipulados; se a Intel cumprir com a demanda a tempo, é possível que a empresa pegue mais de 70% da produção. De acordo com uma fonte da Fast Company, alguns componentes do chip da Intel não funcionaram conforme esperado, mas a empresa se mantém confiante.

Até agora, a taxa de rendimento dos novos chips não é o que a Intel esperava. Apenas um pouco mais que a metade funcionou conforme indicado. Engenheiros da Intel estão confiantes, trabalhando nos problemas específicos e aumentando essa taxa de rendimento antes de as produções avançarem em junho e julho.

Engenheiros da Apple e da Intel começaram a trabalhar juntos em modems entre 2014 e 2015, e logo a Intel tinha milhares de profissionais dedicados para conseguir incluir o seu componente em iPhones. A partir da produção do iPhone 7, em setembro de 2016, a empresa de microprocessadores ganhou mais espaço na produção de modems para a Apple — à margem da Qualcomm — a cada novo ciclo de produção.

Com a geração 5G a caminho, é previsto que a Intel forneça esse componente para os próximos iPhones pelo menos a partir de 2019. Nesse mesmo ano, talvez a Qualcomm já não seja mais fornecedora da Maçã, e quem sabe suas relações fiquem apenas no campo judicial. Ainda de acordo com a Fast Company, há pouco a Qualcomm inclusive removeu as projeções com receitas vinculadas à Apple para o anúncio do seu primeiro trimestre fiscal.

Veremos se a Intel irá corresponder à expectativa da Apple e acompanharemos os próximos capítulos da relação da Maçã com a Qualcomm.

via iClarified

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários