Apple é multada em R$43 milhões por polêmica nas baterias de iPhones

Pode não parecer, mas já estamos caminhando para o aniversário de um ano do escândalo envolvendo as baterias de iPhones mais antigos (nomeadamente, iPhones 6, 6 Plus, 6s e 6s Plus), no qual a Apple foi pega no pulo diminuindo silenciosamente a performance desses aparelhos para preservar a longevidade deles.

De lá para cá, muitas águas rolaram: a empresa se desculpou publicamente, adicionou recursos no iOS para oferecer opções aos usuários e abriu um programa de troca de baterias com um bom desconto valendo por todo o ano de 2018.

Mas a história ainda não acabou: a Reuters relatou hoje que um órgão anti-truste do governo italiano multou a Apple em 10 milhões de euros (aproximadamente R$43 milhões) por conta de acusações de grupos de consumidores, que alegaram uma estratégia de obsolescência programada da Maçã para a substituição prematura dos seus aparelhos.

Dessa multa, 5 milhões de euros se referem às atualizações de software que teriam comprometido deliberadamente a performance dos iPhones; os outros 5 milhões de euros punem a empresa por não fornecer informações claras aos seus clientes sobre como manter ou trocar as baterias dos seus dispositivos.

Samsung também é multada

A Apple não está sozinha na investida do órgão italiano: a Samsung também recebeu uma multa por atualizações de software “desacelerantes”, envolvendo especificamente o Galaxy Note4 — que, ao receber um update destinado principalmente ao mais recente Note7, teve sua performance significativamente reduzida. A empresa terá de pagar 5 milhões de euros ao governo da Itália.

As duas multas, da Apple e da Samsung, são as primeiras aplicadas às companhias por conta de casos de obsolescência programada. Segundo um representante da organização, as duas empresas “causaram sérias disfunções e reduziram as performances significativamente dos seus aparelhos, acelerando o processo de substituição deles”, adicionando que nem a americana nem a sul-coreana deram aos consumidores informações sobre o impacto das atualizações ou “quaisquer meios de restaurar a funcionalidade original dos produtos”.

É bom notar que, enquanto a polêmica da Apple ganhou os holofotes da imprensa mundial e foi reconhecida publicamente pela empresa, a Samsung nunca chegou a admitir qualquer caso de desaceleração deliberada dos seus dispositivos — a multa do órgão italiano, portanto, pode chegar com uma dose de surpresa lá nos escritórios da Coreia do Sul.

Apple e Samsung não comentaram a decisão.

via iDownloadBlog

Posts relacionados

Comentários