Mark Zuckerberg: “Nosso maior concorrente é, de longe, o iMessage”

O Facebook divulgou nesta semana os resultados financeiros do seu terceiro trimestre fiscal; durante a conferência, o CEO1 da empresa, Mark Zuckerberg, admitiu que a plataforma de mensagens estava perdendo para o iMessage, mensageiro da Apple, em “territórios importantes” como os Estados Unidos, onde as vendas do iPhone são bem representativas.

O Facebook é responsável pelos dois maiores aplicativos de mensagens do mundo, o WhatsApp e o Messenger — sobre os quais Zuckerberg descreveu que há uma transição no hábito de compartilhamento de ambientes “mais públicos”, como o próprio Facebook, para as mensagens e as histórias privadas.

As pessoas compartilham mais fotos, vídeos e links no WhatsApp e no Messenger do que nas redes sociais. Somos líderes na maioria dos países, mas o nosso maior concorrente, de longe, é o iMessage e, em países importantes como os EUA, onde o iPhone é forte, a Apple agrupa o iMessage como o aplicativo padrão de mensagens de texto e ainda está à frente. Em países onde há mais concorrência entre iOS e Android, como grande parte da Europa, as pessoas tendem a preferir nossos serviços.

Zuckerberg aproveitou a ocasião para responder às críticas do CEO da Apple sobre a venda de informações pessoais de clientes pelas empresas de tecnologia. Para o fundador da rede social, uma das principais razões pelas quais as pessoas preferem os serviços do Facebook, como o WhatsApp, é a forte privacidade dos dados.

O executivo cutucou a Apple ainda e disse que as chaves do WhatsApp não são armazenadas na China ou em qualquer outro lugar. Ele se referiu, claro, à migração dos dados do iCloud de clientes da Apple para empresa estatais chinesas.

O WhatsApp é totalmente criptografado de ponta a ponta, não armazena suas mensagens e não armazena as chaves das suas mensagens na China ou em qualquer outro lugar. E isso é importante porque, se nossos sistemas não puderem ver suas mensagens, então significa que governos e mal-intencionados também não poderão acessá-las por nós.

Na mesma entrevista na qual Cook criticou a venda de dados de usuários, ele reiterou que as informações do iCloud na China não podem ser acessadas pelo governo ou por qualquer outra empresa; na ocasião, Cook disse: “Se você bloquear seu smartphone na China, eu não consigo abri-lo.”

via AppleInsider

Posts relacionados

Comentários