Loja da Apple é saqueada e vandalizada durante manifestações na França

A Apple Sainte-Catherine, em Bordeaux (França), foi invadida no último sábado (8/12) durante protestos de manifestantes do “colete amarelo”, conforme divulgado pelo site francês MacGeneration [Google Tradutor].

Em vídeos divulgados nas redes sociais, é possível ver que os saqueadores quebraram as vitrines da loja antes de invadirem o prédio e surrupiar MacBooks, iPhones, iPads e outros gadgets que estavam expostos nas mesas.

https://twitter.com/PorteTonAme/status/1071513131866701825

📹🇫🇷 #France: A visão interna do saque da Apple Store em #Bordeaux. #8dedezembro #sábado8dezembro

Na madrugada de ontem, funcionários da Apple instalaram chapas de compensado nas janelas de vidro para evitar novos ataques, mas os prejuízos causados pela invasão de sábado devem ser contabilizados pela companhia. Em Paris, as três lojas da Maçã foram fechadas e também receberam proteções extras.

Apple Champs-Élysées
Apple Champs-Élysées é fechada com compensados de madeira para evitar invasões durante protestos em Paris.

Como comentamos, produtos roubados das lojas da Maçã se tornam basicamente inutilizáveis. Além disso, eles ficam inelegíveis para suporte técnico — ou seja, comprar iPhones roubados de Apple Stores é sempre um mau negócio.

Essa não é a primeira vez que a Maçã sofre com o levante de protestos na França: em anos anteriores, tumultos em Paris causaram danos à Apple Opéra. Além disso, o local ocupado atualmente pela Apple Champs-Élysées também já foi invadido.

via 9to5Mac

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

29 comments

  1. Isso daí que mata as manifestações legitimas, um bando de bandidos que se fingem de manifestantes só para roubar e destruir.

  2. A Bastilha não caiu no abraço e no aperto de mão. Quebra pau mesmo, quando um governo republicano e democrático não escuta os anseios de seu povo, o povo demonstra seu poder. Vale ressaltar que TODAS as lojas tem sistemas de seguros e que tudo que foi quebrado será reposto pelas seguradoras. Nós Brasileiros que somos burros de admitir o que o governo faz conosco, gasolina quase 5 reais o litro, vindo de uma empresa estatal que não deveria se quer se preocupar com lucro, um governo eleito e quem nem empossado foi já está envolvido em um esquema de corrupção, esse é o fardo pela passividade do Brasileiro. Parabéns Franceses, vão sair de férias com gasolina barata e o Brazuca se enfiando em divida de cartão de crédito pra andar 200km até a praia e se acharem os milionários. O oprimido jamais deveria defender o opressor.

  3. Ainda bem que fui antes de fecharem. Fui à Apple Opera no domingo e estava tudo tranquilo. Cheguei a cogitar de ir na quarta-feira, felizmente mantive o plano e consegui comprar o que queria.

  4. “Vale ressaltar que TODAS as lojas tem sistemas de seguros e que tudo que foi quebrado será reposto pelas seguradoras.” E? Sair pra ruas, lutar por seus ideais, talvez ate mesmo de forma menos pacífica mas condizente e em proporção com o que de fato esta acontecendo em seu pais é super válido e necessário, mas nunca vou defender e concordar com esse seu pensamento de que “é necessário roubar a loja da Apple” (ou qualquer outra loja) para mostrar aos opressores… a nao ser que a Apple fosse a opressora haha

  5. O negócio na França tá muito louco. Eles pegam aquele colete que tem no porta-malas dos carros, para sinalizar a troca de pneus e outros problemas, e tão indo para a Rua. Se tem algo que os franceses sabem fazer é derrubar regimes e o Sr. Macron é um Presidente Globalista num cenário em que a própria Europa está perdendo a sua característica comunitária com a saída do seu País mais rico, o Reino Unindo, associado ao financiamento dos Países mais ricos aos mais pobres, regimes de esquerda em Portugal, regimes de direita nos países do leste, conflitos armados no Mar Negro, enfim, a coisa anda nada convidativa.

  6. Sair às ruas é lícito… qualquer ato de violência (depredação, saques…), daí o ato perde a legitimidade. Protestos devem ser pacíficos. Lembro bem dos danos à fachada dos bancos durante os protestos de 2013.

  7. Exatamente! De forma geral são em raríssimas situações de estado de exceção que vejo motivo e/ou “necessidade” desse tipo de coisa, o que claramente não é o caso da França e nem foi o caso aqui no Brasil…

  8. Olha… estive lá faz pouco tempo, mas não em Paris. Fui apenas ao sul e as manifestações eram bem tranquilas. Particularmente não gosto do Macron pela sua agenda globalista e o alinhamento a regimes de esquerda na Europa, mas é a minha opinião e entendo que não se deve partir para a violência.

    Há, contudo, algo muito semelhante entre o Brasil e a França, que são as Centrais Sindicais (nota que estou diferenciando dos sindicatos), além da força dos partidos de esquerda, que mesmo com um grande lobby, foram derrotados no começo dos anos 2000 com os referendos para a aprovação da Constituição da UE.

  9. Erhhhh Os franceses não fizeram a Revolução Francesa (que pôs fim ao domínio secular do clero e da nobreza, levando a burguesia ao poder) “pacificamente”. Os americanos não fizeram a chamada Revolução Americana (que levou à independência) e a Guerra Civil Americana (que impôs a libertação dos escravos aos estados do Sul), “pacificamente”. Os ingleses não impuseram a vontade do parlamento sobre a monarquia absolutista, “pacificamente”. O Vietnã não expulsou os americanos, “pacificamente”. Os cubanos não livraram seu país do apelido de “cabaré dos aposentados americanos” com a revolução, “pacificamente”. Esse lance de pacificamente é conversa de quem defende o status quo muitas vezes injusto, controlado por camadas superiores privilegiadas da sociedade.

  10. A França, coitada, é o Brasil de amanhã. Se os franceses não acordarem e ligarem os pontos com o Brasil de 2013 eles vão quebrar a cara, do mesmo jeito que o Brasil quebrou.

  11. Claro… a própria Hannah Arendt em “Sobre a Revolução” explica bem isso, mas no contexto atual não é aceitável. Os americanos tiveram que guerrear contra os Ingleses, contra os nativos e contra outros povos que lá estavam, da mesma forma que os Franceses, os Italianos (Vittorio Emanuele e Garibaldi), os Alemães (especialmente por Bismarck), os Soviéticos (Lênin, Stálin e Trotsky), todos chegaram ao poder pela “porrada” e pela quebra do paradigma, mas especialmente na França e nos EUA não havia um regulamento jurídico que permitisse ou vedasse a tomada do poder pela força. Os casos da Itália e da Alemanha, bem mais recentes, foram o sinal de alerta para a Primeira Guerra Mundial e hoje vivemos sob o pálio de Tratados Internacionais de Direitos Humanos e, no caso da Europa, ainda, sob o Tratado da UE. Eu não nego que a violência pode ser necessária, mas o que se passa hoje no Mar Negro, haverás de convir comigo, é inaceitável.

  12. Cara vc estudou história alguma vez na vida? Estude e veras que sempre o progresso para uma sociedade veio após o combate. Comportamento pacifista nem a igreja católica teve, aperto de mão, abraço e sorriso nunca levaram a nada. Guerra, destruição, quebra quebra, revolução, só com revolução houve avanço e os franceses são os precursores, esse papo de vamos se abraçar, segura a faixa verde amarela não está com nada, nós brasileiros continuamos tomando no toba e nada muda.

  13. Vou fingir que não vi sua pergunta passivo agressiva idiota e não descer o nível seguindo você.
    Simplesmente discordo de você e acho que vivemos num mundo bem diferente de outrora, onde de fato a violência exagerada as vezes era necessária e mudava padrões gerando progresso a sociedade, atualmente grande parte dessa violência vem de pseudos revolucionários que no meio do caminho aproveitam para se dar bem roubando um iPhone ou Macbook, ou ate mesmo quebrando coisas só para se divertir e colocar pra fora a selvageria.
    Vou te falar que se tivessem entrado na loja, quebrado tudo, inclusive os aparelhos, eu entenderia um pouco mais. Ainda acho errado, mas faria mais sentido. Mas roubar os aparelho?! Nem fudendo! Isso é bandido mal caráter, não estão nas ruas pra bem da sociedade nenhum, só querem se dar bem, seja na violência ou na pacificidade.

  14. Sim, protestos devem ser pacíficos: nenhuma agressão a ser humano deve ser tolerada. Vidros e fachadas de empresas capitalistas não são seres humanos. Tem mais que quebrar mesmo.

  15. Não dá para levar a sério que defende, e incentiva, a depredação do patrimônio e especialmente no caso dessa Apple Store, é um prédio histórico, cujo traço arquitetônico foi feito desde o reinado de Luis Bonaparte ou Napoleão III, como queiram.

  16. Manda o endereço da sua casa pra o mtst pra dua casa e vc muda de ideia, ta mais para quando é nos cu dos outros pode.

  17. Eu trabalho com patrimônio cultural e acho que tem mais que depredar mesmo símbolos do capital. Preferencialmente de forma ritualizada e em festa.

  18. Minha casa é alugada, mas está cumprindo sua função social, já que tem gente morando nela. Propriedade vazia não compre função social e tem mais que ser ocupada mesmo. Não sou eu que digo, é a constituição federal.

  19. Claro e cafeteria vendendo café também, e nem por isso você deixou de aprovar a depredação do patrimônio alheio.

  20. A Inglaterra nunca teve uma revolução(politica) bem sucedida e é o exemplo de democracia mais antigo. A franca vive tendo revolução e já teve uns 3 ditadores depois da revolução francesa. Nao você nao está correto.

Deixe uma resposta