Não demorou: advogado processa a Apple por falha do FaceTime

Esta semana começou com um rebuliço em Cupertino: um grave bug de privacidade do FaceTime (descoberto há mais de uma semana) veio à tona segunda-feira passada, determinando a desativação das chamadas em grupo do serviço desde a madrugada de ontem (que persiste até agora).

É claro que, em meio a toda repercussão, algum caso de possíveis “vítimas” dessa falha iria emergir, e isso não demorou para acontecer. Menos de 24 horas após a descoberta do problema, o advogado Larry Williams II alegou que o bug do FaceTime permitiu que uma pessoa desconhecida ouvisse uma conversa privada com um cliente e está processando a Apple por isso, como divulgou a Bloomberg.

Williams disse que foi escutado enquanto tomava o depoimento de um cliente e que a falha “invade a privacidade das conversas mais íntimas de uma pessoa sem seu consentimento”, de acordo com a queixa que ele apresentou para um tribunal em Houston (Texas).

O advogado está processando a Apple por negligência, deturpação, responsabilidade pela falha e outros “danos punitivos” não especificados. É provável que, além desse, outros casos judiciais cheguem às mesas dos advogados da Maçã, dado o alcance global da falha.

Vale ressaltar que o bug acontecia ao ligar para uma pessoa via FaceTime em grupo e adicionar o seu próprio número à chamada; ou seja, dificilmente alguém faria isso acidentalmente sem saber desse truque e o que ele poderia causar. Considerando que o advogado afirmou que não conhecia a pessoa que o ligou, podemos supor que ele(a) tinha a intenção do que estava fazendo.

A Apple não comentou as alegações feitas no processo e também não divulgou novas informações sobre o quão perto está de liberar uma correção para o “bug de espionagem” do FaceTime. É esperado que isso aconteça ainda hoje.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários