Não adiantou: “patent troll” processa Apple por patentes de recarga via USB

A Apple tentou, mas não conseguiu evitar que a Fundamental Innovation Systems International (FISI) a processasse após uma série de alegações de infração de patentes relacionadas a tecnologias de recarga via USB.

Como dissemos, a FISI é uma “patent troll”; ou seja, uma empresa que registra ou adquire patentes criadas por outras empresas para simplesmente lucrar sobre as possíveis infrações dessas tecnologias. No caso das patentes supostamente infringidas pela Apple (6.936.936, 7.239.111, 7.834.586, 8.232.766 e 8.624.550), elas foram vendidas pela BlackBerry em 2015.

Os registros em questão detalham o funcionamento de subsistemas de carregamento com fio (USB) para extrair energia de adaptadores, computadores ou outros dispositivos que servem como carregadores. Essa tecnologia, em particular, “lida com os sinais de identificação recebidos pela interface USB, que podem definir uma taxa de transferência de energia maior ou menor do que o especificado”, a depender de alguns fatores.

Após adquirir a titularidade da propriedades intelectuais, a FISI usou-as em uma série de ações judiciais contra algumas gigantes da tecnologia, como a Huawei, a LG e a Samsung (que precisou licenciar a tecnologia no ano passado). A Apple começou a ser informada dessas infrações no fim de 2015; em 2018, a companhia respondeu aos pedidos da FISI para licenciar as patentes dizendo que as alegações (e as patentes) eram inválidas.

Com a revisão do Tribunal de Apelação de Patentes dos Estados Unidos, algumas alegações de violação de patentes da FISI foram negadas e a Apple se reuniu com a “patent troll” para discutir um possível acordo de licenciamento envolvendo os registros supracitados. As negociações deveriam continuar neste mês, mas a Apple queimou a largada e processou a FISI.

Na sua defesa, a gigante de Cupertino alegou que os dispositivos e os adaptadores citados no processo (iPhone, iPad, Apple Watch, iPod, Mac e seus respectivos carregadores) não dependem exclusivamente do padrão USB, incorporando, também, a tecnologia Lightning (nos dispositivos iOS) que “aplica sinais de comunicação modificados aos subsistemas de carregamento”.

A FISI busca indenização pelas infrações, acrescida de juros (com a possibilidade de triplicar o valor dos danos). Ademais, a “patent troll” está forçando um acordo que permite à Apple “licenciar a tecnologia de carregamento via USB para uma lista de produtos extremamente populares” (e ganhar uma bolada com isso).

via AppleInsider

Posts relacionados

Comentários

7 comments

  1. Concordo com vc, mas um exemplo de coisa escancarada que não me parece correto são aquelas empresas que te “livram” de multas ou aquelas que conseguem te encaixar “no condição de PCD” para comprar carros mais baratos…são empresas não produtivas que vivem de ganhar grana usando meandros burocraticos.

  2. “Patent trolls”, por definição, não têm produtos/serviços nenhum no mercado. Elas só registram e compram patentes para lucrar em cima delas, sem aplicá-las de forma prática em nada. É por isso que são chamadas dessa forma.

  3. E a apple não processa as empresas não? não é possível que ninguém estejam infringindo as patentes dela tmb kkkkk

  4. A Apple tem um fundo e um caixa enorme para isso. Inclusive ela mantem bilhões de dólares fora dos Estados Unidos para que esse capital não seja somado as ações e não precise pagar impostos aos USA.
    O Problema é que a empresa está deixando de inovar, ou seja, esses processos eram cada vez mais comuns, e novos acordos com Samsung, LG, Lenovo e etc.

Deixe uma resposta