Editoras estão aceitando taxa de 50% para entrar no serviço de notícias da Apple

Há alguns meses, comentamos aqui como as editoras não estavam lá muito animadas com a vindoura plataforma de periódicos sob demanda da Apple — aparentemente, as publicações estavam incertas em relação ao provável preço cobrado pela Maçã e à visibilidade que seus jornais e revistas teriam dentro do serviço.

"Apple News Magazines", suposto serviço de assinatura de revistas da Apple (imagem: 9to5Mac)

De dezembro para cá, entretanto, muita coisa mudou: o “Netflix de revistas/jornais” da Apple tomou forma muito rapidamente e, ao que tudo indica, será lançado muito em breve — com um anúncio previsto para o dia 25 de março. Com isso, a atitude das editoras também mudou.

Em reportagem publicada recentemente, o Recode falou sobre as negociações da Apple com as editoras e a estratégia da Maçã para capturar o máximo de conteúdo para o seu serviço mesmo cobrando taxas que soam deveras assustadoras. Aparentemente, como já comentamos, a Maçã está exigindo da maioria das publicações uma divisão de 50-50 nas receitas provenientes da plataforma — muito mais que os 70-30 comumente cobrados na App Store. Mas, diferentemente do relato do Wall Street Journal, o Recode afirmou que a empresa está obtendo sucesso.

Por mais que as taxas pareçam gigantescas, o veículo afirmou que a Apple já fechou contrato com “muitas editoras” para o serviço. É bem verdade que algumas delas se assustaram com a cobrança inicialmente, mas foram convencidas com um argumento muito simples por parte da Maçã: é melhor ter seu produto exposto para uma grande quantidade de usuários por um valor menor do que ter um número menor de leitores gerando mais dinheiro.

É importante notar que a divisão das receitas se refere somente ao valor pago pelos usuários pelas assinaturas: a Apple não tocará no dinheiro gerado com a publicidade dentro dos jornais e revistas na plataforma.

A Apple estaria prometendo às editoras que investirá pesado na divulgação do novo serviço e que ele pode, potencialmente, atrair muitos milhões de assinantes. Isso, claro, põe pressão em Cupertino: caso o “Netflix de revistas/jornais” não seja um estouro já no lançamento, há uma possibilidade real de a plataforma sofrer uma rápida debandada e ficar às moscas.

Também é importante que a Maçã trace uma estratégia alternativa para convencer os jornais a entrar na plataforma: essas publicações, segundo a reportagem, não estão sendo convencidas pelos argumentos da Apple e preferem manter-se em seus esquemas próprios de assinatura. Por serem parte importantíssima de qualquer serviço de periódicos sob demanda, é salutar que Tim Cook e sua turma ajam rápido em relação a isso.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários

20 comments

  1. Mas a texture já praticava 50/50, então as revistas já estão acostumadas cm essa prática. Não é uma novidade da Apple ou abuso, é apenas uma prática do mercado que ela está seguindo.

  2. Nenhum, a texture já fazia 50/50 antes de ser comprada. É uma prática normal do mercado. Eu acho engraçado que aqui no Brasil uma empresa lucrar é errado, que tem que ser benevolente e oferecer serviços de graça …. vamos ser realistas são dois conglomerados brigando pra ver quem fica cm a fatia maior. Nada mais justo que 50/50.

  3. Péssima notícia, logo logo teremos que pagar por informacao… Mesmo assim 95% da informacao que circula é lixo ou quer atender a determinados interesses…

  4. Vai ser um sucesso… nos EUA, quem sabe no Japão, e outros cantinhos do mundo. Agora aqui, nem vamos ouvir falar

  5. Eu sai do ecossistema Apple faz um tempo, mas ainda gosto de acompanhar as coisas. Alguém sabe me dizer como anda o iBooks? Eu o achava bem fraquinho pelo bem da verdade, os livros eram muito caros e só dava pra ler dentro do ecossistema Apple, sendo que pela Amazon da pra ler em todos os lugares e por um preço muitas vezes menor. Eu não escuto praticamente mais nada sobre o serviço, mais abandonado que a itunes music store.

  6. Eu gosto muito de ler notícias e curiosidades. Basicamente mais de 60% do meu tempo…

    Em casa leio alguns sites específicos mas, no geral, fico no Google Notícias.

    No trabalho, devido a bloqueio de sites, só tenho acesso ao MSN Notícias, mas basta para ficar atualizado também lá!

    Eu assinaria esse serviço, mas vem para o Brasil também, na data de lançamento? E dependendo do preço também, é claro! rsrs

  7. Engraçado que a Apple não usa o mesmo argumento com o preço dos seus produtos. Faça o que eu digo e não o que faço.

  8. é muito mais facil consumir noticia por links enquanto ta rolando um feed ou procurar no google mesmo, em vez de esperar aparecer algo num app que você usa somente pra isso, e que muitas vezes te redireciona, meu plano tem o tim banca, usei o que? 5x? abrir o app pra baixar um pdf até achar algo que me interesse, isso que é incluso, sorry mas não vou pagar pra esse serviço.

  9. 50% é por o pé no pescoço! Acho incrível tantas empresas estarem aceitando como dito na matéria. Se o valor da mensalidade for algo barato é até cogitável a grande aceitação. Apple não pode entrar no ramo dos serviços achando que sua política de preços é compatível com o mercado. Pra qualquer serviço que ela lançar vai existir concorrentes com preços praticamente tabelados. Vamos ver aí o preço final para o consumidor e decidir se vale a pena.

  10. A propósito, como faz para baixar o app News? Aquele esquema de alterar a região não está funcionando para mim…

  11. Eles não querem admitir, mas o problema com a imprensa (jornais e revistas) não é a plataforma (se é papel, ou App) mas sim o conteúdo.

    A Apple já tentou com sua banca virtual ressuscitar a imprensa, e não funcionou pelo mesmo motivo. Enquanto o conteúdo continuar igual, ninguém irá pagar por ele!

Deixe uma resposta