Apple agora aceita reparar iPhones com baterias de terceiros [atualizado]

A cadeia de reparos da Apple é limitada às lojas oficiais da empresa e aos Centros de Serviço Autorizados Apple. Isso, é claro, falando de reparos chancelados pela empresa, já que você pode muito bem optar por realizar tais reparos em assistências técnicas comuns ou até mesmo por conta própria. Pense em bateria, um componente bastante comum e que precisa necessariamente ser trocado se você fica mais de três anos com o smartphone.

O problema é que, se você fizesse isso (trocar a bateria) em uma assistência comum ou por conta própria, a Apple então passava a negar qualquer tipo de reparo no seu aparelho. Exemplo: você tem um iPhone 6s e resolveu trocar a bateria por conta própria; recentemente, porém, deixou o aparelho cair e quebrou a tela. Ao levar o iPhone em uma Apple Store, a empresa se dava ao direito de negar o reparo. Felizmente, isso mudou.

Segundo informou o iGeneration [Google Tradutor], se o reparo não for relacionado à bateria (como no caso descrito acima), tanto a Apple quanto os Centros de Serviço Autorizados Apple passaram a aceitar os serviços normalmente, de acordo com um novo documento interno da Apple. Isso inclui reparos na tela, na placa lógica, nos microfones, nas câmeras, etc.

Se o reparo for relacionado à bateria trocada, a Apple e os CSAA podem substituí-la em questão por uma oficial (obviamente, cobrando por isso). Provavelmente por uma questão de segurança, os Genius foram instruídos a drenar as baterias de terceiros para menos de 60% ao realizar tal reparo.

Se houver algum dano na bateria ou adesivos em excesso, a Apple e os CSAA poderão substituir o iPhone inteiro cobrando apenas o custo da substituição da bateria — isso, é claro, será uma decisão do funcionário em questão.

As diretrizes atualizadas já estão valendo — ao menos nos Estados Unidos — e deverão se espalhar globalmente em breve. Quer dizer, nem em todos os países. Na França, esse nova diretriz foi contestada por funcionários de varejo da Maçã pois eles não foram devidamente consultados sobre o assunto — e acreditam que essa nova política levanta questões de segurança importantes já que essas baterias de terceiros podem ter uma qualidade questionável e até explodir no momento do reparo.

Vale notar que a Apple ainda se dá ao direito de recusar serviços em iPhones com placas lógicas, estrutura, microfones, conectores Lightning, plugues de fone de ouvido, botões de volume, de repouso, sensores ou qualquer outro componentes (que não seja bateria ou tela) de terceiros.

via MacRumors

Atualização 06/03/2019 às 16:34

O 9to5Mac também teve acesso ao documento com as novas diretrizes e compartilhou mais algumas informações interessantes a respeito disso.

O fato de o usuário trocar a bateria da Apple por uma não original não necessariamente viola os termos de garantia do aparelho. Contudo, se a tal bateria for responsável por algum problema no dispositivo, o cliente terá que pagar o custo do reparo/substituição.

Aliás, vale esclarecer o que são baterias de terceiros: estamos falando de componentes criados por empresas que não fornecem para a Apple (mas que ainda assim produzem peças de qualidade) ou de baterias falsificadas mesmo.

No mais, mesmo aceitando iPhones assim para efetuar reparos, a Apple se dá o direito de cobrar pelo aparelho caso o reparo em questão não for realizado com sucesso.

Posts relacionados

Comentários