Apple teria pago até US$6 bilhões à Qualcomm para firmar acordo, diz analista

Os detalhes do já histórico acordo entre a Apple e a Qualcomm são, até o momento, desconhecidos: não sabemos sequer qual das duas empresas saiu “por cima” no acordo. Tudo indica, entretanto, que foi a gigante de microchips que ficou com a vantagem — basta ver essa estimativa do analista Timothy Arcuri, da UBS.

De acordo com uma nota de Arcuri obtida pela CNBC, a Apple teria pago entre US$5 e US$6 bilhões à Qualcomm para encerrar todas as disputas entre as duas empresas — um sinal claro de que a Maçã sentiu que sua narrativa no imbróglio estava erodindo e que a balança provavelmente penderia para o lado da rival nas decisões judiciais.

As estimativas do analista são baseadas na atualização das previsões da Qualcomm para os seus próximos resultados financeiros: a empresa anunciou que espera, agora, um aumento de US$2 por ação no fechamento do trimestre.

Na previsão de Arcuri, o acordo também trouxe um benefício extra para a gigante dos microchips: daqui pra frente, a Apple pagará entre US$8 e US$9 à Qualcomm por cada iPhone vendido — um aumento significativo em relação aos US$7,50 estabelecidos anteriormente e um bom aumento em relação aos US$5 por aparelho que eram previstos para esse acordo.

Apple volta ao jogo

Os parágrafos acima podem dar a entender que a Apple saiu perdendo com força na conciliação — e, de um ponto de vista puramente financeiro, a Maçã realmente deve ter sofrido um abalo considerável no cofrinho. Um relato publicado recentemente pela Bloomberg, entretanto, traz uma outra perspectiva à história toda.

Segundo a reportagem, a Apple estaria ao menos cinco anos atrás da Qualcomm no desenvolvimento de modems 5G — isto é, considerando a saída da Intel do mercado e a improbabilidade da Maçã de firmar acordos com outras fornecedoras, a gigante de Cupertino poderia passar meia década quebrando a cabeça tentando construir um chip próprio, enquanto toda a concorrência já estaria colocando smartphones 5G no mercado.

A questão é que o modem, como informa a matéria, é uma das peças mais complexas de se desenvolver dentro de um smartphone: é necessário levar em conta uma infinitude de frequências e padrões de comunicação de centenas de países, trazer suporte a padrões de comunicação anteriores (como o 3G e o 4G) e, por cima de tudo, construir soluções que não exijam demasiadamente da bateria dos aparelhos ou dos seus processadores. Não é bolinho.

A Qualcomm leva uma vantagem extrema nisso porque já tem a expertise necessária e as instalações requeridas para os testes relacionados; a empresa também está adiantada porque já está trabalhando no desenvolvimento da tecnologia 5G há anos — ao contrário da Apple, que ainda está engatinhando nesse mundo.

Com o acordo entre as rivais, portanto, a Apple volta ao jogo e fica numa posição mais confortável: Tim Cook e sua turma podem ter gastado uma nota para apaziguar os ânimos da Qualcomm, mas a quantia poderá ser facilmente recuperada pondo iPhones 5G no mercado antes do esperado e atraindo consumidores que, de outra forma, poderiam migrar para o lado do Android. Era uma jogada necessária, no fim das contas.

via MacRumors, 9to5Mac

Posts relacionados

Comentários

7 comments

  1. No fim foi bom pra todos: Apple vai aproveitar a onda do 5G com o que há de melhor e a Qualcomm continuará lucrando horrores com isso(Apple tbm, claro).
    Já a Intel se ferrou, pois eles anunciaram que estão desistindo do 5G(coincidência?). Ruim pq não terá concorrência pra Qualcomm, aí podem cobrar o que quiserem.

  2. “Não é bolinho.”
    Fiquei curioso, alguém sabe algum vídeo/doc que explica o processo de criação fabricação de modem?
    Pensava que processador, CPU e GPU eram mais complicados.
    Contudo se a Intel que fabrica CPUs e chips wireless não conseguiu/desistiu…

  3. O prejuízo nem é os 6 bilhões, prq isso pra Apple é troco. Agora esses 8-9 por iPhone, pra uma empresa que vende mais de 80 milhões de unidades ano, é o verdadeiro prejuízo.

    Não duvido nada que isso se reflita nos preços, já que até agora é um consenso que todos os aparelhos 5G estão vindo muito mais caros que os 4G.

  4. Quando alguém truca num jogo, quem ganha? Apple estava interessada nas patentes da Qualcomm. Por isso inventou de romper com a Qualcomm e iniciar essas disputas judiciais. Fez uma parceria com a Intel, mas no fundo a Intel não estava produzindo modem algum. Foi só para ver se a Qualcomm oferecia algum acordo de licenciamento melhor. Pense! Alguém acha que a Intel sabendo que a Apple daqui 2 anos lançaria o seus próprios modems, iria topar uma grande produção só para uma empresa e depois ter que parar? Ao meu ver, a Qualcomm não teve escolha se não oferecer um acordo para um licenciamento bem barato para Apple. Caso alguém não saiba, a Apple tinha movido um processo para o fim do licenciamento das tecnologias da Qualcomm na Federal Trade Commerce. Se a Apple fosse em frente com essa queixa, a Qualcomm seria enquadra na lei antitruste.

Deixe uma resposta