Estudante de Nova York é acusado de roubar lojas da Apple e processa a empresa [atualizado]

Mais um processo contra a Apple, desta vez, um bem diferente do que estamos acostumados a acompanhar: um estudante de Nova York processou a empresa em US$1 bilhão, alegando que o software de reconhecimento facial da Maçã (usado em suas lojas) o vinculou falsamente a uma série de roubos.

Segundo informou a Bloomberg, Ousmane Bah (de 18 anos) disse que foi preso em novembro passado quando estava em sua casa, acusado de roubar Apple Stores. O mandado de prisão incluía uma foto que, de acordo com o processo aberto nesta semana, não era dele. E, aparentemente, ele tem até mesmo álibi para um dos roubos do qual foi acusado: quando uma loja da Apple em Boston foi invadida (num dia de junho), Bah estava em um baile em Manhattan.

O estudante afirmou que perdeu uma carteira de motorista de aprendiz (que não tem foto); esse documento, segundo ele, pode ter sido encontrado ou roubado pelo verdadeiro ladrão e usado como identificação numa das lojas da Apple. Conclusão: Bah acha que seu nome foi conectado ao rosto do ladrão no sistema de reconhecimento facial que a empresa usa em suas lojas para rastrear pessoas suspeitas de forma errada.

A Apple e a Security Industry Specialists (empresa de segurança que também faz parte do processo) se recusaram a comentar o caso — aberto no Distrito Sul de Nova York, em Manhattan.

via MacRumors

Atualização 23/04/2019 às 18:38

A Apple, como falamos, negou a comentar o caso. Mas um porta-voz da Maçã afirmou que a empresa não utiliza tecnologia de reconhecimento facial em suas lojas.

via Fast Company

Posts relacionados

Comentários

13 comments

  1. O cara pede 1bi achando que ficará rico de uma hora para outra. Se ganhar 100 mil dólares já é de bom tamanho.

  2. Um pedido de desculpas público e uma compensação financeira já resolve. Mas esse é mais um SER sem noção! US$ 1bi? Então quando ele infringir uma regra de transito e bater em alguém que sofra arranhões ele vai querer pagar também US$ 1bi ou isso é menos grave do que ser preso por engano nos USA e vai pedir para baixar para US$ 500mi?

  3. Teve veículo de notícias misturando reconhecimento facial da loja com Face ID, uma confusão.

    Só queria dar meus parabéns pro MM que como sempre faz jornalismo cm informação e não desinformação.

  4. Boa, gostei!! Sistema jurídico americano é um tiro no pé para muita gente. Depois reclamam do nosso, aqui nada anda ou funciona e lá temos a “indústria do processo”…..

  5. Na verdade, o artigo da Bloomberg diz que a Apple declarou que NÃO USA reconhecimento facial em suas lojas, e quem se recusou a comentar algo foi a empresa Security Industry Specialists:

    “Apple said on Tuesday it doesn’t use facial recognition in its stores. Security Industry Specialists Inc., a security firm that’s also named as a defendant, declined to comment on the suit.”

  6. O português do redator deixou a desejar. Letra maiúscula num verbo no meio da frase? Não se usa mais um simples corretor que é dado de graça?

  7. Vim até essa matéria por um link que recebi no whatsapp.

    Que decepção! Matéria copiada, cheia de erros de tradução.
    Josmar Arruda foi exato seu comment, parabéns.
    Não me arrependo de ter cancelado minha assinatura do UOL.
    Se pensam que será fácil tirar grana da Apple ou da SIS estão equivocados.
    Duro mesmo é alguém comentar alguma matéria do UOL criticando os erros (contumazes) e
    não ser censurado pelo moderador.

  8. Será que foi a Apple que emitiu o mandado de prisão também? Não é preciso ser um Sherlock da vida para saber que quem associou a foto do suspeito a esse estudante foi a polícia e não a Apple com algum reconhecimento facial. Desde quando um investigador da polícia em obter imagens de um circuito fechado e usá-lo como foto do suspeito para os policiais em campo prender é responsabilidade de quem cedeu? Além do mais o estudante só foi preso não por ser parecido com o ladrão na foto e sim pela informação contidas no documento dele usado pelo ladrão. A única coisa que eu não entendi como é que o documento roubado está associado a série de roubos nas lojas da Apple. O ladrão roubava se identificando primeiro com o documento? Ou porque deixou cair na loja em quanto fugia?

Deixe uma resposta