WWDC19: macOS Catalina matará o iTunes e terá suporte ao iPad como monitor externo

Depois do banho de performance e dinheiro do novo Mac Pro e do Pro Display XDR, é necessário um sistema que o acompanhe — e não só a ele, mas também ao mais modesto Mac. Para isso, temos o novo macOS Catalina.

Para começar, os rumores estavam certos: o iTunes está morto. O antiquíssimo software multimídia foi desmembrado em três apps: Música, Podcasts e Apple TV. O Apple Music é uma versão do app adaptada para macOS, com uma velha e boa barra lateral e todos os recursos de navegação da plataforma que você já conhece no iOS.

Quanto à sincronização dos seus dispositivos? Bom, ela não está mais lá — e, de fato, agora ela é absolutamente silenciosa. Se você conectar seu iPhone ao Mac, basta ir ao Finder e encontrar o dispositivo lá, para gerenciar suas preferências e conteúdos.

O Podcasts também tem uma barra lateral e navegação semelhante à da versão para iOS, com uma novidade interessante: a Apple está usando aprendizado de máquina para indexar conteúdos falados de podcasts que você pode se interessar — desta forma, a busca fica muito mais inteligente.

O aplicativo Apple TV, por sua vez, é parecido com o que temos no tvOS, com suporte a reprodução a 4K HDR1 no Mac, incluindo Dolby Vision e Dolby Atmos.

Recurso Sidecar do macOS Catalina com tela de MacBook Pro estendida em iPad Pro

Um novo recurso chegará no macOS Catalina: o Sidecar, uma forma de usar o iPad como um monitor secundário (algo também comentado em rumores). O recurso poderá ser usado com ou sem fio e inclui até mesmo o Apple Pencil — sim, você pode usar seu iPad Pro como uma mesa digitalizadora para o Mac.

O novo sistema ganha ainda um recurso poderoso de acessibilidade: controle total por voz. Uma rápida demonstração da Apple mostra as possibilidades da ferramenta, a qual permite que pessoas com problemas de mobilidade controlem o Mac totalmente com a voz — a navegação é baseada em comandos rápidos, predição de próximas ações e numeração de opções na tela. O recurso chegará também ao iOS, é bom notar, e todo o processamento de voz é feito localmente, sem envio aos servidores da Apple.

O Buscar Meus Amigos (Find My Friends) e o Buscar Meu iPhone (Find My iPhone) foi reunido em um só app, chamado Buscar (Find My) e disponível no iOS e no macOS. Com ele, é possível encontrar dispositivos offline por meio de sinais Bluetooth — um exemplo é um Mac perdido na casa, que manda sinais Bluetooth para outros dispositivos próximos de forma a encontrá-lo mesmo se estiver com a tela fechada. Tudo isso é criptografado e anônimo.

Já o Safari ganha uma tela inicial atualizada, integrada a Sugestões da Siri para melhorar a recomendação de sites visitados frequentemente, favoritos, abas do iCloud, itens da Lista de Leitura e links recebidos pelo Mensagens.

Nova tela inicial do Safari no macOS Catalina

Com o macOS Catalina, também teremos um bloqueio de ativação no Mac — com isso, se o computador for roubado, ele poderá ser completamente inutilizado. Basta que seja um Mac recente, equipado com o chip de segurança T2.

Tempo de Uso no macOS Catalina

O recurso Tempo de Uso do iOS também está chegando ao Mac, com todas as funcionalidades que já conhecíamos desde o iOS 12.

Falando sobre apps: o Fotos, o Notas e o Lembretes ganharam as novidades apresentadas no iOS 13, e temos uma nova iniciativa chamada Project Catalyst — que nada mais é que uma forma de criar apps para o Mac baseado em aplicativos do iOS ou do iPadOS (sim, aquilo que conhecíamos como “Projeto Marzipan”).

Com a novidade, desenvolvedores poderão criar apps para todas as plataformas ao mesmo tempo, com mínimas diferenças e ferramentas para cobrir as diferenças entre cada plataforma — como a presença do mouse, por exemplo. Basta marcar a caixinha “Mac” no Xcode.

Twitter rodando no macOS Catalina graças ao Projeto Catalyst

Ferramentas para desenvolvimento

As ferramentas para desenvolvedores receberam novidades. Em termos de realidade aumentada, temos uma nova API2 em Swift chamada RealityKit, que garante renderização fotorrealista com efeitos de câmera e ambientação, bem como animações, Física realista e áudio.

Para acompanhar a novidade, temos o novo ARKit 3, uma boa atualização que traz várias novidades — entre elas, por exemplo, a capacidade de ocultar pessoas de uma captura em tempo real (para que os objetos fiquem atrás delas). A API também pode realizar captura de movimentos, para que um modelo virtual reproduza a movimentação de uma pessoa no mesmo quadro; a Mojang fez até uma demonstração ao vivo deveras impressionante das novas tecnologias com seu futuro jogo Minecraft Earth.

SwiftUI no Xcode 11

A linguagem Swift também recebeu melhorias profundas: temos agora, pela primeira vez, uma framework criada especificamente para a linguagem de programação, chamada SwiftUI. Ela reduz significativamente a quantidade de código requerida para criar um determinado elemento num app e simplifica muito o trabalho dos desenvolvedores — uma demonstração no Xcode impressionou a plateia com um fluxo de trabalho extremamente intuitivo, com prévia ao vivo das criações, suporte a drag & drop, previsão de ações e suporte nativo a recursos populares, como o Modo Escuro do iOS 13. Você pode usar a SwiftUI para criar apps para todas as plataformas da Apple, do macOS ao watchOS.

macOS Catalina num MacBook Pro de frente

A primeira versão beta do macOS Catalina 10.15 já está disponível para desenvolvedores hoje, e a primeira versão pública de testes será disponibilizada em julho próximo. O sistema será disponibilizado no outono do hemisfério norte, ou seja, entre setembro e dezembro.

Posts relacionados

Comentários