App do Facebook banido pela Apple coletou dados de mais de 187 mil usuários

Vira e mexe, o Facebook está envolvido em polêmicas sobre o uso de dados dos seus usuários; mas, como muitos de vocês devem se lembrar, no começo deste ano um desses problemas englobou também a Apple.

Para relembrá-los: em janeiro passado, a Apple baniu o app Facebook Research (sucessor do Onavo) após constatar que a rede social de Mark Zuckerberg burlava as regras de distribuição de aplicativos estabelecida pela Maçã.

Após constatar que o Facebook pagava para que os usuários (na maioria jovens) usassem o serviço, o TechCrunch delatou a gigante de Menlo Park, já que a finalidade da plataforma era coletar dados pessoais.

Como é possível imaginar, isso rendeu para o Facebook uma enrascada daquelas, e a pedido do senador dos Estados Unidos Richard Blumenthal, a rede social teve que fornecer os números da operação de coleta de dados (também conhecida como “Projeto Atlas”) que a empresa tinha armado. Esses dados também foram obtidos pelo TechCrunch.

De acordo com as informações enviadas à justiça americana, a plataforma do Facebook Research coletou dados de 187 mil usuários mundialmente — cerca de 31 mil nos EUA e outros 156 mil na Índia. Entre os participantes que tiveram seus dados comprados, estão cerca de 34 mil adolescentes.

Um porta-voz do Facebook afirmou que nem todos os dados coletados serviam para um propósito, e que muitas vezes a empresa recebia informações que não eram “solicitadas”.

Não revisamos todos os dados para determinar se continham dados de saúde ou financeiros. Nós eliminamos todos as informações de mercado dos usuário que foram coletados pelo aplicativo Facebook Research, que incluiria quaisquer dados financeiros ou de saúde que possam ter existido.

A Apple comentou a questão em uma carta enviada aos legisladores americanos em março passado; na ocasião, a Maçã admitiu que não sabia quantos dispositivos estavam executando o aplicativo de pesquisa, o qual foi distribuído usando certificados corporativos (perfis) que usavam a tecnologia VPN1.

Sabemos que o perfil que abastecia o aplicativo Facebook Research foi criado em 19 de abril de 2017, mas isso não está necessariamente relacionado à data em que o Facebook distribuiu-o para os usuários finais.

Um dia depois da denúncia contra o Facebook vir à tona, descobriu-se que o Google também burlava as regras da Maçã para instalar um perfil de coleta de dados em aparelhos de usuários.

Após esses escândalos, a Apple disse que, atualmente, tanto Facebook quanto Google “estão em conformidade” com as suas regras. Veremos até quando…

Posts relacionados

Comentários