Apple já é a quarta maior empresa de jogos do mundo — acima até da Nintendo

Quando a App Store surgiu, há quase 11 anos, ninguém previa a magnitude que a loja teria menos de uma década depois ou o modo que a sua criação influenciaria decisivamente o curso do mundo tecnológico — e do mundo como um todo, aliás. Até no universo dos videogames, o advento da loja foi um arrasa-quarteirões, como mostra um levantamento recente da Newzoo.

Segundo a firma, a Apple é, hoje, nada menos do que a quarta maior empresa do mundo dos games em termos de receita. Somente em 2018, a Maçã gerou US$9,453 bilhões com o comércio de jogos na App Store, 18% a mais que em 2017 — o que faz a empresa menos poderosa somente do que a Tencent, a Sony e a Microsoft, respectivamente, no concorridíssimo universo dos videogames.

Sim: a Apple supera até mesmo gigantes sagradas do segmento, como a Nintendo e a Electronic Arts, em receita. Seguindo a Maçã, em ordem, temos Activision, Google, Netease, EA, Nintendo e Bandai Namco compondo o Top 10. Outros nomes famosos, como Ubisoft e Konami, ficaram entre as 35 principais empresas do ramo, mas fora das dez primeiras colocações.

Newzoo sobre mercado de videogames, 2018

O domínio da Tencent e a presença de tantas empresas focadas em dispositivos móveis mostra que a galinha dos ovos de ouro dos videogames está, de fato, nos smartphones e tablets. Segundo a Newzoo, o segmento gerou 45% da receita dos jogos ao longo de 2019, com faturamento global de US$68,5 bilhões. O levantamento indica que a jogatina mobile deverá continuar crescendo pelos próximos anos, enquanto o mercado de jogos para consoles continuará estável e os jogos para PC provavelmente continuarão retraindo em receita.

É… os tempos mudaram, não?

via AppleInsider

Posts relacionados

Comentários

10 comments

  1. vc não entendeu porque faz parte da geração elo perdido, segundo o projeto Stadia do Google, os consoles serão coisa do passado, os joysticks terão vida mais longa que os consoles.

  2. As pessoas não entenderam o recado: O iPhone e o iPad são os consoles portáteis que todo mundo tem no bolso. Comparar jogos portáteis com jogos de mesa é como comparar bananas com japoneses. A questão é que jogos portáteis também geram receita, e essa receita está se mostrando coisa de gente grande. Não é à toa que grandes títulos AAA estão recheados de microtransações, conceito que nasceu nos jogos portáteis.

  3. Não tem como comparar um celular, que tu leva pra cima e pra baixo com um Console ou um Desktop. São mercados e nichos diferentes. O poder de processamento é diferente, o público é diferente. Não tem como imaginar alguém viciado em Halo comprando um iPhone pra trocar halo por fruit ninja.

    Além disso, Microsoft e Sony podem tirar muito nicho com as plataformas de streaming que estão pra vir, also Google.

  4. Antes eu pensava que era questão de tempo para que jogos AAA fossem feitos para mobile nativamente, como na época do 4s que Infinty Blade 2 foi revelado pra mostrar a capacidade do celular. Agora os jogos mobile viraram jogos free to play que escondem mecânicas básicas de jogo atrás de paywall e os jogos AAA tão lotados de micro transações

  5. Aonde está a matéria sobre o lançamento do dia? Affinity Publisher. Esta um show. Foi muito legal ver a apresentação da empresa David.

  6. Quando é que a Apple vai lançar um console de gente grande para concorrer com o XBox e PS? Nunca. O negócio dela é ganhar dinheiro com brinquedinhos caros e todo mundo ter que deixar um dinheirinho na lojinha, quem produz e quem compra. Depois de experimentar um console de gente grande numa TV 4K me recuso utilizar telefonezinhos para jogar, coisa de criança.

Deixe uma resposta