Rumor: iPhones terão novo coprocessador “R1”, para localizar os “Apple Tags”

Chip A12 Bionic, da Apple

O MacRumors conseguiu colocar as mãos em uma compilação interna (usada apenas dentro da Apple) do iOS 13. E, é claro, essa versão do sistema conta com novidades as quais não estão presentes nas versões liberadas para desenvolvedores e para os participantes do Apple Beta Software Program.

O site já descobriu algumas coisas, como informações sobre o tal rastreador Bluetooth que a Apple poderá lançar, o possível novo recurso de monitoramento de sono do Apple Watch, etc. Agora, eles estão de volta com mais descobertas.

Segundo o MR, os iPhones que serão apresentados nesta semana terão um novo coprocessador. De codinome “Rose” ou “R1” (há referências aos dois nomes, mas caso a Apple pretenda fazer algum marketing em cima disso, o nome final poderá ser outro), o componente é semelhante ao coprocessador de movimento da série M, pois ajuda a informar o iOS sobre onde o iPhone está localizado. O que o diferencia, segundo o site, é que ele integra muito mais sensores que o coprocessador de movimento para produzir uma imagem bem mais precisa de onde o dispositivo está.

Atualmente, o coprocessador de movimento integra dados da bússola, do giroscópio, do acelerômetro, do barômetro e dos microfones; o coprocessador “Rose/R1”, por sua vez, adiciona suporte a dados de um sensor IMU (inertial measurement unit, ou unidade de medição inercial), do Bluetooth 5.1, de UWB (ultrawideband, ou ultra-banda) e das câmeras (incluindo captura de movimento e rastreamento óptico).

Com isso, o coprocessador conseguirá não apenas saber onde o dispositivo está, mas também mesclar todos esses dados para encontrar os tais rastreadores (chamados, por enquanto, de “Apple Tags”) perdidos.

O MR argumenta que, dada a sobreposição de informações na coleta de dados e no processamento desses dados dos sensor, é bem capaz que o novo coprocessador substituia o “antigo” coprocessador da série M.

Vale notar que os recursos ângulo de chegada (AoA) e ângulo de partida (AoD), do Bluetooth 5.1, permitem a localização por direcionamento. Se combinarmos isso aos outros dados do coprocessador “R1”, é fácil prever que os novos iPhones poderão encontrar os rastreadores da Apple de uma forma muito precisa.

Resta saber se esses novos rastreadores serão compatíveis apenas com os novos iPhones ou se eles também funcionarão com aparelhos mais antigos — ainda que de forma menos precisa, já que nem mesmo Bluetooth 5.1 os iPhones XS, XS Max e XR têm.

Posts relacionados

Comentários