Apple investirá na restauração de pastagens e florestas na África Iniciativa visa ajudar a fauna e a população local do Quênia

Elefante

Na iniciativa ambiental mais recente da Apple, a companhia se juntará, mais uma vez, à Conservation International para ajudar a restaurar e preservar pastagens e florestas no Quênia (África), como divulgado pela Fast Company.

Você deve estar se perguntando: “Por que a Apple está doando para a restauração de pastagens?” Além da resposta mais óbvia, relacionada à pegada da companhia em iniciativas ambientais, existe, sim, um motivo específico: as pastagens têm o potencial de capturar grandes quantidades de dióxido de carbono (não como as florestas, naturalmente). Com o tempo, entretanto, elas foram degredadas pela ação humana, causando problemas também para a fauna da região, principalmente pros elefantes.

Mais precisamente, um hectare de pastagem pode reter quatro toneladas de dióxido de carbono; logo, esse tipo de restauração pode render enormes benefícios climáticos, como inferido por Nikola Alexandre, integrante da Conservation International:

Se você olhar por toda a África, existem mais de 900 milhões de hectares de terras degradadas — essa é uma área maior que o Brasil inteiro! Restaurar tais áreas usando novos métodos que identificamos — os quais visam, especificamente, reduzir custos e ter benefícios diretos para a vida selvagem e as pessoas — poderia, em um cenário ideal, resultar na captação anual de 3,6 bilhões de toneladas de dióxido de carbono. Isso é aproximadamente equivalente às emissões anuais da União Europeia.

Para a Apple, a iniciativa é o projeto mais recente da companhia em uma série de investimentos destinados a ajudar organizações de conservação “a usar a própria natureza para combater as mudanças climáticas”, como defendido pela VP de iniciativas ambientais, políticas e sociais da Apple, Lisa Jackson:

Enfrentar o desafio climático global exige que todos ajam com uma urgência feroz. Na Apple, estamos trazendo o mesmo foco que temos para criar produtos inovadores para criar soluções ambientais.

O CEO da Maçã, Tim Cook, também enalteceu o projeto de restauração e relembrou do sério fato acerca das mudanças climáticas:

As mudanças climáticas afetam todos nós — todos os seres vivos da Terra. Estamos trabalhando com a @ConservationOrg para restaurar pastagens e florestas no Quênia. Esses habitats reduzem o carbono, protegendo os meios de subsistência do povo Maasai e da população local de elefantes. 🌍

Como dissemos, essa não é a primeira empreitada da Apple em um projeto de preservação em parceria com a Conservation International; em abril passado, ambas as instituições conseguiram proteger uma área de mais de 11.000 hectares de manguezais na Colômbia.

via 9to5Mac

Posts relacionados

Comentários