É possível dizer que um dos assuntos mais polêmicos em se tratando de smartphones é o preço. Atrelado ao desenvolvimento tecnológico está, no entanto, um fator-chave na implicação dos valores cobrados atualmente por esses dispositivos móveis: o mercado.

Como sabemos, o iPhone (assim como os smartphones de outras fabricantes) teve o seu valor reajustado ao longo dos anos, e algumas dessas alterações aconteceram em ordem de reanimar as vendas em determinados mercados — a exemplo da China, onde a Maçã reduziu os preços de iPhones pela terceira vez só neste ano.

Não obstante, o fato é que os preços dos iPhones aumentaram ao longo dos anos; com relação aos modelos flagships da Maçã, especificamente, esse valor praticamente dobrou, saindo de US$500 pelo iPhone original, em 2007, para US$1.000 com o iPhone 11 Pro, como visto no gráfico a seguir publicado pelo The Economist.

Gráfico: preço de iPhones

Naturalmente, isso elimina o iPhone SE (o qual teve o menor preço entre todos os lançamentos) e as versões mais acessíveis dos dispositivos mais recentes — como o iPhone 11, que está disponível atualmente por menos de US$1.000.

No entanto, para o analista Horace Dediu, do blog Asymco, o aumento do preço do iPhone desde o seu lançamento original não foi significativo ao analisar o preço médio de venda (average selling price, ou ASP) do gadget. Para Dediu, esse valor esteve majoritariamente na faixa de US$600 a US$700, portanto, o que um “usuário comum está pagando por um iPhone” não aumentou muito, de fato.

Preços do iPhone de junho de 2007 a agosto de 2020.

Dediu reconhece que os dados relacionados ao ASP são referentes aos iPhones lançados no ano passado, mas como os preços dos dispositivos deste ano são muito semelhantes aos de 2018, é improvável que haja alguma mudança significativa.

Uma coisa que aumentou mesmo foi o número de modelos de iPhones à venda. Excluindo-se as diferentes cores, atualmente existem 17 versões disponíveis — 15 a mais que em 2007, quando o iPhone tinha apenas uma única versão com duas capacidades.

No Brasil, é claro que a história é bem diferente, a começar pelo fato de que o iPhone original não foi lançado em terras tupiniquins. Já o iPhone 3G foi lançado por R$1.200 (8GB) por aqui, enquanto o iPhone XS Max estava disponível a partir de R$8.000 (64GB). Preços não ajustados para a inflação, claro.

Ainda veremos como os preços dos iPhones 11, 11 Pro e 11 Pro Max serão praticados no Brasil; de qualquer forma, é indubitável que o aumento dos preços do lado de cá foi ainda mais sentido pelos usuários.

via 9to5Mac, Olhar Digital

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários