Microsoft lança novos Surfaces, incluindo um smartphone dobrável com… Android! O sistema operacional não é o que mais importa

Ah, o famoso fim do terceiro trimestre: a época em que todas as gigantes tecnológicas apresentam suas armas para o fim do ano e para o próximo ciclo de vida dos dispositivos de várias categorias. A Apple já mostrou suas cartas (ou parte delas), a Amazon também e o Google deverá fazê-lo em breve. Hoje, foi a vez da Microsoft.

A gigante de Redmond subiu ao palco de um evento especial em Nova York e apresentou bastante coisa: temos atualizações para os principais modelos da linha Surface e novos membros para a família, como um concorrente para os AirPods e… um smartphone. Com Android! Sim, é isso mesmo — continuem lendo para saberem o que nos aguarda.

Surface Laptop 3

A primeira novidade do dia foi a terceira geração do Surface Laptop, o notebook “tradicional” da linha. E a Microsoft não poupou cutucadas à Apple e ao MacBook Air, principal concorrente do dispositivo — a começar pela performance: segundo a fabricante, o novo Surface é até 3x mais rápido que um computador da Maçã equivalente. Temos aqui chips de 10ª geração da Intel e, opcionalmente, um processador AMD Ryzen Surface Edition (o processador móvel mais poderoso já criado pela AMD, segundo a Microsoft).

Externamente, o novo Surface Laptop é bem parecido com as gerações anteriores, mas temos agora uma opção de 15 polegadas que se junta ao modelo de 13″. O notebook maior pode, também, ser adquirido numa versão totalmente de metal, que dispensa a superfície de Alcantara em volta do teclado/trackpad por um acabamento mais tradicional.

Outra cutucada séria no MacBook Air veio nos aspectos do teclado e da reparabilidade. A Microsoft passou bons minutos falando sobre a durabilidade das teclas, e arrancou aplausos da plateia quando simplesmente retirou a superfície do teclado do computador desatarraxando quatro parafusos — o que permite que as teclas sejam substituídas e dá acesso a vários componentes internos (o SSD1, por exemplo, é facilmente substituível).

A gigante de Redmond fez ainda outra mudança muito pedida pelos usuários: sai a conexão Mini DisplayPort da geração anterior e entra uma porta USB-C (em adição à porta USB-A que sempre existiu). A bateria continua sendo recarregada pelo conector proprietário e pode chegar a 80% de carga em menos de 1 hora.

O Surface Laptop 3 será lançado no dia 22 próximo por valores que partem de US$1.000 (13 polegadas) ou US$1.200 (15 polegadas). Boa receita, hein?

Surface Pro 7

Enquanto isso, o produto original da família Surface ganhou novidades pontuais. O Surface Pro 7 ainda é um tablet de 12,3 polegadas com seu célebre apoio traseiro com ajuste infinito. Ainda temos a capa com teclado que se prende magneticamente, e a Surface Pen para desenhos e escrita (e edições precisas no Word, que são novidade).

Mas temos melhorias, também — como uma inédita porta USB-C, há tanto tempo pedida pelos usuários. Internamente, a Microsoft agora inclui processadores Intel de 10ª geração, com várias opções (tanto i3, de dois núcleos, como i5/i7, de quatro núcleos).

O Surface Pro 7 será lançado no dia 22 próximo, por valores que partem de US$750 (para a versão com chip Core i3, 128GB de armazenamento e 4GB de RAM2).

Surface Pro X

A Microsoft também está pensando no futuro do Surface Pro, e começa a dar pistas desse futuro com o Surface Pro X — uma nova linha, com novos paradigmas e outro leque de benefícios. Temos aqui uma tela de 13 polegadas e pouquíssimas bordas (tanto que ele tem o mesmo tamanho do Surface Pro 7), com densidade de 267 pixels por polegada. Ele também é extremamente fino, com apenas 5,3mm de espessura, e pesa somente 774g — mas o apoio com ajuste infinito continua presente.

O regime foi possível porque a Microsoft abandonou, aqui, os processadores da Intel em prol de uma solução própria. Trata-se do chipset SQ1, baseado na arquitetura ARM dos chips Snapdragon mas com capacidade de lidar com mais energia (7W, mais precisamente) e entregar melhor performance em processamento e gráficos (9 teraflops).

Há outras cartas na manga: o módulo de armazenamento flash, por exemplo, é substituível (teoricamente não pelo usuário, mas por um centro de assistência autorizado). Todos os modelos contam com carregamento rápido e LTE embutido.

Temos aqui, também, uma nova stylus, chamada Surface Slim Pen, que será vendida separadamente e pode ser carregada na (também nova) Signature Keyboard Cover, que conta com um espaço dedicado para deixar a canetinha. Em termos de software, a Microsoft fez uma parceria com a Adobe para levar os apps da Creative Cloud ao novo dispositivo — incluindo o Fresco, recém-lançado exclusivamente para iPads.

O Surface Pro X já está em pré-venda e será lançado no dia 5 de novembro por preços que partem de US$1.000.

Surface Earbuds

Como não poderia deixar de ser, a Microsoft entrou também no bonde dos fones de ouvido totalmente sem fio. Esses são os Surface Earbuds — com direito a um design ligeiramente questionável, que parece um tampão no seu ouvido.

Escolhas visuais à parte, os fones têm uma proposta diferente dos outros competidores do segmento e parecem ser mais focados em produtividade do que experiência sonora. Temos aqui um conjunto de microfones dedicados a ouvir sua voz para realização de comandos — integrados, especialmente, à suíte Office (sim): você pode navegar por slides do PowerPoint ou gerar legendas instantâneas numa apresentação, por exemplo, com uma ajudinha dos fones.

A superfície externa atua como pequenos touchpads, e você pode controlar aspectos como reprodução ou volume a partir delas. Os Surface Earbuds contam ainda com 8 horas de reprodução (ou 24 horas, considerando as recargas do estojo) e cancelamento ativo de ruídos.

A Microsoft prometeu os fones para o fim do ano, por US$250 — sim, bem acima dos AirPods e outros concorrentes. Veremos se o público comprará a ideia.

Surface Neo

Lembra do mítico Courier? O sonho do dispositivo de duas telas da Microsoft parecia ter morrido há quase uma década, mas agora ele está — de certa forma — chegando sob a forma do Surface Neo. Trata-se de um dispositivo dobrável, com duas telas (não, não é uma tela dobrável) e um sistema operacional próprio. É uma “nova categoria” de produtos, segundo a empresa.

Surface Neo

Temos aqui duas telas de 9 polegadas (que usam os painéis LCD3 mais finos já criados, segundo a empresa), ligadas por mais de 60 cabos microcoaxiais mais finos que fios de cabelo; o mecanismo que liga as duas partes pode ser dobrado em 360º e é forte o suficiente para posicionar uma das telas em pé numa superfície, como um laptop.

Esse é um dos pulos do gato do Surface Neo: ele terá um acessório que, à primeira vista, parece um simples teclado Bluetooth. Ao posicioná-lo em cima de uma das telas (a que esteja deitada), entretanto, o dispositivo reconhece o periférico e faz com que o painel trabalhe em conjunto com ele, mostrando um trackpad digital ou uma segunda janela na parte de cima do teclado, dependendo do seu posicionamento (você também pode tirar o teclado e usá-lo como um acessório comum).

Desdobrado, o Surface Neo tem uma tela “total” de 13 polegadas, com um vão de 8,9mm entre elas. Cada parte do dispositivo tem apenas 5,6mm de espessura, e a coisa toda pesa apenas 655g. Ele também traz suporte à Surface Slim Pen, que se prende magneticamente à traseira do dispositivo. Em termos de software, temos aqui uma espécie de novo sistema operacional, o Windows 10X (uma versão do Windows 10 pensada especificamente para dispositivos de duas telas).

O Surface Neo será equipado com chips Intel “Lakefield”, e ainda terá um tempo de desenvolvimento antes de ser lançado: segundo a Microsoft, o dispositivo estará disponível no próximo período de férias — ou seja, daqui a cerca de um ano.

Surface Duo

Deixamos o mais intrigante para o final. O Surface Duo também é um dispositivo dobrável de duas telas e também será lançado no final do ano que vem, mas ele tem várias particularidades.

Surface Duo

Em primeiro lugar, apesar da Microsoft relutar em chamá-lo de smartphone, ele faz ligações, representando a primeira empreitada da empresa no ramo desde a morte da linha Lumia. Em segundo, não, ele não roda nenhuma versão do Windows — em vez disso, temos aqui uma versão especial do Android, produzida em parceria com o Google.

A decisão é bem consistente com o direcionamento recente da Microsoft, sob o comando de Satya Nadella. Na “nova” Big M, não importa muito o sistema operacional que você esteja usando, contanto que você esteja mergulhado no ecossistema da empresa e usando seus aplicativos e serviços. E isso o Surface Duo tem de sobra, com um Android adaptado para oferecer as experiências da Microsoft na palma da mão (embora você ainda tenha acesso aos serviços do Google, incluindo a Play Store, claro).

Temos aqui duas telas de 5,6 polegadas em um corpo que também pode ser dobrado em 360º; desdobrado, ele conta com uma tela “unificada” de 8,3 polegadas. É possível usar as telas para abrir apps diferentes, ou usar uma delas para exibir um teclado ou controlador de jogos.

O Surface Duo será equipado com um processador Qualcomm Snapdragon 855, mas seu caráter de protótipo ainda tem várias lacunas. A Microsoft ainda não decidiu, por exemplo, se incluirá uma câmera traseira no dispositivo ou manterá somente a câmera de selfie em um dos lados internos; tudo isso será decidido ao longo do próximo ano, antes do seu lançamento.

Que tal?

via GeekWire

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários