Tim Cook para a Stern

Como informamos ontem, o CEO1 da Apple, Tim Cook, saiu de Cupertino para respirar novos ares na Europa, onde está fazendo um tour. Após passar pela Alemanha, o executivo seguiu viagem por outros países, como Itália e França.

Ainda durante sua estadia na Alemanha, Cook conversou com o jornal Stern sobre uma série de assuntos, entre eles o preço do iPhone 11, o Apple TV+ e o fato de a Apple ser vista como uma empresa “monopolista”.

Ainda que muitos usuários não tenham se surpreendido com as novidades do iPhone 11 apresentadas durante em um evento especial no mês passado, uma parcela dessas pessoas definitivamente celebrou a redução no preço do gadget em comparação ao modelo anterior, o iPhone XR. Mais precisamente, o iPhone 11 custa US$700, enquanto o XR era vendido a US$750 no lançamento — ou seja, US$50 a menos.

Quando questionado sobre o preço do aparelho, Cook afirmou que, na realidade, a Apple sempre tenta reduzir o preço final dos seus aparelhos, e que o iPhone 11 foi (alegremente) contemplado.

Sempre tentamos manter nossos preços o mais baixo possível e, felizmente, conseguimos reduzir o preço do iPhone este ano.

Com relação ao Apple TV+ — que será lançado no dia 1º de novembro —, Cook analisou o mercado de streaming não como um jogo de “perde ou ganha”, mas sim que se trata do tipo de serviço fundamental nos dias atuais.

Não acho que a concorrência tenha medo de nós, o setor de streaming funciona de maneira diferente: não se trata de a Netflix vencer e nós perdermos, ou se vencermos eles perderem. Muitas pessoas usam vários serviços, e agora estamos tentando nos tornar um deles.

Sobre o tema do monopólio, o executivo contou para o Stern que “nenhuma pessoa razoável chamaria a Apple de monopolista”. Para Cook, a App Store não tem o intuito de limitar o desenvolvedor, mas “proteger os usuários contra aplicativos maliciosos e conteúdos ilícitos”.

Os clientes compram uma experiência conosco, e essa experiência inclui um lugar confiável para comprar aplicativos, dos quais selecionamos e conferimos todo o conteúdo. Como resultado, muitos aplicativos não chegam ao iPhone, como apps de pornografia. Qualquer um pode pegar seu iPhone e acessar esse tipo de conteúdo pelo navegador, mas nós mesmos não os oferecemos.

Como dissemos, além da Alemanha, o executivo visitou outros países da região, como Itália e França. No país da torre Eiffel, Cook se encontrou com alunos e professores de uma escola de programação que utiliza o programa Todo mundo pode programar (Everyone Can Code) da Maçã.

Visitei alunos e professores da Polytech Montpellier — eles estão fazendo coisas impressionantes com o Everyone Can Code. É sempre emocionante ver como a Swift abre novas oportunidades para estudantes de todo o mundo. Obrigado por compartilhar seus projetos! 🇫🇷

Ainda em Paris, o executivo destacou um momento para visitar a monumental (e reformada) Apple Champs-Élysées e a Apple Marché Saint-Germain:

Que visita à Apple Champs-Élysées — uma loja tão magnífica! Adorei participar de uma sessão de fotografia do #TodayAtApple.
A Apple Marché Saint-Germain está cheia de criatividade! Legal ver como @TyrsaMisu está usando o iPad Pro para transformar seus designs coloridos em instalações em todo o mundo.

É bem provável que o tour de Cook pela Europa ainda não tenha acabado; veremos quais serão os próximos destinos, caso ele visite outros lugares.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários