Os últimos dias do CEO1 da Apple têm sido bastante agitados; após passar pela Alemanha e pela França, Tim Cook seguiu para a Itália, onde se reuniu com profissionais da área da educação e do jornalismo que compõem o Observatório Permanente, uma instituição privada apoiada pela Apple a qual promove o ensino na mídia através de aulas, treinamento de professores, pesquisa e divulgação.

Na sua passagem pelo Observatório, o executivo foi o convidado especial da 20º edição de “O Diário na Aula” (“Il Quotidiano in Classe”), no qual foram debatidos assuntos relacionados à Apple — e outros nem tanto. Sobre as fake news, por exemplo, Cook afirmou que a internet trouxe “muitas coisas positivas, mas as notícias falsas não são uma delas”:

Todos nós, amantes da democracia e da liberdade, devemos pensar que separar o falso do verdadeiro é a base da liberdade. O jornalismo de qualidade é a base de toda democracia e uma imprensa aberta e livre é essencial.

O jornalismo de qualidade é crucial para todas as nossas vidas, comunidades e sociedade em geral. Me sinto reanimado pela paixão e desejo pela verdade demonstrados pelos estudantes de Firenze hoje à noite, e orgulhosos de trabalhar com o Observatório Permanente para ajudar os alunos a entender com mais precisão o mundo ao seu redor.

Cook falou, ainda, sobre um tópico mais próximo da Maçã: privacidade. Ele reiterou sua crença de que os clientes da Apple não são os “produtos da companhia” e que a Apple nunca venderá os dados de seus usuários: “Na Apple, sempre os trataremos como clientes com dignasse e respeito.”

Ademais, Cook destacou os esforços ambientais da empresa, como o fato de ela funcionar 100% com energia renovável:

Nós não fazemos isso porque é exigido por regulamentos, mas porque é um imperativo moral.

Por fim, Cook deu um conselho aos alunos beneficiados pelo programa do Observatório Permanente com relação ao uso da tecnologia:

Os smartphones devem aproximá-los daqueles que estão longe — e não deixar aqueles que estão perto de você. Se você passa mais tempo olhando para seus smartphones do que para os olhos das pessoas, está enganado.

Criptomoedas

Em uma entrevista separada para o jornal Les Echos, Cook também abordou um assunto que geralmente não é pauta de suas entrevistas: criptomoedas. Ele afirmou ser contra a ideia de empresas criarem suas moedas, como o que o Facebook está fazendo com a Libra.

Não. Eu realmente acho que moedas devem ficar nas mãos dos governos. Não me sinto à vontade com a ideia de um grupo privado criando uma criptomoeda. Uma empresa privada não deveria estar tentando obter poder dessa maneira.

Passagem pela França

Ainda durante a última visita do executivo à França, ele visitou a desenvolvedora do app musical Newzik. Cook também prestou uma visitinha à Hermès, marca de luxo francesa parceira da Maçã com o Apple Watch.

🎼 O @Newzik_App reimaginou como as orquestras leem música — é uma nota em um nível diferente. Agradecemos à equipe e aos músicos por mostrarem como tudo se encaixa com uma apresentação maravilhosa! 🎻
A Hermès é um exemplo atemporal de excelente artesanato e de compromisso incansável com a excelência — valores que compartilhamos profundamente. Obrigado Axel e Pierre-Alexis, foi um privilégio ver sua equipe trabalhando hoje.

Agora, pela Itália

Na Itália, Cook deu um alô para os empregados da Apple Firenze:

https://twitter.com/tim_cook/status/1180088680846888960
Florença é um lugar tão especial. Foi uma ótima visita com nosso time e nossos clientes na Apple Firenze. Obrigado! 🇮🇹

·   •   ·

Qual a próxima parada, Cozinheiro?

via 9to5Mac

Posts relacionados

Comentários