Estamos a pouco mais de duas semanas do lançamento oficial do Apple TV+, no dia 1º de novembro, mas para a Maçã a “corrida pela TV” já se iniciou com a sua primeira estreia — a da série “For All Mankind”.

Inclusive, a companhia renovou a produção para a segunda temporada, além de outros seriados que nem sequer foram amplamente divulgados ainda. Por mais que tudo pareça estar indo bem, entretanto, existe uma agitação por trás das câmeras em Cupertino, como veremos abaixo.

Estreia de “For All Mankind”

Com lançamento confirmado para o dia 1º de novembro, “For All Mankind” teve seu evento de estreia realizado ontem (15/10) no Regency Village Theatre (Westwood, Califórnia).

Como era de esperar de um evento da Apple, a estreia contou com todas as pompas que poderíamos imaginar: tapete vermelho, estrelas (incluindo alguns executivos da Maçã, como Phil Schiller e Eddy Cue) e muita personalização, como é possível ver nas imagens a seguir.

Caso você tenha perdido o fio da meada, “For All Mankind” é uma história imaginada pelo roteirista e produtor Ronald D. Moore, na qual a corrida espacial global nunca terminou, sendo contada pela vida de astronautas, engenheiros e suas famílias.

Confira (ou reveja) o trailer oficial da série:

Séries renovadas

Além do seu evento de estreia, “For All Mankind” ganhou sinal verde para a segunda temporada, de acordo com uma reportagem do Deadline. Mais do que isso, Moore (o produtor executivo) afirmou durante o evento de ontem que já havia planejado pelo menos três temporadas para a série, mas somente com o lançamento da segunda temporada saberemos se ela será renovada mais uma vez.

Divulgação de "For All Mankind"
Divulgação de “For All Mankind”

A Maçã também renovou (ou está em vias de renovar) outras produções, numa estratégia, segundo o Deadline, de manter o fluxo dos seus conteúdos originais — uma vez que o Apple TV+ será lançado com menos produções do que seus concorrentes, como o Disney+.

Trailer de "The Morning Show"
Divulgação de “The Morning Show”

Além de “For All Mankind”, os títulos que presumivelmente também foram renovados incluem alguns dos próximos lançamentos do Apple TV+: “The Morning Show” (a qual aparentemente já havia sido cotada para duas temporadas desde o início), “See”, “Dickinson” e “Home Before Dark“.

“The Morning Show”, menos na Austrália

Recentemente, o telejornal The Morning Show (não o fictício, da Apple, e sim um real que existe na Austrália) divulgou uma entrevista com os protagonistas Jennifer Aniston, Reese Witherspoon e Steve Carell, o que fez com que muitos de nós tomássemos conta de um fato curioso envolvendo o nome da produção no país.

. @AshleeMullany se sentou com o elenco de Morning Wars, que será lançado exclusivamente no Apple TV +! #TMS7

Justamente por levar o mesmo nome do telejornal australiano, a Maçã precisou alterar o nome oficial do seriado para “Morning Wars” no país; porém, como é possível ver na versão do trailer divulgado na Austrália, o nome original da série, “The Morning Show”, aparece em todas as partes. Que coisa, hein?

Backstage do Apple TV+

Com a proximidade do lançamento da nova plataforma da Maçã, muito ficaram curiosos em saber como tudo se desenrolou internamente (de maneira tão velada, vale ressaltar) nos últimos anos. Pensando nisso, o The Hollywood Reporter mergulhou na história do serviço, constatando curiosidades e, é claro, problemas.

Apple TV+

Diferentemente de algumas notícias divulgadas anteriormente, o HR infere que o Apple TV+ não se concentrará apenas no conteúdo “familiar”, desde que o conteúdo explícito sirva a uma história; ainda assim, a marca aspiracional e a filosofia da companhia estarão bastantes presentes no serviço.

Tal influência, no entanto, já teria sido o motivo para um suposto desencontro entre a produção da série “Amazing Stories” e o conselho administrativo da companhia, fato que teria causado o atraso do lançamento da adaptação da série original de Steven Spielberg.

Há relatos, ainda, de que os bastidores do Apple TV+ foram “caóticos”, com a companhia se esforçando para conseguir boas avaliações das suas produções originais antes de elas serem lançadas. Sob a visão de algumas fontes, a Apple estaria tratando a sua nova plataforma como um lançamento de um produto (a exemplo do iPhone) e não como um serviço de TV, levando a “certa agitação”.

Uma questão levantada por muitas pessoas foi a falta de um grande catálogo de produções (o que, como supracitado, estaria sendo contornado com a renovação de algumas séries), situação que pode ser particularmente problemática para a Maçã considerando o acervo de suas principais concorrentes (Netflix, Disney e Amazon). Nesse sentido, alguns analistas sugerem que a Apple se concentrará na produção de conteúdo por conta própria (e menos parcerias), algo que já teria começado com a criação de seu próprio estúdio.

Mais do que trabalho, no entanto, a gigante de Cupertino estaria fazendo de tudo para alegrar a equipe do Apple TV+, incluindo oferecer a cada showrunner um iGadget regularmente — ou seja, iPhones de graça todos os anos. Ainda segundo a notícia do HR, a Maçã teria enviado representantes para os estúdios para “receber pedidos” sobre o estilo de iPhone e iPad que sua equipe gostaria. Invejinha…

App Apple TV para dispositivos Roku

Por fim, a Roku anunciou ontem que o app Apple TV já está disponível em sua plataforma — às vésperas do lançamento do Apple TV+ —, permitindo que os usuários acessem suas bibliotecas de filmes e séries de TV do iTunes, os Canais da Apple TV e, em breve, o novo serviço de streaming da companhia.

O novo app pode ser baixado na Roku Channel Store em Smart TVs que tenham o serviço instalado ou com um dongle Roku conectado. Infelizmente, a opção ainda não está disponível no Brasil e nem em Portugal, apenas nos seguintes países: Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Estados Unidos, França, Guatemala, Honduras, Irlanda, México, Nicarágua, Panamá, Peru e Reino Unido.

via 9to5Mac: 1, 2; The Loop, MacRumors

Posts relacionados

Comentários