Apple está preocupada que ex-funcionários acusados de roubar segredos possam fugir dos EUA Uma vez na China, eles poderiam "escapar" do processo

Logo da Apple

Muitos de vocês devem se lembrar que, entre junho de 2018 e janeiro deste ano, dois ex-funcionários da Apple foram presos [1, 2] após roubarem segredos da empresa supostamente relacionados ao Projeto Titan — o qual envolve o especulado carro autônomo da companhia.

Publicidade

A Maçã, é claro, processou ambos os ex-colaboradores, naturais da China: Xiaolang Zhang e Jizhong Chen; agora, porém, a companhia está preocupada que eles possam retornar ao seu país natal enquanto a diligência segue tramitando pelos tribunais, como noticiado pela Reuters.

Em uma audiência realizada recentemente no Tribunal Distrital da Califórnia, os promotores argumentaram que Zhang e Chen deveriam continuar sendo monitorados pela justiça uma vez que ambos podem deixar os Estados Unidos. O “medo” da companhia precede do fato de que, segundo o advogado de defesa, ambos tinham motivos familiares para ir à China, porém nenhum deles pretendia violar suas condições antes do julgamento.

A advogada assistente do caso, Marissa Harris, argumentou que, se qualquer um dos réus fugisse para a China, seria difícil (senão impossível) para as autoridades federais garantir sua extradição em um possível (e futuro) julgamento.

Publicidade

Os casos

Como dissemos, Zhang foi acusado de roubar segredos comerciais da gigante de Cupertino acerca do Projeto Titan em meados de 2018; antes de ser pego, ele trabalhou na equipe de computação da Apple, onde projetava e testava placas de circuito para analisar dados de sensores em veículos autônomos.

Depois de Zhang anunciar seus planos de deixar a Maçã para iniciar seus trabalhos na XMotors (uma empresa chinesa), a companhia instaurou uma investigação para analisar o comportamento suspeito do ex-funcionário; nela, foi conferido que ele havia subtraído designs de protótipos e tecnologias para carros autônomos. Zhang foi preso num aeroporto dos EUA em julho de 2018, tentando ir para a China.

Alguns meses depois, alguns funcionários da Maçã flagraram Chen tirando fotos em um espaço de trabalho restrito da companhia. Após também investigar esse caso, a empresa constatou que o computador pessoal dele continha “milhares” de arquivos relacionados às tecnologias desenvolvidas no Projeto Titan, incluindo manuais, fotografias e diagramas. Posteriormente, descobriu-se que ele também estava se candidatando para uma vaga em uma outra empresa chinesa, não especificada.

Publicidade

·   •   ·

Ainda não há informações de quando ocorrerá o julgamento dos casos; não obstante, a Maçã parece estar bastante determinada a “dar a lição” nesses ex-funcionários — bem como mostrar que isso não deve ocorrer novamente.

via MacRumors | imagem: Mark Lennihan/AP

Publicidade
Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…