“Doença do loop”: juiz autoriza donos de iPhones 7/7 Plus a processarem a Apple

iPhone 7 com a doença do loop

Em meados de 2018, nós comentamos uma falha no chip de áudio dos iPhones 7/7 Plus que, ao se manifestar, impossibilita a ativação do alto-falante em chamadas ou a utilização de apps como o Gravador de Voz, por exemplo. Como a Apple não abriu nenhum tipo de programa de substituição (o famoso recall) para tal componente, alguns usuários que tinham nas mãos iPhones com esse defeito acabaram abrindo uma ação coletiva contra a empresa.

O processo alega que “os materiais usados na carcaça externa do ‌iPhone‌ são insuficientes e inadequados para proteger as partes internas”, fazendo com que o chip de áudio perca contato elétrico com a placa lógica devido à “flexão” do dispositivo durante o uso normal.

A Apple, é claro, tentou se proteger, contestando as alegações dos clientes que entraram com a ação. Na semana passada, o juiz responsável pelo caso se manifestou e negou o pedido da Apple de rejeitar as alegações de violação de garantia implícita, violações da Lei de Garantia Magnuson-Moss e enriquecimento por conta dos reparos para tais problemas.

O juiz, contudo, concordou com os argumentos da Maçã nos demais pedidos. Com isso, os clientes estão autorizados a seguir com o processo, mas têm agora 21 dias para alterar a ação e dar sequência a ela.

No processo, eles exigem que a Apple repare ou substitua os iPhones afetados, além de estender a garantia para os dispositivos por um período razoável. Eles também buscam indenizações para dividir entre todos os consumidores afetados.

via MacRumors

Posts relacionados

Comentários