Samsung lança Galaxy Z Flip, S20, S20+, S20 Ultra e Galaxy Buds+

Como tradicionalmente faz no início do ano, a Samsung realizou hoje um evento (chamado Galaxy Unpacked 2020), em San Francisco, a fim de apresentar alguns dos seus aparelhos mais notáveis.

Estratégia “diferente”

Antes de entrar nos detalhes dos lançamentos, um comentário rápido sobre a estratégia da empresa: particularmente, achei bem esquisito ela promover um telefone que só seria apresentado oficialmente hoje já no domingo passado, durante o Oscar; também achei bastante esquisito o YouTube ser inundado de vídeos com hands-on e primeiras impressões dos aparelhos antes mesmo de eles serem mostrados no palco do evento.

Para quem está acostumado com os lançamentos da Apple (bem… estamos no MacMagazine, afinal), que tenta manter o máximo de segredo possível até que tudo seja oficialmente revelado, é no mínimo curioso ver essa diferença de estratégia.

Mas vamos ao que interessa!

Galaxy Z Flip

Comecemos pelo diferentão. O Galaxy Z Flip — completamente vazado antes do lançamento — é o segundo telefone dobrável da Samsung (o primeiro foi o Galaxy Fold).

Galaxy Z Flip

O aparelho conta com um display chamado Infinity Flex, uma tela Dynamic AMOLED de 6,7″ Full HD+ (2636×1080 pixels, com 425 pixels por polegada) e com suporte a HDR10 — a primeira tela de vidro flexível de um produto da Samsung. A tecnologia de dobra articulada (chamada Hideaway, que usa fibras de nylon para impedir a entrada de poeira e promete durar até 200 mil usos) permite que você escolha o ângulo que você quer, apoie o aparelho na mesa e faça uma videochamada sem precisar usar as mãos.

Galaxy Z Flip

Quando dobrada pela metade, você também pode aproveitar o modo Flex, que divide os aplicativos ao meio e coloca os controles na metade inferior, transformando a metade superior em uma área de visualização. É possível também abrir dois aplicativos ao mesmo tempo, usando o recurso chamado Janela Multiativa.

Quando o Z Flip está fechado, temos uma pequena tela de 1,1″ (300×112 pixels) que mostra data, hora, status da bateria e notificações; tocando na notificação, você “chama” o app para quando abrir o telefone ele ser ativado.

Galaxy Z Flip

O telefone conta com uma bateria dupla, com 3.300mAh, suficiente para durar o dia inteiro, e o que a Samsung chama agora de Compartilhamento de Bateria Sem Fio (para você recarregar fones de ouvido ou até mesmo outros aparelhos compatíveis com o padrão Qi).

No quesito câmera, temos uma externa dupla: a principal tem 12 megapixels, abertura ƒ/1,8 e ângulo de abertura de 78°; já a ultra-angular tem 12 megapixels, abertura ƒ/2,2 e ângulo de abertura de 123°. Elas são capazes de fazer vídeos 4K a 60 quadros por segundo e contam com estabilização óptica de imagem.

Na frontal (interna) temos uma câmera de 10 megapixels com abertura ƒ/2,4, ângulo de 80°, foco automático, com capacidade de gravar vídeos 4K a 30qps.

De resto temos armazenamento interno de 256GB, processador Qualcomm Snapdragon 855+, 8GB de RAM, desbloqueio por reconhecimento facial e escaneamento de impressão digital, porta USB-C, Bluetooth 5.0, Wi-Fi 802.11ac (com suporte às bandas de 2,4GHz e 5GHz), chip NFC, GPS e todos os sensores que se espera de um flagship como esse (bússola, giroscópio, etc.).

Os interessados já podem se cadastrar no nesse site para receber informações do produto. Entre os dias 4 e 10 de março, haverá uma exibição prévia do Galaxy Z Flip em algumas lojas selecionadas; o início das vendas no Brasil será em 11 de março, e o aparelho custará R$9.000, nas cores ultravioleta e preta — nos Estados Unidos ele custará US$1.380 e estará disponível no dia 14 de fevereiro.

Galaxy S20

Na verdade, são três modelos: o Galaxy S20, o S20+ e o S20 Ultra.

Galaxy S20, S20+ e S20 Ultra

As telas são Dynamic AMOLED com 3200×1440 pixels e taxa de atualização de 120Hz (como os iPads Pro). O que muda são os tamanhos e, consequentemente, a densidade de pixels: 6,2″ (563ppi), 6,7″ (525ppi) e 6,9″ (511ppi). Sim, quando mais premium o aparelho, menor a densidade de pixels — mas isso dificilmente será percebido pelos seus olhos.

Nas câmeras, a brincadeira começa a ficar melhor. O S20 conta com três: uma principal de 12 megapixels com abertura ƒ/1,8, uma teleobjetiva de 64 megapixels com abertura ƒ/2,0 e uma ultra-angular de 12 megapixels com abertura ƒ/2,2; o zoom óptico é de 3x, enquanto o digital chega a 30x; para gravação de vídeos, é possível chegar a 8K a 30 quadros por segundo.

Galaxy S20, S20+ e S20 Ultra

No S20+, a única coisa que muda é a adição de um sensor ToF, profundidade 3D (Time-of-Flight), que emprega técnicas de tempo de voo para calcular a distância entre a câmera e o sujeito de cada ponto da imagem, medindo o tempo de ida e volta de um sinal de luz artificial fornecido pelo um laser ou um LED.

Já no S20 Ultra, temos uma câmera principal de 108 megapixels com abertura ƒ/1,8, uma teleobjetiva de 48 megapixels com abertura ƒ/3,5, uma ultra-angular de 12 megapixels com abertura ƒ/2,2 e o sensor ToF. O zoom óptico aqui pula para 10x, enquanto o digital atinge 100x.

O sensor de imagem também aumentou: nos S20 e S20+, ele está cerca de 1,7x maior que o do Galaxy S10; já no S20 Ultra, 2,9x maior. Isso é bom pois permite a entrada de mais luz para você fotografar melhor à noite.

Vale notar que a Samsung deixou de lado a abertura variável da lente principal, um dos destaques do Galaxy S10.

Todos eles contam comum recurso chamado 8K Video Snap. Ao gravar um vídeo, o aparelho transforma cada quadro em uma imagem de alta resolução que você pode ampliar para transformar em uma foto de 33 megapixels.

As câmeras frontais também são diferentes: no S20 Ultra temos uma de 40 megapixels com abertura ƒ/2,2, capaz de gravar vídeos 4K a 60qps; nos outros, os megapixels caem para 10.

Galaxy S20, S20+ e S20 Ultra

As baterias dos modelos são de 4.000mAh, 4.500mAh e 5.000mAh (todos com recarga rápida e compartilhamento de bateria sem fio). O processador é o Samsung Exynos 990 de 7 nanômetros e 2,7GHz (se comprado no Brasil) ou o Qualcomm Snapdragon 865 (nos EUA). A quantidade de RAM varia de 8GB a 12GB no S20 e no S20+, e de 12GB a 16GB no S20 Ultra. No quesito armazenamento, são 128GB ou 256GB, com opção de expandir tudo com um cartão microSD de até 1TB; o S20 Ultra conta ainda com uma opção de 512GB, para quem precisa mesmo de espaço.

Todos eles contam com leitor de impressão digital ultrassônico integrado à tela, resistência IP68 (água e poeira) e alto-falante estéreo Dolby Atmos da AKG, além de todos os sensores esperados como NFC, bússola, giroscópio, Bluetooth 5.0, etc. Eles também oferecem suporte a redes 5G — o Galaxy S20+ e o S20 Ultra são capazes de tirar proveito das frequências sub-6GHz e mmWave.

Tirando a atualização das câmeras, o que temos aqui é um incremento em cima dos “antigos” modelos S10. Infelizmente a Samsung optou por começar a linha com uma tela de 6,2″, então se você gosta de telas menores, ficou de fora da festa.

A tela de 120Hz também chama atenção como uma das grandes novidades da linha, mas é bom notar que, por padrão, ela funcionará a 60Hz mesmo como todos os aparelhos da empresa lançados até hoje — muito provavelmente para economizar bateria e dar um descanso para o processador.

A Samsung ainda não revelou os preços dos aparelhos no Brasil. Globalmente falando, eles estarão disponíveis a partir de 6 de março (a pré-venda começará em 21 de fevereiro), nas seguintes cores: Galaxy S20 (cinza, azul e rosa), Galaxy S20+ (cinza, azul e preto) e Galaxy S20 Ultra (cinza e preto).

Os preços começarão em US$1.000 para o Galaxy S20, US$1.200 para o Galaxy S20+ e US$1.400 para o Galaxy S20 Ultra.

Galaxy Buds+

A Samsung também apresentou seu mais novo concorrente dos AirPods Pro.

Galaxy Buds+

De acordo com a empresa, os Galaxy Buds+ são os primeiros fones de ouvido sem fio com alto-falantes bidirecionais que, na teoria, melhoram os agudos (tornando-os mais nítidos) e os graves (deixando-os mais presentes). Ele tem ainda um sistema adaptável com três microfones para melhorar chamadas e deixar a sua voz mais nítida (algo que, na minha opinião, os AirPods ainda pecam bastante).

O grande diferencial dos fones, numa analise rápida, é a sua bateria de longa duração. A empresa promete até 11 horas ininterruptas com uma única carga; com a caixa de carregamento (que conta com suporte a recarga sem fio no padrão Qi), temos 22 horas (ou seja, uma recarga extra). Carregando os fones por apenas 3 minutos, você ganha 1 hora de reprodução.

Galaxy Buds+

As superfícies dos fones são sensíveis ao toque, permitindo inclusive ajustar o volume com toques simples (pronto para a Samsung). Você pode personalizar os seus próprios comandos de toque.


Ícone do app Samsung Galaxy Buds+

Samsung Galaxy Buds+

de Samsung Electronics CO.LTD.

Compatível com iPhones
Versão 1.1.2.001 (64.6 MB)
Requer o iOS 10.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+Screenshot do app Samsung Galaxy Buds+

O aplicativo Galaxy Buds+ agora é compatível com o iOS para que você use os fones numa boa com o seu iPhone; e graças a uma nova parceria com o Spotify, você pode ouvir as músicas e os podcasts de que você mais gosta, iniciando a reprodução com um simples toque.

Tudo muito bom, tudo muito bem, mas nada de cancelamento ativo de ruído. Pelo menos ele conta com o equivalmente ao modo ambiente dos AirPods Pro, que lhe permite ouvir o que está acontecendo ao seu redor (você pode inclusive escolher o nível desse volume exterior que os fones deixarão passar).

Os Galaxy Buds+ chegarão ao mercado em 14 de fevereiro, nas cores preta, branca e azul. O produto custará US$150 no exterior — a Samsung não informou quando nem por quanto ele chegará ao Brasil.


Pois bem, o que acharam dos lançamentos de hoje? Qual foi o seu preferido? A Apple tem com o que se preocupar? 😉

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários