Wi-Fi 802.11ay, dos futuros iPhones, poderá ser utilizado para conexão com os “Apple Glasses” Velocidade altíssima e latência quase zero

Conceito de "Apple Glasses" por Eunho Kim

Na última semana, falamos aqui sobre o rumor de que os “iPhones 12” (ou seja lá como eles se chamem) viriam equipados com um novo padrão de Wi-Fi, o 802.11ay — não como substituto ao Wi-Fi 802.11ax (mais conhecido como Wi-Fi 6) que temos hoje, mas como um complemento destinado a outros tipos de conexão, já que o padrão tem curto alcance e opera em frequências bem mais altas (60GHz).

Publicidade

Pois recentemente o editor da Macworld, Jason Cross, chegou com uma teoria do motivo para a (possível) implementação do novo padrão nos futuros iPhones: os “Apple Glasses”.

Os famigerados óculos de realidade aumentada da Apple ainda são cercados de rumores deveras moles — não temos nada concreto indicando testes de produção, protótipos ou mesmo conversas dentro da Maçã. Ou melhor: temos algumas patentes, incluindo uma recente descrevendo um recurso que desbloquearia o iPhone com a proximidade de um dispositivo ocular.

Enfim — o fato é que onde há fumaça, há fogo. A gigante de Cupertino está mais interessada do que nunca na mágica da realidade aumentada (AR), e lançar um dispositivo vestível totalmente focado na tecnologia não parece ser fora da curva para a empresa num futuro a médio prazo.

Publicidade

Segundo Cross, a possível chegada do Wi-Fi 802.11ay seria uma pista muito clara dos planos que a Maçã tem para seus futuros óculos. O motivo é simples: nesse padrão, a conexão pode atingir velocidades extremamente altas (quase 40x superiores ao padrão Wi-Fi 6 “comum”), o que seria um fator necessário na comunicação entre o iPhone e os “Apple Glasses” — enviar e receber tanta informação sem lag ou outros problemas requereria uma conexão muito veloz, afinal de contas.

Como o iPhone e os óculos estariam sempre próximos, não haveria a necessidade de utilizar uma conexão de longa distância, o que torna o Wi-Fi 802.11ay ainda mais propício para a relação.

Teríamos, portanto, uma comunicação “própria” entre o smartphone e o dispositivo ocular — independentemente de Wi-Fi/Bluetooth/banda ultralarga, com velocidades espetaculares e latência baixíssima. Isso permitiria que a Apple construísse, por exemplo, óculos virtualmente “ocos”, leves e discretos, já que quase todo o poder de processamento deles estaria, na verdade, no iPhone.

Publicidade

De qualquer forma, teremos que aguardar para ver. Caso eles realmente existam, os “Apple Glasses” certamente não serão revelados pela Maçã em 2020 (ou sequer em 2021), então a inclusão do Wi-Fi 802.11ay nos “iPhones 12” seria mais uma preparação de terreno do que qualquer outra coisa — ou, quem sabe, uma outra tecnologia para uso com as “AirTags”. Só o tempo dirá.

via Cult of Mac

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…