Apple fecha inúmeras lojas nos Estados Unidos em meio a protestos antirracismo

Se você acompanhou alguma coisa no noticiário internacional dos últimos dias, já deve saber que as ruas de diversas cidades americanas estão tomadas por protestantes. E não, não é nada relacionado com a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19).

Publicidade

Há exatamente uma semana, em 25 de maio, um policial de Minneapolis matou o afro-americano George Floyd asfixiado enquanto o imobilizava com o joelho sobre seu pescoço. Floyd tinha 46 anos, era pai de duas meninas e trabalhava como segurança de um restaurante.

A morte de Floyd culminou em uma onda de novos protestos antirracismo, que começaram obviamente em Minneapolis mas rapidamente se expandiram para inúmeras cidades dos Estados Unidos. A parte triste é que, em meio às manifestações, estão ocorrendo também atos de bruto vandalismo e ainda mais pessoas estão se ferindo e morrendo.

Minneapolis está sofrendo por uma razão. Parafraseando o Dr. King, a paz negativa que é a ausência de tensão não substitui a paz positiva que é a presença da justiça. Justiça é como nos curamos.

O assunto foi trazido aqui para o MacMagazine, claro, porque a Apple também foi afetada pelos protestos e decidiu, ontem, fechar boa parte de suas 130 lojas americanas que já tinham sido reabertas durante a pandemia. A notícia é da Bloomberg1.

Publicidade

Antes disso, várias delas foram vandalizadas:

Apple Store em Portland sendo saqueada durante o protesto.
Filadélfia. Apple Store saqueada.
A Apple Store tomou porrada na noite passada.
Protestantes arrobaram a Apple Store na King Street no centro de Charleston.
A Apple Store em Flatbush teve sua vitrine quebrada e pichada.
Apple Store de DC saqueada.
A Apple Store UES protegendo suas janelas para o protesto de hoje à noite.

Boa parte dessas lojas não abrirão hoje, visto que precisarão passar por reparos e reposição de produtos.

Carta de Tim Cook

Além do tweet postado há alguns dias [acima], Cook enviou ontem à noite uma carta para os empregados da Apple que foi obtida pela CNBC.

Publicidade

Nós a traduzimos a seguir, na íntegra:

Time,

Neste momento, há uma dor profundamente marcada na alma de nossa nação e no coração de milhões. Para ficarmos juntos, precisamos nos defender e reconhecer o medo, a mágoa e a indignação provocados pela morte sem sentido de George Floyd e uma história muito mais longa de racismo.

Esse passado doloroso ainda está presente hoje — não apenas na forma de violência, mas na experiência cotidiana de discriminação profundamente enraizada. Vemos isso em nosso sistema de justiça criminal, no número desproporcional de doenças nas comunidades Black e Brown, nas desigualdades nos serviços de vizinhança e nas educações que nossos filhos recebem. Embora nossas leis tenham mudado, a realidade é que suas proteções ainda não são aplicadas universalmente.

Temos visto progresso desde a América onde cresci, mas é igualmente verdade que as comunidades de cor continuam sofrendo discriminação e trauma.

Já ouvi muitos de vocês que sentem medo — medo em suas comunidades, medo em suas vidas diárias, e, mais cruelmente, com medo em sua própria pele. Não podemos ter uma sociedade digna de comemoração, a menos que possamos garantir a liberdade do medo para todas as pessoas que dão a este país amor, trabalho e vida.

Na Apple, nossa missão é e sempre será criar tecnologia que permita às pessoas mudar o mundo para melhor. Sempre extraímos força de nossa diversidade, recebemos pessoas de todas as esferas da vida em nossas lojas em todo o mundo e nos esforçamos para construir uma Apple que inclua todos.

Mas juntos, devemos fazer mais. Hoje, a Apple está fazendo doações para vários grupos, incluindo a Equal Justice Initiative, uma organização sem fins lucrativos comprometida em desafiar a injustiça racial, acabar com o encarceramento em massa e proteger os direitos humanos das pessoas mais vulneráveis ​​da sociedade americana. Para o mês de junho e em homenagem ao feriado de Juneteenth, também estaremos correspondendo em dois para um as doações de todos os funcionários via Benevity.

Para criar mudanças, precisamos reexaminar nossas próprias visões e ações à luz de uma dor profundamente sentida, mas muitas vezes ignorada. Questões de dignidade humana não permanecerão à margem. Aos nossos colegas da comunidade negra — nós os enxergamos. Vocês importam, suas vidas importam e vocês são valorizados aqui na Apple.

Para todos os nossos colegas que estão sofrendo agora, saibam que vocês não estão sozinhos e que temos recursos para apoiá-los. É mais importante do que nunca conversar um com o outro e encontrar cura em nossa humanidade comum. Também temos recursos gratuitos que podem ajudar, incluindo nosso Programa de Assistência ao Funcionário e recursos de saúde mental sobre os quais você pode aprender no site Pessoas.

É um momento em que muitas pessoas podem querer nada mais do que retornar à normalidade ou a um status quo que só é confortável se desviarmos o olhar da injustiça. Por mais difícil que seja admitir, esse desejo é em si um sinal de privilégio. A morte de George Floyd é uma prova chocante e trágica de que devemos almejar muito mais do que um futuro “normal” e construir um que atenda aos mais altos ideais de igualdade e justiça.

Nas palavras de Martin Luther King: “Toda sociedade tem seus protetores do status quo e suas fraternidades dos indiferentes, notórios por dormirem durante as revoluções. Hoje, nossa própria sobrevivência depende de nossa capacidade de permanecermos acordados, de nos ajustar a novas ideias, de permanecermos vigilantes e de enfrentarmos o desafio da mudança.”

A cada inspiração, precisamos nos comprometer a ser essa mudança e a criar um mundo melhor e mais justo para todos.

Tim

#BlackLivesMatter 🖤

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…