Quais os prós e contras de usar eSIM?

Algumas das maiores operadoras brasileiras (Claro, Vivo e TIM) já oferecem suporte ao eSIM (chip eletrônico) e nós já recomendamos alguns serviços que utilizam essa tecnologia para permitir acesso à rede móvel sem a necessidade de usar um chip físico.

Publicidade

Se você ainda tem dúvidas sobre os benefícios e as desvantagens de usar um eSIM, porém, fizemos um breve dossiê sobre o recurso para lhe ajudar nisso.

O que é eSIM?

Antes de nos aprofundarmos nos detalhes técnicos, porém, é preciso entender o básico. O termo eSIM significa embed subscriber identity module (em português, módulo incorporado de identidade do assinante), ou seja: um cartão SIM embutido.

Dual SIM no iPhone

O SIM é basicamente é um identificador que contém informações sobre redes celulares. Os chips SIM geralmente são integrados a um cartão UICC (universal integrated circuit card, ou cartão de circuito integrado universal), os quais foram diminuindo de tamanho ao longo do tempo — e hoje podem ser totalmente eletrônicos.

eSIM nos dispositivos da Apple

Atualmente, os modelos mais recentes dos iPhones (XR, XS, XS Max, 11, 11 Pro, 11 Pro Max e iPhone SE de segunda geração), Apple Watches (Series 3, 4 e 5 com GPS + Cellular) e diversos iPads1 são compatíveis com a tecnologia eSIM.

Os prós de usar eSIM

Comodidade

São algumas as vantagens de usar o eSIM, a começar pela fato de essa opção não exigir um chip físico. Sendo assim, você não tem como perder o seu eSIM e ele também não se desgastará com o tempo.

Ativação

Alguns serviços permitem, inclusive, adquirir e ativar um eSIM rapidamente a partir de apps; para isso, basta uma conexão temporária com a internet (caso você esteja em aeroportos, cafeterias, restaurantes, etc.).

Outra vantagem está relacionada à opção de cadastrar múltiplos eSIMs em um iPhone, sendo que a ativação é praticamente instantânea.

Publicidade

Note, porém, que só é possível usar um eSIM — ou seja, ainda que você tenha três eSIMs cadastrados no seu iPhone, poderá utilizar apenas um por vez. É o mesmo de ter vários chips físicos na carteira, mas só poder inserir um de cada vez na bandejinha.

Praticidade (Dual SIM)

Para profissionais, o eSIM une o útil ao agradável ao permitir que uma pessoa tenha, num mesmo dispositivo, diferentes perfis/contatos — graças ao recurso Dual SIM. Isso significa que é possível:

  1. Separar o contato pessoal do profissional.
  2. Usar mais de uma linha e serviço de mensagem em um único aparelho.

Viagens

Como o eSIM funciona como um segundo chip para o iPhone, usá-lo na sua operadora principal permite que, ao viajar para o exterior, você rápido e facilmente compre um chip físico de uma operadora local e logo possa sair usando internet ou fazendo ligações.

Da mesma maneira, se o seu chip principal for físico, em muitos países basta se conectar ao Wi-Fi do aeroporto, por exemplo, baixar o app de uma operadora local e contratar um plano de eSIM diretamente por ele, ativando-o imediatamente no seu dispositivo.

Segurança

Outro ponto positivo refere-se à segurança, uma vez que é impossível remover um eSIM do aparelho de forma física. Sendo assim, caso você tenha seu dispositivo perdido ou roubado, quem encontrá-lo não conseguirá desativar (estando ele bloqueado por senha) o eSIM para inibir a conexão com redes móveis — exceto se o aparelho for desligado, claro.

Vale ressaltar, aqui, uma dica de segurança: independentemente de usar ou não um eSIM, alguns recursos podem inibir que o dispositivo seja desconectado da internet. Nos iPhones, é interessante desativar o acesso à Central de Controle e à Siri pela tela bloqueada (Ajustes » Face ID/Touch ID e Código » Permitir Acesso Quando Bloqueado), caso contrário alguém ainda poderá ativar o Modo Avião pela Central ou usando a Siri.

Os contras de usar eSIM

Como tudo na vida, nem todos os aspectos do eSIM são positivos. Confira abaixo algumas desvantagens de de usar a tecnologia.

Aquisição e planos (no Brasil)

Diferentemente de alguns apps/serviços de eSIM, para adquirir um chip eletrônico no Brasil é necessário se deslocar a uma loja de alguma operadora (na maioria dos casos; há exceções, contudo, como a nova operadora Intercel). Além disso, algumas operadoras exigem a aquisição de planos específicos para ativar o eSIM, o que pode não ser atrativo para algumas pessoas.

Migração

Se você adquiriu um novo aparelho e gostaria de migrar o eSIM do dispositivo antigo para ele, saiba que esse processo pode ser um pouco mais complicado do que você imagina. Diferentemente do chip físico, que pode ser removido de um smartphone e reinserido em outro imediatamente, o eSIM possui um registro único que deve ser atualizado ao usá-lo num novo aparelho — e, como visto acima, poderá ser necessário ir à loja da sua operadora para isso.

Ademais, a migração de dados do eSIM depende de serviços na nuvem (online) para transferir informações como contatos, mensagens, entre outros — portanto, isso requer uma conexão com a internet.

Cobertura

Assim como o chip físico, pode ser que o eSIM não funcione em determinada área/região, algo que varia de acordo com o plano da sua operadora. Nesse sentido, se você usa eSIM como chip principal e não possui cobertura em determinado local (principalmente em viagens para o exterior), pode ser que você tenha que se dirigir a alguma loja para comprar um chip físico — ou então adquirir outro plano de eSIM que ofereça suporte naquele local.

Segurança

Apesar de segurança ser um ponto positivo na tecnologia eSIM, como listamos acima, ela também tem seu lado negativo.

Diferente do chip físico, que pode ser removido caso haja algum problema de segurança, o eSIM, justamente por ser eletrônico, é mais suscetível a invasão por hackers, crackers, etc. Aparentemente isso (ainda) não é um problema, mas serve como alerta — principalmente para operadoras, que devem se atentar à segurança da sua base de dados, além da criptografia do eSIM.

·   •   ·

Claro que há diversos outros quesitos como qualidade, preço e disponibilidade que devem ser levados em consideração ao adquirir um eSIM (assim como qualquer outro plano). Isso, porém, varia de acordo com a operadora. Aqui, focamos nos prós e contras do uso da tecnologia em si.

Ficou com alguma dúvida? Tem algo a acrescentar? Use e abuse da seção de comentários abaixo!

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…