A audiência de ontem no Congresso americano com o CEO1 da Apple, Tim Cook, deu pano pra manga.

Publicidade

Embora tenhamos visto o depoimento de Cook, muitas questões foram levantadas durante o interrogatório e precisaram ser esclarecidas pelo executivo, entre elas a comissão e as políticas da App Store, a questão dos apps de controle parental e até mesmo a polêmica envolvendo o app HEY.

Comissão da App Store

De acordo com documentos compartilhados pelo Comitê Judiciário da Câmara, a Apple considerou, em 2011, cobrar uma comissão de 40% por compras e assinaturas feitas na App Store — o que seria mais do que valor obtido pela companhia atualmente, que é de 30% (para assinaturas, o valor cai para 15% após os primeiros 12 meses).

Mais precisamente, em março de 2011, o chefe de serviços da Apple, Eddy Cue, enviou um email a três outros executivos sugerindo que a Apple “cobrasse 40% [de comissão] apenas no primeiro ano”, mas que “alguns acordos” precisavam ser feitos para que ela “visse o que é certo”.

Publicidade

Na época, os emails se referiam a aplicativos que ofereciam conteúdo digital, como serviços de streaming na Apple TV, em vez de apps para iPhone e iPad — embora a Apple tivesse lançado as assinaturas da App Store em fevereiro de 2011.

Após conversas, a Apple finalmente decidiu definir em 30% a comissão de compras/assinaturas feitas pela App Store‌ — e só depois reduziu essa taxa para assinaturas mais longas.

Políticas da App Store

Cook também foi questionado sobre as inúmeras reclamações de desenvolvedores envolvendo as políticas da App Store. De acordo com o Comitê, a Apple foi acusada de “tornar suas regras da ‌App Store‌ indisponíveis para desenvolvedores, impor e alterá-las arbitrariamente, além de discriminá-las entre desenvolvedores de aplicativos menores e maiores”.

Em resposta, o executivo repetiu que a Apple “trata todos os desenvolvedores da mesma forma, com regras abertas e transparentes”. Além disso, Cook disse que alguns desenvolvedores “não são favorecidos em relação a outros e que a Apple examina todos os aplicativos, pequenos ou grandes”.

Publicidade

Os congressistas também perguntaram o que impedia a Apple de aumentar potencialmente as comissões da App Store, algo que nunca aconteceu. Cook disse que, assim como há competição para atrair clientes, também existe competição para atrair desenvolvedores, comparando a concorrência por desenvolvedores a uma “briga de rua por participação no mercado”.

Mais para o fim desse segmento, o executivo disse que a Apple “não retalia ou intimida os desenvolvedores de aplicativos que não concordam com as regras da ‌App Store‌” — o que nos leva às polêmicas entre a gigante de Cupertino e desenvolvedores, como veremos a seguir.

Tempo de Uso e apps de controle parental

Durante a audiência, Cook também foi abordado sobre a decisão da Apple de remover aplicativos de controle parental da App Store “coincidentemente” após o lançamento do seu próprio recurso para tal função, o Tempo de Uso (lançado com o iOS 13).

Cook repercutiu o que a Apple declarou diversas vezes, afirmando que os aplicativos que usavam o Mobile Device Management (MDM) para permitir que pais limitassem o acesso das crianças a seus dispositivos colocavam os dados em risco.

Publicidade

Esses aplicativos estavam usando uma tecnologia corporativa que lhes dava acesso aos dados pessoais altamente sensíveis das crianças. Nós não pensamos que isso seja certo para qualquer aplicativo ajudar as empresas de dados a rastrear ou otimizar a publicidade para crianças.

Questionado sobre o momento da remoção dos aplicativos de controle dos pais, uma vez que o Tempo de Uso tinha acabado de ser lançado, Cook se esquivou da pergunta e referenciou os mais de 30 aplicativos de controle parental na ‌App Store‌, apontando que há “concorrência vibrante” no espaço de controle parental no loja de aplicativos.

Quando pressionado sobre se a Apple tem o poder de excluir aplicativos da ‌App Store‌ ou remover aplicativos concorrentes, Cook retornou o que havia dito durante seu depoimento de abertura, destacando que a loja abre as portas para desenvolvedores, referindo-se à plataforma como um “milagre econômico”.

Polêmica com o app HEY

Naturalmente, os congressistas americanos não deixariam passar a oportunidade de suscitar algumas das polêmicas envolvendo a App Store para contextualizar as questões em torno das políticas da Apple.

Nesse sentido, Cook foi questionado especificamente sobre o app de email HEY, o qual esteve no centro de uma grande controvérsia há alguns meses depois que a Apple aprovou o app e, posteriormente, o removeu por supostamente contornar suas políticas de compras internas.

O problema era o fato de o app não funcionar para os clientes a menos que eles se inscrevessem no serviço, o que era feito fora da ‌App Store‌ — ou seja, os desenvolvedores do HEY não quiseram dar à Apple a comissão de 30%, enquanto a companhia alegou que não queria um aplicativo que “não funcionasse” ao ser baixado na ‌App Store‌.

Quando perguntado sobre a polêmica, Cook não teve muito a dizer além de apontar que o problema foi resolvido e que a “‌App Store‌ oferece muito valor aos desenvolvedores”.

O [app] HEY está hoje na ‌App Store‌ e estamos felizes por eles estarem lá. Eu acredito que eles têm uma versão do seu produto de graça, portanto não pagam nada por isso. Eu também diria que os 15% ou 30% são para diversos serviços, compiladores, linguagens de programação, APIs, etc.

É um milagre econômico que a ‌App Store‌ permita que uma pessoa inicie, no seu porão, uma empresa e atenda a 170 países no mundo. Eu acredito que [a App Store] é o maior criador de empregos na última década.

Todavia, o executivo explicou que, às vezes, a Apple comete erros devido ao volume de aplicativos que são examinados a cada semana. De acordo com ele, a companhia recebe 100.000 apps por semana para avaliação — e existem hoje 1,7 milhão de títulos publicados na ‌App Store‌.

via MacRumors [1, 2, 3], Bloomberg

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…