Review: Beoplay E8, fones de ouvido totalmente sem fio da Bang & Olufsen

Durante as últimas semanas, tive a oportunidade de testar a fundo os earbuds totalmente sem fio (True Wireless Stereo, ou TWS) possivelmente mais premium com os quais já tive contato, a terceira geração do Beoplay E8 — da consagrada fabricante Bang & Olufsen.

Publicidade

Para alguém que algumas semanas antes havia testado alguns clones baratinhos de AirPods, é um alento ter contato com um produto de tamanha qualidade.

Todavia, estamos falando aqui de fones que custam, nos Estados Unidos, US$350. São US$100 mais caros do que os AirPods Pro, um produto já considerado caríssimo por muita gente — especialmente se levarmos em conta seu preço nacional, de R$2.250.

Mas e aí, será que valem esses US$350?

Publicidade

Unboxing e hands-on

Para quem ainda não viu, segue primeiro o nosso vídeo de unboxing e hands-on com o produto:

Design

Taí algo que me agradou, logo de cara, no Beoplay E8. Tanto o estojo dele quanto os fones em si têm um aspecto muito bacana e refinado.

O estojo tem mais ou menos a mesma largura do dos AirPods Pro, mas o dobro da altura. Isso o torna bem menos portátil, o que é um ponto negativo, mas por outro lado ele oferece até 35h de bateria para os fones, enquanto o da Apple vai a 24h. É uma diferença significativa.

Publicidade

Apesar de o estojo ser mais trambolhudo que o dos AirPods, eu gostei muito mais dele. O exterior do estojo é todo feito de couro, que dá um aspecto bastante premium, não deixa marcas de dados nem arranha. É bastante prazeroso abrir e fechá-lo, e ele não faz aquele barulho agudo de plástico que o dos AirPods faz.

Posicionar os fones no interior do estojo não poderia ser mais simples e, tal como quase todos os earbuds TWS, ele faz uso de ímãs para garantir que o posicionamento fique sempre perfeito e que eles sejam devidamente recarregados enquanto estiverem lá dentro.

Caem da orelha?

Mas eu também gostei muito do formato dos fones, em si. Eles são circulares, com uma bela superfície sensível ao toque, e não têm aquela “perninha” inferior. Por outro lado, a parte que adentra o canal auditivo vai um pouco além dos AirPods Pro, e isso garante que eles fiquem bem seguros na orelha.

Publicidade

E não, eu não tive absolutamente problema nenhum com o Beoplay E8 caindo da minha orelha.

Eles ficam perfeitamente seguros e confortáveis, e olha que eu fiquei com a pontinha de silicone média que já vem instalada nele (nem precisei testar os outros tamanhos, nem muito menos a ponta de memory foam da Comply que vem na caixa). Ponto para a B&O; azar o meu, que terei que devolvê-los.

Controles por toque

Já que citei a superfície sensível ao toque, vamos logo a esse ponto. Mais um ponto positivo para o Beoplay E8, por sinal.

Nos AirPods normais (de primeira ou segunda gerações), os controles todos são feitos por meio de toques/”batidinhas” que damos nos fones, e eles fazem uso do acelerômetro junto ao sensor de luminosidade para responder. Já nos AirPods Pro, temos que pressionar a “perninha” deles; funciona bem, mas eu preferia o método antigo.

O Beoplay E8, na minha opinião, funciona melhor que os dois. Toda essa superfície circular externa é sensível ao toque, e a B&O explorou as possibilidades muito bem:

  • Lado esquerdo: um toque ativa o Modo Transparência ou atende uma ligação, dois toques retrocede a faixa ou encerra uma ligação, tocar e segurar diminui o volume ou rejeita uma ligação.
  • Lado direito: um toque para play/pause ou atender uma ligação, dois toques para a próxima faixa ou encerrar uma ligação, três toques para chamar a assistente (a Siri, no caso do iPhone), tocar e segurar para aumentar o volume ou rejeitar uma ligação.

O simples fato de podermos ajustar o volume de reprodução pelos próprios fones já detona os AirPods. Viu como se faz, Apple?

Modo Transparência e app da B&O

Sim, eu citei acima um atalho para ativar o Modo Transparência no Beoplay E8. Mas não, ele não tem Cancelamento Ativo de Ruídos como os AirPods Pro.

“Como assim?!”, você pode — e deve — perguntar.

Bem, eu não sei exatamente por que a B&O não implementou a tecnologia nessa terceira geração do Beoplay E8, mas o que eu posso lhes dizer é que não se trata de uma tecnologia “corriqueira” e que já está presente em quaisquer earbuds TWS. Os próprios Galaxy Buds+, da Samsung, também não dispõem disso.

Por outro lado, como o Beoplay E8 entra bem no canal auditivo e provê isolamento passivo, ele necessita de um Modo Transparência. Caso contrário, você só conseguiria ouvir as coisas à sua volta e se comunicar com outras pessoas tirando ao menos um dos fones do ouvido.

E olha, vou lhes dizer, é um dos melhores isolamentos passivos que já experimentei em minha vida. Em alguns momentos, até me dá uma certa desconfiança de o Beoplay E8 realmente não ter Cancelamento Ativo de Ruídos, porque só de colocá-los na orelha já fica muito, muito bom.

Como eu citei em meus hands-on inicial, o Beoplay E8 “puro” é bem superior aos AirPods Pro com tudo desligado. Todavia, se ativarmos o Cancelamento Ativo de Ruídos dos AirPods Pro, aí eles conseguem isolar certos sons que o Beoplay E8 não consegue. Por outro lado, você está também consumindo bem mais bateria dessa forma.

Quanto ao Modo Transparência em si, o Beoplay E8 oferece em seu app três níveis de controle diferentes, enquanto nos AirPods Pro só podemos ligar ou desligar isso. Funciona muito bem, não dá nenhuma sensação de som “robotizado” quando falamos (os primeiros fones com esses Modos Transparência eram bem esquisitos nesse quesito), porém quando ativamos esse modo, o volume de saída dos fones reduz bastante — algo que não acontece com os AirPods Pro. Achei isso um pouco esquisito.


Ícone do app Bang & Olufsen

Bang & Olufsen

de Bang & Olufsen a/s

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 3.4.4 (317.7 MB)
Requer o iOS 10.0 ou superior
Screenshot do app Bang & OlufsenScreenshot do app Bang & OlufsenScreenshot do app Bang & OlufsenScreenshot do app Bang & Olufsen

Aproveitando para falar do app, obviamente os AirPods têm a vantagem de poderem ser integrados ao próprio sistema operacional, enquanto outros fones como o Beoplay E8 requerem a instalação de um aplicativo dedicado. Sem problemas quanto a isso, e o app da B&O cumpre o que promete.

Pelo aplicativo, é possível verificar o nível de bateria dos fones, ajustar o equalizador de som, definir o nível do Modo Transparência, ativar o sistema de standby automático e conferir outras informações sobre os fones de ouvido. Bem simples e direto.

Emparelhamento e troca entre dispositivos

Mais uma vez, tanto o Beoplay E8 quanto quaisquer outros fones que não sejam da Apple perdem para os AirPods/Beats no quesito emparelhamento automático. Como vocês sabem, basta abrir o estojo dos AirPods ao lado de um iPhone e tocar em um botão para que eles sejam emparelhados.

Até aí sem problemas, podemos dar um desconto. Não é tanto transtorno assim abrir os Ajustes e ir em Bluetooth para emparelhar os fones. E, de fato, esse processo é bem simples e ocorre sem problemas — ao contrário, de novo, daqueles clones vagabundos de AirPods que testei não tem muito tempo.

O problema é quando queremos alternar de um dispositivo para o outro com o Beoplay E8. Após anos usando AirPods, me acostumei a só abrir o menu de som da Central de Controle (ou pela barra de menus do macOS) e selecionar os AirPods para o sistema automaticamente “roubar” a conexão do dispositivo anteriormente emparelhado e pronto, vida que segue.

Com o Beoplay E8, não é assim. Ele até suporta o Bluetooth 5.1, que promete facilitar esse processo, mas em minha experiência foram poucas as vezes que eu tentei conectar a eles de outro dispositivo e a coisa funcionou de primeira. Quase sempre foi preciso recolocá-los em modo de emparelhamento (tocando e segurando em ambos os fones por 3-5 segundos) e aí sim conectar; ou, então, você precisa primeiro desconectar manualmente pelo último dispositivo que estava usando.

É um passo a mais nesse processo que chega a desanimar de usá-los. Nem acreditei quando confirmei com algumas outras pessoas, pelo meu Twitter, que alguns fones realmente são chatos nesse sentido (não todos, felizmente). E olha que, em breve, a Apple levará troca automática para os AirPods, que tende a tornar esse processo ainda mais suave e inteligente. 🤷🏼‍♂️

Qualidade de som e microfone

Aqui, meus amigos, o Beoplay E8 brilha!

Como eu falei no vídeo de hands-on, quem compra um fone desses não deve esperar graves hiper-potentes e um volume estrondoso, não é por aí. O foco aqui é em qualidade total, equilíbrio, balanço, clareza e ausência total de distorção.

Nesse quesito, o Beoplay E8 está bem à frente dos AirPods. É um prazer colocar uma boa música para tocar (com o Modo Transparência desligado, é claro), fechar os olhos e simplesmente… curtir. Não sou um audiófilo, mas audiófilos conhecem bem a “assinatura B&O” em seus fones e alto-falantes. É muito legal.

Claro, esses fones também servem por exemplo para você ouvir podcasts, mas acaba sendo um desperdício investir tanto dinheiro em algo que não tira o melhor proveito do que ele tem a oferecer.

Por outro lado, o microfone deles eu achei um pouco inferior ao dos AirPods — e, talvez, a ausência da “perninha” contribua para a captação não ser das melhores. Pior: ele não alterna de forma tão inteligente de um lado para o outro, e isso faz uma diferença enorme quando você está num lugar com vento, por exemplo.

Fiz dois testes rápidos, comparativos, num ambiente totalmente silencioso e sem vento. Nesse cenário, o Beoplay E8 é bem equiparável:

AirPods Pro
Beoplay E8

E aí, qual dos dois você achou melhor? 😉

Bateria

Essa foi infelizmente uma das características dos fones que eu não tive tempo suficiente para testar a fundo. Digo, usei eles bastante sem me preocupar com bateria e, no tempo em que estive o produto para este review, só recarreguei o estojo uma única vez.

Em outras palavras, não realizei um “teste de fogo” com a bateria dos fones, mas fiquei muito satisfeito com a performance deles no dia a dia. E as promessas da B&O são excelentes: 7h em uso normal, 35h com o estojo. Comparativamente, os AirPods Pro vão a 4,5-5h em uso normal (depende se você está usando ou não o Cancelamento Ativo de Ruídos) e 24h com o estojo.

Ainda de acordo com a B&O, os fones e o estojo podem ser recarregados (via USB-C) por completo em cerca de 2h — ou em 2h30, se você usar uma base de recarga sem fio (Qi).

Conclusão

Além da versão “cinza místico” que testei, o Beoplay E8 também é vendido nas cores rosa ou preta — todas pelo mesmo preço de US$350 nos EUA.

No Brasil, infelizmente não é muito fácil encontrar produtos da Bang & Olufsen, mas certamente há alguns importadores que trabalham com esses produtos. Já em Portugal, além de várias revendedoras autorizadas, a B&O tem quatro lojas oficiais em Lisboa, Cascais, Aveiro e Porto.

Fiquei pensando em como melhor responder a pergunta lá da introdução, mas ao mesmo tempo quem sequer cogita investir US$350 em fones de ouvido não faz parte do mesmo grupo de consumidores que busca economizar ao máximo com uma opção “suficientemente razoável” — afinal, é fato que existem boas alternativas custando bem menos que o Beoplay E8.

O que posso garantir é que esse não seria um dinheiro jogado fora. Os pontos mais fortes do Beoplay E8, na minha opinião, são sua qualidade de som, construção premium e controles por toque simples e funcionais. Se você valoriza muito esses pontos em earbuds sem fio, vá sem medo. Você vai curtir.

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…